Pular para o conteúdo principal

E.M.E.F. Dr. Baltazar de Bem - 60 anos

Há 60 anos a administração do município inaugurava o Grupo Escolar Dr. Baltazar de Bem, instituição que posteriormente se transformou em uma das maiores escolas da rede municipal de ensino.

E.M.E.F. Dr. Baltazar de Bem - foto www.escolabaltazardebem.blogspot.com
O Jornal do Povo, em sua edição do dia 28 de setembro de 1958, primeira página, publicou que A Municipalidade Inaugura Hoje Novas Escolas, referindo que três estabelecimentos de ensino seriam abertos, sendo um em Agudo, um em Dona Francisca e o terceiro na Vila Marina, periferia da cidade de Cachoeira do Sul:

Jornal do Povo de 28/9/1958, p. 1

Na Vila Marina. Ainda hoje, domingo, às 16 horas, nesta cidade, a Prefeitura procederá à inauguração do G.E. "Dr. Baltazar de Bem", na Vila Marina, cujo prédio, ostentando requisitos em instalações e comodidades, alvo já de uma reportagem dêste jornal, será entregue à população escolar dessa populosa zona.
As solenidades inaugurais contarão com a presença de pessoas da família do saudoso Dr. Baltazar de Bem, cujos membros muito colaboraram para a concretização dêste empreendimento ao ceder parte do terreno onde está erigida a nova escola.
Esperam ainda as autoridades municipais contar com a presença do Secretário de Educação e Cultura do Estado, Dr. Adroaldo Mesquita da Costa, ao qual foi endereçada uma mensagem, convidando-o para êste ato.
Autoridades e convidados serão obsequiados com um coquetel após as solenidades de praxe.

A notícia refere que a família do Dr. Balthazar de Bem doou parte do terreno para que a escola fosse construída, o que se explica pelo fato de que a então Vila Marina foi assentada em terras que constituíam a Granja da Penha, propriedade rural pertencente aos de Bem. Na Granja da Penha, Balthazar de Bem, dentre outras atividades, criava gado Devon, raça de que foi o introdutor e grande incentivador no município.

Dr. Baltazar de Bem - foto Benjamin Camozato

O nome do Bairro Marina, onde se localiza a escola, também está associado à família do Dr. Balthazar. Trata-se de homenagem à sua esposa, Marina Matos de Bem.

Balthazar (sentado) e família, vendo-se Marina postada atrás
- Fototeca Museu Municipal

Balthazar de Bem era um homem de múltiplas facetas: médico, político, fazendeiro e industrial. Uma de suas últimas iniciativas - de efetivo sucesso - foi a aquisição da indústria conhecida como Charqueada do Paredão, em 1921, por uma sociedade em comandita por ações da qual ele era o diretor. Denominado Estabelecimento Paredão, o complexo industrial que já tinha sido portentoso entre o final do século XIX e início do século XX, ganhou sob a administração de Balthazar de Bem & Cia. um importante produto: o Alimento Fabini, composto de carne integral hidrocarbonada, comercializado para todo o país e exterior. Balthazar, como médico, recomendava o produto para o fortalecimento de crianças, adultos e idosos que não podiam comer carne! Venda certa!

Alimento Fabini - produto da Charqueada Paredão
- Grande Álbum de Cachoeira, de Benjamin Camozato

Na política, Balthazar foi deputado estadual por duas vezes, intendente de Cachoeira entre 1912 e 1916 e vice-intendente eleito em 1924, cargo que não chegou a desempenhar em razão de ter sido morto em 10 de novembro de 1924, em um levante militar no Barro Vermelho.

Além da E.M.E.F. Dr. Baltazar de Bem, o município de Cachoeira do Sul homenageia este importante personagem histórico com a denominação da Praça Dr. Balthazar de Bem, um dos mais visitados e fotografados pontos da cidade.

Parabéns à E.M.E.F. Dr. Baltazar de Bem pelos 60 anos de existência, levando luz a crianças, jovens e adultos do importante Bairro Marina.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co