Pular para o conteúdo principal

Imagem de Nossa Senhora no frontispício da Igreja Matriz

As obras de pintura da Catedral Nossa Senhora da Conceição, no Centro Histórico, ocupam a atenção da comunidade. Com a restauração do Paço e do Château d'Eau, os olhares agora se voltam para os detalhes que a rica arquitetura do templo revela sob a camada nova de tinta e, especialmente, sobre a imagem da Nossa Senhora que domina o frontispício.

Catedral em processo de pintura - foto Ione M. S. Carlos

As remodelações do templo foram muitas ao longo de sua história, mas a mais radical foi a iniciada em março de 1929, quando houve a decisão de mudar o aspecto externo, enriquecendo a simples arquitetura colonial militar de sua fachada com detalhes barrocos e substituindo a cruz que encimava o frontispício por uma imagem de Nossa Senhora.

Fachada original da Igreja Matriz - fototeca Museu Municipal
Na edição do jornal O Commercio, de 1.º de janeiro de 1929, detalhes da solene bênção da imagem da padroeira e inauguração das torres:

Como dissemos em nossa edição anterior, effectuou-se, na manhã de domingo ultimo, a solemnidade da benção do monumento votado a Nossa Senhora da Conceição, que encima o frontispicio remodelado da Igreja Matriz.
A missa das 9 horas, que precedeu a solemnidade, congregou grande massa de fiéis no templo catholico, ficando muitas pessoas postadas á frente, por não conseguirem logar no interior.
Proximo á porta de sahida, do lado esquerdo da igreja, um grupo de gentis senhoritas vocalisou canticos liturgicos, com acompanhamento, ao orgão, pela senhorita Alda Eggers.
A missa terminou ás 10 horas, começando, após, a reunião de povo emfrente ao templo, e ficando tomado o espaço desde a escada de acesso ao Chateau d'eau.
Nessa occasião, o revmo. monsenhor Luiz Scortegagna, Governador Geral do Bispado de Santa Maria, benzeu o monumento e inaugurou as duas torres novas da igreja, emquanto, no interior da mesma, a senhorita Carmen Barbosa vocalisava uma bella Ave Maria.
Serviram de paranymphos do acto, segurando em longas tiras de fita azul, as exmas. sras. dd. Carlinda Brandes, Brizabella Machado, Elizabeth Carvalho, Dora Mello de Barros, Azhyr Fontoura de Barcellos, Euphrasia Figueiredo, senhoritas Herminia Vieira da Cunha, Alice Abreu, Catharina de Franceschi e Olga Motta, as 5 ultimas, pelo Apostolado da Oração e pela Congregação Mariana; e os srs. Antonio Cauduro, José Carlos Barbosa, dr. David F. de Barcellos, Luiz Carvalho, João Franceschi (representando seu pai, sr. Maximiliano de Franceschi), Augusto Rossi, Nicolau Salzano e Virgilio Carvalho Bernardes.
Terminada a benção, que constituiu uma cerimonia emocionante, monsenhor Luiz Scortegagna subiu a um automovel que estava postado na praça, proferindo a seguinte oração:
Cerimonia simples e commovente, commovente e significativa esta que acaba de realizar-se.
Cachoeira, a catholica Cachoeira, está aqui dignamente representada por todos Vós  que constituis a concentração das energias do progresso social e religioso.
Cachoeira bella e forte, tu não poderias te gloriar com o nobre titulo de Princesa do Jacuhy, se a tua praça mais pittoresca não fosse aformoseada com um templo digno de tua crença, digno de tua excelsa protectora, da Immaculada Conceição, de accordo com o hodierno evoluir artistico.
Meus senhores! E' nesta hora que a digna commissão, depositaria do arduo encargo de transformar o antigo templo em alegre Domus Dei - casa do Senhor, Vos convidou para solemnisar a primeira etapa de sua actividade, a saber, a inauguração das alterosas torres com suas cruzes, as quaes, perfurando o espaço, symbolisam a nossa Fé e o nosso trabalho.

E o monsenhor prosseguiu em exaltações às ofertas para a realização da obra, terminando por referir-se ao arquiteto e a quem o templo é dedicado:

Honra ao celebrisado architecto sacro sr. Vitorino Zani, pela feliz produção artistica, honra á sua firma commercial pelo primoroso material fornecido; honra, outrosim, ao habil executor dos trabalhos, sr. Fortunato. E neste momento, com os olhos levantados para o céo, demos graças ao Altissimo pela insigne felicidade de, nesses trabalhos tão perigosos e arriscados, não ter havido nenhum incidente ou desastre grave a lamentar.
Animados pela fé trabalhemos pela remodelação da Igreja Matriz. - Igreja Matriz! isto é, Igreja mãe! sim, é este templo comum a todos nós.
É o lugar sagrado onde Deus habita na Sagrada Hostia; é o santuario onde temos colloquios com o Creador pela oração; é o lugar onde a maioria de Vós foi pacificada da mancha do pecado original, onde recebestes a santificação do vosso amor conjugal; onde tantas vezes recebestes o perdão dos vossos peccados e onde tantas vezes encontrastes consolo nas vossas tristezas;
Onde são encommendados os corpos inanimados;
Onde suffragamos as almas de nossos paes, parentes e amigos e onde um dia será suffragada a nossa alma.
E a quem é dedicado este templo?
A' creatura incomparavel, á mais pura e santa, á Medianeira de todas as graças, á Immaculada Virgem Maria, Padroeira do Brasil.


Nossa Senhora - foto Renato F. Thomsen
- pontedepedra.blogspot.com.br

Sua imagem, que acaba de ser inaugurada, repousa dia e noite no frontispicio do templo. Para vigiar e proteger a Vós todos, ahi a vêdes. Está ahi para fazer constatar aos peregrinos, aos viajantes das varzeas e das cochilhas vizinhas e aos que transitam pela linha ferrea, a vossa fé a vossa cultura.
Facto este que demonstra claramente que á S. S. Virgem Immaculada são consagrados os Cachoeirenses e que da sua protecção aguardam elles paz na vida, tranquilidade na lucta e completa felicidade no céo. Disse.
(...)
O orador foi muito applaudido e felicitado pelos conceitos que externou.
Tambem foi muito felicitada a commissão das obras de remodelação, constituida dos srs. Virgilo Carvalho de Abreu, Manoel Fialho de Vargas e Achylles Lima Figueiredo.
Em seguida começou a dispersão do povo, entronado ainda muitas pessoas na Igreja Matriz e na sachristia, onde se conservaram reunidas por algum tempo, em expansões de alegria.

Em maio de 2017, com a nova roupagem que a imagem de Nossa Senhora recebeu, ressaltando o azul de seu manto e os detalhes que identificam a sua representação, talvez a dúvida que assalte a todos de ser ela a Imaculada Conceição ou a Nossa Senhora das Graças esteja resolvida pelas palavras do monsenhor Scortegagna: 

A' creatura incomparavel, á mais pura e santa, á Medianeira de todas as graças, á Immaculada Virgem Maria, Padroeira do Brasil.

Com esta frase ele define Nossa Senhora como a mais pura e santa, a imaculada, independente das diversas nomenclaturas que recebe...

(MR)

Comentários

  1. Nossa grande historiadora Mirian Ritzel traz do passado o ambiente da inauguração das novas torres e da imagem da Nossa Senhora, transportando o sentimento que ainda vale agora e que vai para o futuro.
    osni schroeder

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Osni. Estamos todos, independente do credo que professamos, tomados pela mesma emoção de 1929!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co