Pular para o conteúdo principal

Arquivo sendo mais que Arquivo

Algumas cidades - e não são muitas - podem se dar ao luxo de exibir orgulhosamente um arquivo histórico. O de Cachoeira do Sul, criado em 5 de agosto de 1987, é o depositário da documentação de valor histórico, tendo como ponto de partida a data da instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira, em 5/81820.

A rica, variada e excepcional documentação existente no Arquivo Histórico atende aos mais variados interesses e tem sido regularmente procurada por diferentes pesquisadores. Dos cidadãos comuns aos pós-doutorados, passando por professores, estudantes ou simplesmente curiosos, todos saem da instituição com alguma informação de seu interesse.

Recentemente foi localizada dentre a documentação do período Intendência Municipal uma correspondência de Bromberg & Cia., empresa que por muitos anos teve agência em Cachoeira, dirigida ao intendente municipal, em 13 de fevereiro de 1924, com a interessante informação de que o mecânico Otto Mernak tinha todas as condições de montar os filtros adquiridos pelo município:


Ofício de Bromberg  & Cia. - IM/S/SE/OR-Caixa 10
A par da informação constante no documento, hoje amplamente conhecida pela capacidade que Otto Mernak teve de instalar no município a maior fábrica de locomóveis da América Latina, pôde-se instrumentalizar um dos tantos pesquisadores que circularam pelo Arquivo Histórico na presente semana e que casualmente está empenhado na elaboração de seu TCC de graduação que versará sobre... Otto Mernak e sua indústria!

Felipe Couto - TCC de graduação
Na mesma ocasião, acadêmicos de Arquitetura da Universidade Federal de Santa Maria - Cachoeira do Sul estavam em busca de informações sobre sangas e cursos d'água e a plataforma portuária construída à margem do Jacuí.


Os acadêmicos Leonardo G. De Franceschi e Ramão C. Machado

Outro assunto de bastante interesse da comunidade acadêmica tem sido a história do distrito de Ferreira, local em que se ergue o campus da Universidade Federal de Santa Maria - Cachoeira do Sul.


 Rodrigo Pereira F.º,  Raquel Pahim, Tales Muradas e Bruno Mazuim 
- acadêmicos de Arquitetura - UFSM

A doutoranda Michele de Oliveira Casali, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, passou três dias pesquisando no Arquivo Histórico documentos do período Câmara Municipal (1820 - 1889), especialmente sobre justiça e polícia.


Doutoranda Michele de Oliveira Casali - UFRGS

Michele pesquisando em documentos e Marco A. Lemes em jornais
Outra atividade desenvolvida pelo Arquivo Histórico e de grande significado para difundir os serviços oferecidos pela instituição e o seu papel enquanto repositório da memória é a visita guiada. Recentemente um grupo de jovens do MOCOCA - Centro Comunitário estiveram conhecendo as dependências e atividades do Arquivo Histórico, ocasião em que um deles, Augusto Radkte, aproveitou para inteirar-se com Maria Lúcia Mór Castagnino sobre o serviço de genealogia.

Augusto Radtke inteirando-se sobre genealogia
com Maria Lúcia M. Castagnino

Jenifer Husek com Gabriel Luiz, Aramis N. Simões, Bruno Marcelo D. Silveira
e Augusto Radtke guiados no Arquivo Histórico por Mirian Ritzel

Arquivo sendo mais que arquivo. Instituição que guarda, preserva, disponibiliza e difunde documentos da nossa história. Uma comunidade só poderá orgulhar-se de suas instituições culturais se conhecê-las, quando então compreenderá a importância de seu trabalho e sua manutenção.

MR

Comentários

  1. Lindo de ver! Parabéns aos cachoeirenses que sempre valorizaram a história e a preservação.

    ResponderExcluir
  2. excelente trabalho cultural
    so não aceita quem não quer aceitar !

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da