Pular para o conteúdo principal

Remodelação da Igreja Matriz

As grandes obras de saneamento da cidade, concluídas em 1925, e a onda de embelezamento urbano que as acompanhou, motivaram as lideranças religiosas e comunitárias a promoverem a remodelação da Igreja Matriz. Com o belo Château d'Eau chamando a atenção no centro da Praça Almirante Tamandaré (hoje Praça Dr. Balthazar de Bem), a velha Matriz com seu aspecto despojado e ainda conservando sua originalidade, deve ter parecido superada diante de tantas novidades. A grande liderança que concluiu as obras urbanas, Dr. João Neves da Fontoura, também incentivou os paroquianos a procederem ao embelezamento da Igreja Matriz, sugerindo a criação de uma comissão que se encarregasse de tal empreitada.

Château d'Eau e Igreja Matriz antes da remodelação - Fototeca Museu Municipal


A comissão foi constituída dentre membros da paróquia e apoiadores das obras, tendo como presidente o Coronel Virgilio Carvalho de Abreu, vices Achilles Figueiredo e Cacilio Menezes, 1.º secretário Assis Ferreira, 2.º secretário Dr. Ary Pillar Soares, 3.º secretário Dr. Sylvio Albuquerque; 1.º tesoureiro Aufredy Nunes, 2.º tesoureiro Alvarino Paschoal, 3.º tesoureiro Luiz da Silveira Peixoto. Comissão de contas: Manoel Fialho de Vargas, João Carlos Brandes e Julio Medeiros de Albuquerque. 

Alguns membros da Comissão de Obras

Havia também uma comissão feminina, composta pela presidente do Apostolado da Oração, Herminia Porto, pela secretária da Congregação Mariana, Dora Medeiros, pela tesoureira da Pia União Trânsito São José, Eloisa Gama. Pela Liga do Menino Jesus, integrava a comissão Carolina Ferreira Cunha e Miloca Xavier pela Obra da Propagação da Fé, instituições estas que desapareceram com o tempo.

Documento registrando os membros da Grande Comissão
- Acervo da Irmandade
Em 6 de outubro de 1928, a Comissão de Obras endereçou um ofício ao Conselho Municipal (equivalente hoje à Câmara de Vereadores) cientificando-o das ações que já havia empreendido em prol da desejada remodelação da Igreja Matriz, correspondência que foi publicada no jornal O Commercio, edição do dia 24 de outubro de 1928:




Cachoeira, 6 de Outubro de 1928
Illmos. e Exmos. Srs. Presidente e demais membros do Conselho Municipal

Como deveis saber, por iniciativa do preclaro Cachoeirense, Dr. João Neves da Fontoura, quando Intendente, foi constituida uma Commissão para promover as obras da remodelação de nossa igreja matriz.
A Commissão, no desempenho desse encargo tomou providencias preliminares, a começar pela obtenção de um projecto que correspondesse aos desejos da população. Esse projecto foi recentemente conseguido e sujeito á apreciação publica, em reunião effectuada no recinto do alludido templo, sendo unanimemente approvado.
Espera-se, n'estes dias, a planta completa e definitiva que será enviada, por copia, ao sr. Intendente Municipal afim de que a Secção de obras publicas do municipio se manifeste approvando, ou não, a execução desse projecto.
Seria superfluo acrescentar que as obras projectadas, reclamam-nas dois motivos ponderosos: o da restauração do templo secular, em torno do qual, pode-se dizer que nasceu e cresceu a cidade de Cachoeira, e que, sem essas obras, em breve cahirá em ruinas; e em segundo logar o de remodelal-o estheticamente, pondo-o de accôrdo com os bellos melhoramentos realisados na praça onde é situado.
A opinião geral - a que se allia o pensar da Commissão - acha que o projecto é sobremodo feliz, pois que, adaptando á fachada uma architectura adequada e alterosa, dá ao mesmo passo, mais vastidão á nave e ao Santuario do templo, assim como mais luz e arejamento,  mediante o maximo aproveitamento dos materiaes e da estructura do alludido monumento. Alêm disso, a cobertura - que já está em máu estado - será alteada, e alargadas as salas, paralellas ao Santuario e bem assim executadas todas as modificações relativas á hygiene e á esthetica constante do projecto.
Para essas obras a nossa população municipal começa a concorrer com muito bôa vontade, como já consta e constará da imprensa local, á medida que os donativos forem colhidos pela thesouraria da Commissão.
Mas isso não impede que sejamos obrigados a appelar tambem para esse honrado Conselho, legitimo representante da collectividade Cachoeirense, solicitando-lhe a decretação de um auxilio para a execução das projectadas obras, que a commissão espera iniciar ainda n'este anno.
Muito grato é á Commissão o ensejo que se offerece de apresentar os protestos da mais elevada consideração ao illustre Conselho Municipal, a quem
Deus guarde
Virgilio C. de Abreu
Manoel Fialho de Vargas
Achilles Figueiredo
Mario Santos

Como se vê, a correspondência é clara nos propósitos de remodelar a igreja de forma que ela entrasse em harmonia com os melhoramentos que a praça havia recebido. Também fica explícita a aprovação da comunidade cachoeirense.

As remodelações já eram em parte conhecidas pela população, pois que em janeiro de 1928, na vitrine da casa comercial de Pedro Rosek, tinha sido exposto o projeto assinado pelo engenheiro Guilherme Gaudenzi, referindo o jornal O Commercio de 25 de janeiro de 1928 que parece que corresponderá aos desejos da população de ver aformoseada a architectura de seu velho templo, conservando as linhas geraes de sua fundação secular.

A remodelação foi inaugurada em 1929. A ampliação do templo e sua transformação externa agradaram os cachoeirenses de então. Só que, no avançar do tempo, outras reformas internas gerariam lamentos que se podem ouvir até nossos dias...

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da