Pular para o conteúdo principal

Júlio empoeirada!

A Rua Júlio de Castilhos sempre foi uma das vias importantes da cidade, caminho de ingresso dos que vinham do norte, ou do alto dos trilhos, até o centro e vice-versa. Os habitantes das zonas coloniais serviam-se da "Stoffel Pikade", como era chamada a Avenida Brasil pelos alemães, para atingirem a Rua Júlio, ponto em que estavam estabelecidos fortes armazéns.

Rua Júlio de Castilhos - acervo Família Tischler

Em 1915 o aspecto da via era bastante desanimador. Nuvens de poeira costumavam subir aos ares em tempos de seca, transtornando a vida de moradores e comerciantes. Diante da falta de providências das autoridades municipais, um grupo de cidadãos que lá habitavam ou conservavam seus negócios organizou um abaixo-assinado com 43 assinaturas solicitando o que segue:

Os ABAIXO-ASSIGNADOS, moradores á rua Julio de Castilhos, vem respeitosamente á Vossa presença, solicitar o seguinte: 
I - Como a citada rua é a de maior movimento nesta cidade, onde transita todo e qualquer vehiculo, tem muita necessidade de ser ao menos macadamisada com cascalho, (já que não póde ser calçada com pedras) para assim evitar as enormes nuvens de poeira que evade as casas, principalmente no lado oeste.
II - Este melhoramento torna-se util não só aos commerciantes, que necessitam de suas casas abertas, como para as familias em geral.
III - Desejavamos que V. Exa. se vereficasse pessoalmente das sérias difficuldades que lucta um industrialista, de chegar ao ponto de cerrar as portas, suspender com o trabalho diario, privando assim de o operario tirar o seu ordenado para o pão de cada dia.
IV - O trecho principal é comprehendido desde o principio da rua Saldanha Marinho até a casa dos Snrs. Guilherme Beskow & Cia.
V - Sendo a nossa cidade uma das mais apraziveis da campanha, nada recommenda aos olhos dos visitantes ás enchurradas de pó que se vêem obrigados a tragar, como aconteceu nestes ultimos dias, privando os transeuntes de sahirem á rua.
VI - Ha outras cidades na campanha de muito menos commercio como a nossa, e no emtanto já possuem as ruas perfeitamente calçadas, sendo este um dos primeiros asseios.
Esperando o seu benevolo auxilio nesta importante obra de grande utilidade, fizemos este abaixo assignado, em defesa de nossa saude e para combater as doenças derivadas desta tão aborrecida poeira.
Saude e Fraternidade
CACHOEIRA, 25 de Outubro de 1915
Frederico Wilhelm
Ricardo Schaurich
Celeste C. Begnis
Albino José Schaurich
Henrique Pohlmann
Francisco Zanetti
Germano Berner Junior
Theobaldo Ruschel
Emilio Pohlmann
Francisco Guidugli
Aristides Moreira
Avelino F. Cavalheiro
Augusto Schaurich
Ernesto Müller
Leonel Friedrich
Arthur Fetter
Guilherme Ritter
Pedro Port
Frederico Treptow
Franz Rother
Oswald Rother
Henrique Richter & Irmão
Octavio Simões
Manoel Fernandes
Benedicto Dicklhuber
I. S. Macedo
Arnoldo Fischer
Arnoldo Tischler
Nicolau Alario
Alfredo Danzmann & Cia.
Roberto Danzmann
Aldomar Danzmann
Pedro Alario
Antonio Alario
Carlos M. Böer
Sylvio Pascotto
Guilherme Beskow & Cia.
Willy Tesch
Willy Tesch & Cia.
Gustavo Lindner
Olfírio Amaro
Pedro Carlos Zinn
Roberto Pohlmann
Balduino Pohlmann

Abaixo-assinado - IM/S/SE/CR-025 - 701
O pedido dos moradores foi atendido pelo Vice-intendente Francisco Gama, conforme noticiava o jornal O Commercio de 12 de abril de 1916, ocasião em que publicou o edital de concorrência para a realização das obras de macadamização e construção de sarjetas.

Bem mais tarde, na transição dos anos 1930 para 1940, a Rua Júlio de Castilhos foi uma das primeiras da cidade a ser asfaltada.

MR

Comentários

  1. Parabéns ao Arquivo pela pesquisa, guarda e divulgação da história de Cachoeira do Sul. De longe, ainda, acompanho nossa mágica cidade.

    ResponderExcluir
  2. Comandante Mikilita, ficamos lisonjeadas com suas palavras. O Arquivo Histórico procura cumprir com uma de suas funções, qual seja a de divulgar a história e o rico acervo documental de que é guardião. Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co