Pular para o conteúdo principal

Onde está Roldão?

A documentação resguardada pelo Arquivo Histórico guarda um cabedal imenso de informações de toda ordem, oferecendo um universo de possibilidades para conhecimento da vida da cidade em diferentes períodos históricos. Mas engana-se quem pensa que a natureza da documentação seja apenas de caráter administrativo. É certo que esta tipologia é dominante, mas existem muitos outros gêneros, alguns deles constituindo-se em veículos que permitem um mundo de divagações.

Então, não só de assuntos administrativos, contábeis e de ordem legal tratavam os intendentes (administradores municipais ao tempo da Intendência - 1892 a 1930). Caíam sobre a sua mesa todo tipo de solicitação, como a carta de uma saudosa esposa atrás de informações do marido:

Carta da esposa de Roldão - IM/S/SE/CR-Caixa 3
- Acervo documental Arquivo Histórico

Ill.mo S-nr
                    Intendente 30 Setembro 1926
Pesso por favor para o S-r me mandar noticias de meo marido João Roldão que é joque ahi em cachoeira ou tratador de ums cavallos pello o que o meu marido me dice elle está parando distante de cachoeira umas duas leguas que vem a ser numa leitaria que fornece o leite para o café carioca.
O endereso que o meo marido me deo para eu lhe escrever foi Cafe carioca Cachoeira que ia parar em suas mão escrevi duas uma com este em dereso e otra para ser emtregue ao dono do café carioca para fazer o favor de emtregar para João Roldão não tive resposta e fazem dois mezes dia trez que não tenho noticias. Os boato que chegam a meos ovidos aqui não me agradam pesso emcarecidamente me fazer este favor de me mandar noticias de meo marido seje coal for a noticia deus de já lhe agradeso de sua Cria (criada) Obra (obrigada)

                                                  (assina)  Olinda Marcos Roldão

O meo endereso é Rua S.ª Lucy nº 12 
Porto Alegre

A carta informa que João Roldão era jóquei em Cachoeira. De fato as atividades do turfe estavam a pleno naqueles anos 1920. A primeira entidade do gênero, o Jockey Club Cachoeirense, havia sido inaugurado em 1904, no atual Bairro Santo Antônio. Em 22 de outubro de 1922, foi inaugurado o segundo Jockey Club, já em terras onde até hoje se encontram as pistas de corrida, local conhecido como Prado.

Prado do Amorim - Fototeca Museu Municipal

A outra informação trazida por Olinda é que a leitaria onde João Roldão poderia estar "parando" fornecia leite para o Café Carioca, inaugurado em 23 de abril de 1921. Propriedade de Heitor Gomes Martins, o café estava localizado defronte à Avenida das Paineiras (atual Rua Sete de Setembro) em amplo salão de três portas, calçado de mosaico e mobiliado a capricho. Este dado do leite fornecido ao Café Carioca permite o estabelecimento de um elo importante e que dá fundamento à informação da esposa de Roldão: Heitor Gomes Martins, proprietário do Café Carioca, foi também o primeiro presidente do segundo Jockey Club, inaugurado em 1922!

Bar A Carioca - foto de Benjamin Camozato - Grande Álbum de Cachoeira - 1922

Voltemos à carta sobre a mesa de João Neves da Fontoura, o intendente da época. Que resposta ele pôde dar à mulher? O que havia acontecido a João Roldão? Ele teria sido atraído para Cachoeira em razão das atividades turfísticas que aqui se desenvolviam com força na década de 1920? A profissão de jóquei certamente não garantia o seu sustento e assim João Roldão se viu obrigado a tratar de cavalos e se abrigar em uma leitaria, talvez indicado pelo proprietário do café, casualmente o primeiro presidente do segundo Jockey? Que boatos desagradáveis haviam chegado até sua esposa? Estas indagações que vêm com força do passado não trouxeram com elas as respostas. 

E hoje, habitantes do futuro da Olinda Marcos Roldão, seguimos partilhando ainda da sua angústia. Afinal, onde estaria Roldão?

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da