Pular para o conteúdo principal

Remodelação da Igreja Matriz

As grandes obras de saneamento da cidade, concluídas em 1925, e a onda de embelezamento urbano que as acompanhou, motivaram as lideranças religiosas e comunitárias a promoverem a remodelação da Igreja Matriz. Com o belo Château d'Eau chamando a atenção no centro da Praça Almirante Tamandaré (hoje Praça Dr. Balthazar de Bem), a velha Matriz com seu aspecto despojado e ainda conservando sua originalidade, deve ter parecido superada diante de tantas novidades. A grande liderança que concluiu as obras urbanas, Dr. João Neves da Fontoura, também incentivou os paroquianos a procederem ao embelezamento da Igreja Matriz, sugerindo a criação de uma comissão que se encarregasse de tal empreitada.

Château d'Eau e Igreja Matriz antes da remodelação - Fototeca Museu Municipal


A comissão foi constituída dentre membros da paróquia e apoiadores das obras, tendo como presidente o Coronel Virgilio Carvalho de Abreu, vices Achilles Figueiredo e Cacilio Menezes, 1.º secretário Assis Ferreira, 2.º secretário Dr. Ary Pillar Soares, 3.º secretário Dr. Sylvio Albuquerque; 1.º tesoureiro Aufredy Nunes, 2.º tesoureiro Alvarino Paschoal, 3.º tesoureiro Luiz da Silveira Peixoto. Comissão de contas: Manoel Fialho de Vargas, João Carlos Brandes e Julio Medeiros de Albuquerque. 

Alguns membros da Comissão de Obras

Havia também uma comissão feminina, composta pela presidente do Apostolado da Oração, Herminia Porto, pela secretária da Congregação Mariana, Dora Medeiros, pela tesoureira da Pia União Trânsito São José, Eloisa Gama. Pela Liga do Menino Jesus, integrava a comissão Carolina Ferreira Cunha e Miloca Xavier pela Obra da Propagação da Fé, instituições estas que desapareceram com o tempo.

Documento registrando os membros da Grande Comissão
- Acervo da Irmandade
Em 6 de outubro de 1928, a Comissão de Obras endereçou um ofício ao Conselho Municipal (equivalente hoje à Câmara de Vereadores) cientificando-o das ações que já havia empreendido em prol da desejada remodelação da Igreja Matriz, correspondência que foi publicada no jornal O Commercio, edição do dia 24 de outubro de 1928:




Cachoeira, 6 de Outubro de 1928
Illmos. e Exmos. Srs. Presidente e demais membros do Conselho Municipal

Como deveis saber, por iniciativa do preclaro Cachoeirense, Dr. João Neves da Fontoura, quando Intendente, foi constituida uma Commissão para promover as obras da remodelação de nossa igreja matriz.
A Commissão, no desempenho desse encargo tomou providencias preliminares, a começar pela obtenção de um projecto que correspondesse aos desejos da população. Esse projecto foi recentemente conseguido e sujeito á apreciação publica, em reunião effectuada no recinto do alludido templo, sendo unanimemente approvado.
Espera-se, n'estes dias, a planta completa e definitiva que será enviada, por copia, ao sr. Intendente Municipal afim de que a Secção de obras publicas do municipio se manifeste approvando, ou não, a execução desse projecto.
Seria superfluo acrescentar que as obras projectadas, reclamam-nas dois motivos ponderosos: o da restauração do templo secular, em torno do qual, pode-se dizer que nasceu e cresceu a cidade de Cachoeira, e que, sem essas obras, em breve cahirá em ruinas; e em segundo logar o de remodelal-o estheticamente, pondo-o de accôrdo com os bellos melhoramentos realisados na praça onde é situado.
A opinião geral - a que se allia o pensar da Commissão - acha que o projecto é sobremodo feliz, pois que, adaptando á fachada uma architectura adequada e alterosa, dá ao mesmo passo, mais vastidão á nave e ao Santuario do templo, assim como mais luz e arejamento,  mediante o maximo aproveitamento dos materiaes e da estructura do alludido monumento. Alêm disso, a cobertura - que já está em máu estado - será alteada, e alargadas as salas, paralellas ao Santuario e bem assim executadas todas as modificações relativas á hygiene e á esthetica constante do projecto.
Para essas obras a nossa população municipal começa a concorrer com muito bôa vontade, como já consta e constará da imprensa local, á medida que os donativos forem colhidos pela thesouraria da Commissão.
Mas isso não impede que sejamos obrigados a appelar tambem para esse honrado Conselho, legitimo representante da collectividade Cachoeirense, solicitando-lhe a decretação de um auxilio para a execução das projectadas obras, que a commissão espera iniciar ainda n'este anno.
Muito grato é á Commissão o ensejo que se offerece de apresentar os protestos da mais elevada consideração ao illustre Conselho Municipal, a quem
Deus guarde
Virgilio C. de Abreu
Manoel Fialho de Vargas
Achilles Figueiredo
Mario Santos

Como se vê, a correspondência é clara nos propósitos de remodelar a igreja de forma que ela entrasse em harmonia com os melhoramentos que a praça havia recebido. Também fica explícita a aprovação da comunidade cachoeirense.

As remodelações já eram em parte conhecidas pela população, pois que em janeiro de 1928, na vitrine da casa comercial de Pedro Rosek, tinha sido exposto o projeto assinado pelo engenheiro Guilherme Gaudenzi, referindo o jornal O Commercio de 25 de janeiro de 1928 que parece que corresponderá aos desejos da população de ver aformoseada a architectura de seu velho templo, conservando as linhas geraes de sua fundação secular.

A remodelação foi inaugurada em 1929. A ampliação do templo e sua transformação externa agradaram os cachoeirenses de então. Só que, no avançar do tempo, outras reformas internas gerariam lamentos que se podem ouvir até nossos dias...

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co