Pular para o conteúdo principal

Arquivo sendo mais que Arquivo

Algumas cidades - e não são muitas - podem se dar ao luxo de exibir orgulhosamente um arquivo histórico. O de Cachoeira do Sul, criado em 5 de agosto de 1987, é o depositário da documentação de valor histórico, tendo como ponto de partida a data da instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira, em 5/81820.

A rica, variada e excepcional documentação existente no Arquivo Histórico atende aos mais variados interesses e tem sido regularmente procurada por diferentes pesquisadores. Dos cidadãos comuns aos pós-doutorados, passando por professores, estudantes ou simplesmente curiosos, todos saem da instituição com alguma informação de seu interesse.

Recentemente foi localizada dentre a documentação do período Intendência Municipal uma correspondência de Bromberg & Cia., empresa que por muitos anos teve agência em Cachoeira, dirigida ao intendente municipal, em 13 de fevereiro de 1924, com a interessante informação de que o mecânico Otto Mernak tinha todas as condições de montar os filtros adquiridos pelo município:


Ofício de Bromberg  & Cia. - IM/S/SE/OR-Caixa 10
A par da informação constante no documento, hoje amplamente conhecida pela capacidade que Otto Mernak teve de instalar no município a maior fábrica de locomóveis da América Latina, pôde-se instrumentalizar um dos tantos pesquisadores que circularam pelo Arquivo Histórico na presente semana e que casualmente está empenhado na elaboração de seu TCC de graduação que versará sobre... Otto Mernak e sua indústria!

Felipe Couto - TCC de graduação
Na mesma ocasião, acadêmicos de Arquitetura da Universidade Federal de Santa Maria - Cachoeira do Sul estavam em busca de informações sobre sangas e cursos d'água e a plataforma portuária construída à margem do Jacuí.


Os acadêmicos Leonardo G. De Franceschi e Ramão C. Machado

Outro assunto de bastante interesse da comunidade acadêmica tem sido a história do distrito de Ferreira, local em que se ergue o campus da Universidade Federal de Santa Maria - Cachoeira do Sul.


 Rodrigo Pereira F.º,  Raquel Pahim, Tales Muradas e Bruno Mazuim 
- acadêmicos de Arquitetura - UFSM

A doutoranda Michele de Oliveira Casali, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, passou três dias pesquisando no Arquivo Histórico documentos do período Câmara Municipal (1820 - 1889), especialmente sobre justiça e polícia.


Doutoranda Michele de Oliveira Casali - UFRGS

Michele pesquisando em documentos e Marco A. Lemes em jornais
Outra atividade desenvolvida pelo Arquivo Histórico e de grande significado para difundir os serviços oferecidos pela instituição e o seu papel enquanto repositório da memória é a visita guiada. Recentemente um grupo de jovens do MOCOCA - Centro Comunitário estiveram conhecendo as dependências e atividades do Arquivo Histórico, ocasião em que um deles, Augusto Radkte, aproveitou para inteirar-se com Maria Lúcia Mór Castagnino sobre o serviço de genealogia.

Augusto Radtke inteirando-se sobre genealogia
com Maria Lúcia M. Castagnino

Jenifer Husek com Gabriel Luiz, Aramis N. Simões, Bruno Marcelo D. Silveira
e Augusto Radtke guiados no Arquivo Histórico por Mirian Ritzel

Arquivo sendo mais que arquivo. Instituição que guarda, preserva, disponibiliza e difunde documentos da nossa história. Uma comunidade só poderá orgulhar-se de suas instituições culturais se conhecê-las, quando então compreenderá a importância de seu trabalho e sua manutenção.

MR

Comentários

  1. Lindo de ver! Parabéns aos cachoeirenses que sempre valorizaram a história e a preservação.

    ResponderExcluir
  2. excelente trabalho cultural
    so não aceita quem não quer aceitar !

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co