Pular para o conteúdo principal

Sete de Setembro

SETE DE SETEMBRO

Silencio!... não turbeis na paz da morte
Os manes que o Brazil quasi esquecia!...
E' tarde!.. Eis que espedaça a lousa fria
De um vulto venerando o braço forte!...

Surgiu!.. A magestade traz no porte,
Onde o astro da gloria s'irradia!...
Vem, grande Andrada, adivinhaste o dia!...
Vem juntar ao da patria o teu transporte!...

Recua?!.. Não se apressa em vir saudal-a;
Cobre a fronte brilhante de heroismo,
E soluça!.. O que tem?!. Eil-o que fala;

"Oh! patria que eu salvei do despotismo!
Lá vejo a corrupção que te avassalla!
Não te conheço!.." E se afundou no abysmo!..

                               Felix Xavier da Cunha

Soneto publicado em O Commercio, 4/9/1907
- Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico

O soneto acima, do advogado, jornalista, escritor e político Félix da Cunha, foi publicado pelo jornal O Commercio, edição do dia 4 de setembro de 1907 ao ensejo da comemoração da data da independência do Brasil.

Félix Xavier da Cunha

Apesar dos 110 anos de distanciamento no tempo, os versos do poeta encerram atualidade, ainda que o linguajar e o estilo possam parecer anacrônicos. Na tentativa de atualizar o conteúdo dos versos e permitir o seu entendimento, o poeta poderia ter dito o mesmo assim:

Silêncio. Não perturbemos a paz da morte daqueles que o Brasil já quase esqueceu.
É tarde quando o braço forte de um vulto importante rompe a lage do seu túmulo e surge, com a glória estampada na testa. É José Bonifácio de Andrada e Silva que emerge do túmulo justamente no dia 7 de setembro, quando a pátria também fez a sua passagem do domínio de Portugal para a liberdade. Mas Andrada recua, não tem pressa em sair do túmulo. Cobre a testa, soluça e diz: Pátria que eu salvei do domínio, vejo que a corrupção te destrói! Não te conheço mais! E volta para dentro do túmulo...

Félix da Cunha, que dá nome a uma rua próxima ao endereço do Arquivo Histórico, nasceu e viveu no século XIX, portanto a estética de seus versos é a da sua época. E chama a atenção que a estética muda, mas infelizmente a temática segue a mesma...

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da