Pular para o conteúdo principal

Brasil - Campeão do Mundo!

Há 60 anos, no dia 29 de junho de 1958, o Brasil conquistava seu primeiro título na Copa do Mundo de Futebol. Depois de uma campanha fracassada em 1954 e do trauma da derrota para o Uruguai, no Maracanã, em 1950, a Seleção Brasileira chegou ao final da Copa de 1958 para combater a Suécia, a dona da casa, vencendo o confronto por 5 a 2! Mesmo derrotada, a torcida sueca aplaudiu o campeão de pé!

A imprensa escrita do país saudou aos quatro ventos a primeira conquista mundial do Brasil no futebol. Os jornais de Cachoeira do Sul, Jornal do Povo e O Comércio, foram porta-vozes da emoção que os cachoeirenses já haviam experimentado pelas ondas do rádio, então único veículo a transmitir as partidas da Copa do Mundo:

Jornal do Povo - edição de 1/7/1958, p. 1 - Acervo de Imprensa do AH


BRASIL CAMPEÃO DO MUNDO
ESTOCOLMO, Suécia, 29 (JP) - Uma assistência superior a 53 mil pessoas lotou literalmente esta tarde o belo Estádio de Rasunda, de Solma [sic], nesta Capital onde o Brasil e Suecia decidiram o titulo de Campeão Mundial de Futebol.
As dependências do Estádio de Rasunda foram insuficientes para abrigar o grande publico que afluiu ao local do grande jôgo mas, pela televisão, os milhões de suécos tiveram a oportunidade de acompanhar a tôdas as incidências do magno embate.
Os brasileiros, não tão brilhantes como das vêzes anteriores, ainda assim voltaram a impressionar aos aficionados suécos e aos críticos internacionais que reconheceram nos nacionais os campeões de fato e de direito do magno certame.
(...)
AS EQUIPES
As equipes na jornada memorável desta tarde no Estádio de Solna, na Suécia, tiveram as seguintes formações: 
BRASIL com Gilmar; Djalma Santos, Bellini e Newton Santos; Zito e Orlando; Garrincha, Didi, Vavá, Pelé e Zagalo.
SUÉCIA com Svensson; Borjecson, Gustavson e Axbon; Bergmark e Parling; Hamrim, Gunnar Green, Simensson, Liedholm e Skoglund.

A reportagem do Jornal do Povo traz também os principais lances do jogo do primeiro e segundo tempos em notícia de página inteira.

O Comércio - edição de 2/7/1958, p. 1 - Acervo de Imprensa do AH

O jornal O Comércio assim deu a boa nova:

Brasil, invíto no Campeonato Mundial de Futeból
Não tem dúvida alguma que o Brasil, nestas duas últimas semanas, é o país cujo nome é pronunciado mais a miude em todo o planeta. Quasi que de uma hora para outra, passou para o primeiro plano no mundo, suplantando, talvez, os Estados Unidos, Russia, França, Inglaterra e os irrequietos países circundantes do Mediterraneo. Nem o lançamento do primeiro satélite russo agitou tanto a opinião mundial. 
Pelo que parece, o que os outros fazem com a cabeça, nós fizemos com os pés.
O futeból, nestes últimos dias, polarisou a atenção, ficando os demais assuntos, para um segundo plano. 
Hoje, o Brasil ocupa lugar de destaque nas manchetes da imprensa mundial e, o que não deixa de ser importante, não por haver engendrado alguma maquina de destruição e morte, mas sim, por haver, por intermédio de um pugilo de desportistas, conquistado, com toda lisura e desmedida pericia, o ambicionado título de Campeão Mundial do Futeból em uma das mais marcantes batalhas desportivas, na qual se empenharam os mais destacados valores de todos quadrantes da terra. 

Os campeões de 1958 - acervo do Museu Paulista - USP
Sessenta anos depois, o Brasil busca nos campos da Rússia o seu hexacampeonato mundial de futebol. O mundo mudou tremendamente nestas seis décadas, mas a paixão pelo futebol segue a mesma, como comprovam as notícias de 1958 e as que chegam instantaneamente até nós em 2018. Graças ao acervo de imprensa de instituições como o Arquivo Histórico, a distância temporal de 60 anos corre célere como o folhear de páginas dos antigos jornais.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da