Pular para o conteúdo principal

A morte do empreiteiro

Quando houve o rompimento de uma viga mestra que amarrava o telhado do ainda jovem prédio do Teatro Municipal, em janeiro de 1908, vendo-se a municipalidade sem recursos para recuperá-lo, o intendente Dr. Balthazar de Bem tomou a decisão de cedê-lo para o governo do Estado para que nele fossem alocados o Fórum, que ocupava o andar superior da Intendência, e o colégio elementar a ser criado. No dia 18 de agosto de 1913, foi repassado o prédio do Teatro para o estado.


Nota publicada no jornal O Commercio, de 20/8/1913, p. 2
- Coleção de Imprensa do Arquivo Histórico

Teatro Municipal inaugurado em 25/12/1900 - Fototeca Museu Municipal

Intendente Dr. Balthazar de Bem 

Em março de 1915, foram feitas as matrículas dos primeiros alunos do Colégio Elementar que, naquele mesmo ano, teve aprovada a denominação de Colégio Elementar Antônio Vicente da Fontoura, por sugestão de sua primeira diretora, professora Cândida Fortes Brandão. No entanto, como o prédio do Teatro Municipal ainda não estava em condições de receber o colégio, as aulas aconteciam provisoriamente em outros locais, dentre eles a casa da diretora, sita na Rua Moron.

Em 25 de abril de 1915 tiveram início as obras de reconstrução do prédio e adaptação às necessidades do Colégio Elementar e Fórum, sendo contratado como empreiteiro o italiano Giuseppe Tellini.

Como que marcado pela desventura, mais uma vez o destino teceu imbróglios para que o prédio do Teatro tivesse obstaculizados os seus propósitos. Dois lentos anos transcorriam desde a contratação das obras quando morreu, de forma repentina, o empreiteiro Tellini.

Segundo o jornal O Commercio, edição do dia 23 de maio:

A's 12 1/2 horas do dia 16 do actual (quarta-feira) succumbiu nesta cidade, repentinamente, o sr. José Tellini, de 52 annos, natural da Italia e residente em Porto  Alegre, onde tinha seu domicilio.

O extincto chegára a esta cidade ha alguns meses e dirigia, aqui, as obras de reforma do antigo edificio do Theatro Municipal, que está sendo adaptado ao funccionamento do Collegio Elementar e do Forum.

Ainda ao anoitecer de um dos ultimos domingos tivemos, com o finado, uma palestra á frente do edificio em que exercia a sua actividade. Externando uma opinião sobre o mencionado edificio, disse que as paredes do Theatro estavam todas em bôas condicções e que poderiam ter ficado inteiras, si não fosse a necessidade de transformar o edificio para outro mister, que era necessario apenas distribuir com mais equidade o lastro do madeiramento do telhado, e, assim procedendo poder-se-ia ter conservado o Theatro.

(...)

Quarta-feira, á hora do almoço, sentiu-se o intelligente constructor, que era muito sanguineo, um pouco indisposto, não comparecendo á refeição. Vindo procural-o o capataz no seu quarto para convidal-o a almoçar, ali o achou deitado, com o rosto negro, tendo de um lado um vidro de pilulas, do qual, provavelmente, tomára ainda. Chamado, com urgencia, o dr. Balthazar de Bem, este facultativo compareceu immediatamente, nada mais tendo a fazer do que attestar o obito, occorrido em consequencia de hemorraghia cerebral.

Casado com a exma. sra. d. Maria Tellini, existem, desse matrimonio, 8 filhos, sendo 2 de maioridade e 6 menores.

Seu corpo foi conduzido para Porto Alegre, em trem expresso, na madrugada seguinte, e ali dado á sepultura.

A morte do empreiteiro acabou por retardar ainda mais as obras no prédio do Teatro, último trabalho executado por esse italiano que, segundo Günter Weimer, no livro Arquitetos e Construtores do Rio Grande do Sul - 1892/1945 (Editora UFSM, Santa Maria, 2004), havia chegado em Porto Alegre no ano de 1911, quando construiu uma enfermaria para a Brigada Militar, sendo provavelmente um dos sócios da firma Irmãos Tellini.

MR

Comentários

  1. E o que aconteceu com o prédio depois da morte do empreiteiro?

    ResponderExcluir
  2. O prédio seguiu em obras, sendo nele instalado, no primeiro andar, o Colégio Elementar. Quanto ao Fórum, ainda não temos certeza da data em que foi mudado para o segundo andar, provavelmente após 1922.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co