Pular para o conteúdo principal

Onde está Roldão?

A documentação resguardada pelo Arquivo Histórico guarda um cabedal imenso de informações de toda ordem, oferecendo um universo de possibilidades para conhecimento da vida da cidade em diferentes períodos históricos. Mas engana-se quem pensa que a natureza da documentação seja apenas de caráter administrativo. É certo que esta tipologia é dominante, mas existem muitos outros gêneros, alguns deles constituindo-se em veículos que permitem um mundo de divagações.

Então, não só de assuntos administrativos, contábeis e de ordem legal tratavam os intendentes (administradores municipais ao tempo da Intendência - 1892 a 1930). Caíam sobre a sua mesa todo tipo de solicitação, como a carta de uma saudosa esposa atrás de informações do marido:

Carta da esposa de Roldão - IM/S/SE/CR-Caixa 3
- Acervo documental Arquivo Histórico

Ill.mo S-nr
                    Intendente 30 Setembro 1926
Pesso por favor para o S-r me mandar noticias de meo marido João Roldão que é joque ahi em cachoeira ou tratador de ums cavallos pello o que o meu marido me dice elle está parando distante de cachoeira umas duas leguas que vem a ser numa leitaria que fornece o leite para o café carioca.
O endereso que o meo marido me deo para eu lhe escrever foi Cafe carioca Cachoeira que ia parar em suas mão escrevi duas uma com este em dereso e otra para ser emtregue ao dono do café carioca para fazer o favor de emtregar para João Roldão não tive resposta e fazem dois mezes dia trez que não tenho noticias. Os boato que chegam a meos ovidos aqui não me agradam pesso emcarecidamente me fazer este favor de me mandar noticias de meo marido seje coal for a noticia deus de já lhe agradeso de sua Cria (criada) Obra (obrigada)

                                                  (assina)  Olinda Marcos Roldão

O meo endereso é Rua S.ª Lucy nº 12 
Porto Alegre

A carta informa que João Roldão era jóquei em Cachoeira. De fato as atividades do turfe estavam a pleno naqueles anos 1920. A primeira entidade do gênero, o Jockey Club Cachoeirense, havia sido inaugurado em 1904, no atual Bairro Santo Antônio. Em 22 de outubro de 1922, foi inaugurado o segundo Jockey Club, já em terras onde até hoje se encontram as pistas de corrida, local conhecido como Prado.

Prado do Amorim - Fototeca Museu Municipal

A outra informação trazida por Olinda é que a leitaria onde João Roldão poderia estar "parando" fornecia leite para o Café Carioca, inaugurado em 23 de abril de 1921. Propriedade de Heitor Gomes Martins, o café estava localizado defronte à Avenida das Paineiras (atual Rua Sete de Setembro) em amplo salão de três portas, calçado de mosaico e mobiliado a capricho. Este dado do leite fornecido ao Café Carioca permite o estabelecimento de um elo importante e que dá fundamento à informação da esposa de Roldão: Heitor Gomes Martins, proprietário do Café Carioca, foi também o primeiro presidente do segundo Jockey Club, inaugurado em 1922!

Bar A Carioca - foto de Benjamin Camozato - Grande Álbum de Cachoeira - 1922

Voltemos à carta sobre a mesa de João Neves da Fontoura, o intendente da época. Que resposta ele pôde dar à mulher? O que havia acontecido a João Roldão? Ele teria sido atraído para Cachoeira em razão das atividades turfísticas que aqui se desenvolviam com força na década de 1920? A profissão de jóquei certamente não garantia o seu sustento e assim João Roldão se viu obrigado a tratar de cavalos e se abrigar em uma leitaria, talvez indicado pelo proprietário do café, casualmente o primeiro presidente do segundo Jockey? Que boatos desagradáveis haviam chegado até sua esposa? Estas indagações que vêm com força do passado não trouxeram com elas as respostas. 

E hoje, habitantes do futuro da Olinda Marcos Roldão, seguimos partilhando ainda da sua angústia. Afinal, onde estaria Roldão?

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co