Pular para o conteúdo principal

Brasil - Campeão do Mundo!

Há 60 anos, no dia 29 de junho de 1958, o Brasil conquistava seu primeiro título na Copa do Mundo de Futebol. Depois de uma campanha fracassada em 1954 e do trauma da derrota para o Uruguai, no Maracanã, em 1950, a Seleção Brasileira chegou ao final da Copa de 1958 para combater a Suécia, a dona da casa, vencendo o confronto por 5 a 2! Mesmo derrotada, a torcida sueca aplaudiu o campeão de pé!

A imprensa escrita do país saudou aos quatro ventos a primeira conquista mundial do Brasil no futebol. Os jornais de Cachoeira do Sul, Jornal do Povo e O Comércio, foram porta-vozes da emoção que os cachoeirenses já haviam experimentado pelas ondas do rádio, então único veículo a transmitir as partidas da Copa do Mundo:

Jornal do Povo - edição de 1/7/1958, p. 1 - Acervo de Imprensa do AH


BRASIL CAMPEÃO DO MUNDO
ESTOCOLMO, Suécia, 29 (JP) - Uma assistência superior a 53 mil pessoas lotou literalmente esta tarde o belo Estádio de Rasunda, de Solma [sic], nesta Capital onde o Brasil e Suecia decidiram o titulo de Campeão Mundial de Futebol.
As dependências do Estádio de Rasunda foram insuficientes para abrigar o grande publico que afluiu ao local do grande jôgo mas, pela televisão, os milhões de suécos tiveram a oportunidade de acompanhar a tôdas as incidências do magno embate.
Os brasileiros, não tão brilhantes como das vêzes anteriores, ainda assim voltaram a impressionar aos aficionados suécos e aos críticos internacionais que reconheceram nos nacionais os campeões de fato e de direito do magno certame.
(...)
AS EQUIPES
As equipes na jornada memorável desta tarde no Estádio de Solna, na Suécia, tiveram as seguintes formações: 
BRASIL com Gilmar; Djalma Santos, Bellini e Newton Santos; Zito e Orlando; Garrincha, Didi, Vavá, Pelé e Zagalo.
SUÉCIA com Svensson; Borjecson, Gustavson e Axbon; Bergmark e Parling; Hamrim, Gunnar Green, Simensson, Liedholm e Skoglund.

A reportagem do Jornal do Povo traz também os principais lances do jogo do primeiro e segundo tempos em notícia de página inteira.

O Comércio - edição de 2/7/1958, p. 1 - Acervo de Imprensa do AH

O jornal O Comércio assim deu a boa nova:

Brasil, invíto no Campeonato Mundial de Futeból
Não tem dúvida alguma que o Brasil, nestas duas últimas semanas, é o país cujo nome é pronunciado mais a miude em todo o planeta. Quasi que de uma hora para outra, passou para o primeiro plano no mundo, suplantando, talvez, os Estados Unidos, Russia, França, Inglaterra e os irrequietos países circundantes do Mediterraneo. Nem o lançamento do primeiro satélite russo agitou tanto a opinião mundial. 
Pelo que parece, o que os outros fazem com a cabeça, nós fizemos com os pés.
O futeból, nestes últimos dias, polarisou a atenção, ficando os demais assuntos, para um segundo plano. 
Hoje, o Brasil ocupa lugar de destaque nas manchetes da imprensa mundial e, o que não deixa de ser importante, não por haver engendrado alguma maquina de destruição e morte, mas sim, por haver, por intermédio de um pugilo de desportistas, conquistado, com toda lisura e desmedida pericia, o ambicionado título de Campeão Mundial do Futeból em uma das mais marcantes batalhas desportivas, na qual se empenharam os mais destacados valores de todos quadrantes da terra. 

Os campeões de 1958 - acervo do Museu Paulista - USP
Sessenta anos depois, o Brasil busca nos campos da Rússia o seu hexacampeonato mundial de futebol. O mundo mudou tremendamente nestas seis décadas, mas a paixão pelo futebol segue a mesma, como comprovam as notícias de 1958 e as que chegam instantaneamente até nós em 2018. Graças ao acervo de imprensa de instituições como o Arquivo Histórico, a distância temporal de 60 anos corre célere como o folhear de páginas dos antigos jornais.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co