Pular para o conteúdo principal

Estádio Municipal

Em 4 de junho de 1939, o Jornal do Povo trouxe notícia sobre as obras de construção do Estádio Municipal. Junho de 2019, o octogenário Estádio Joaquim Vidal também está em obras, mais uma tentativa de modernizá-lo, adequando-o às práticas e exigências desportivas correntes.

Assim ficaram informados os cachoeirenses amantes do esporte naquele 4 de junho de 1939:

Jornal do Povo, 4/6/1939

Vida desportiva
Em vias de conclusão as obras de enleivamento do campo
Até o dia 15 dêste mês, possivelmente, estarão terminados os trabalhos - Movimentam-se os círculos desportivos em tôrno da preparação das "equipes"

Muito tem prejudicado o "foot-ball" cachoeirense a demora no aprontamento do Estádio Municipal.
Os trabalhos, entretanto, não tiveram andamento mais rápido devido a circunstâncias plenamente justificadas e inelutaveis.
As condições do novo campo, porém, compensarão por completo tão longa espera. Teremos, como já afirmamos, uma das melhores praças de esporte de todo o Estado.
A maior dificuldade que teve de ser enfrentada foi a do enleivamento do campo.
Êsses trabalhos, agora, no entanto, se acham adiantadissimos. Tanto que se poderá dizer que, dentro de uma quinzena, ou pouco mais, estarão prontos. Até o fim do mês corrente, portanto, estará tudo ultimado.
Terá de correr, depois, como é bem de ver, algum tempo para que o terreno se torne bem firme e a grama bem entrelaçada.
Mas isto será o de menos. O mais já está feito.
Vendo, assim, que as coisas se encaminham para o início, dentro de tempo relativamente próximo, das atividades desportivas, os círculos futebolísticos cachoeirenses se movimentam no sentido de preparar as "equipes" que concorrerão ao campeonato.
Êsse preparo, aliás, precisa ser tanto mais cuidadoso quanto é certo que os conjuntos locais se apresentarão êste ano no meio de uma certa igualdade de fôrças.
Por emquanto, todo o juizo sôbre os quadros que se baterão pelo campeonato local ainda é um tanto prematuro. Com o conhecimento, entretanto, que se possue dos valores individuais de que dispõe cada Clube faz se possível avançar, com bastante fundamento, essa opinião. 

A história inacreditavelmente se repete... As obras em 1939, lamentadas como lentas, foram concluídas no final daquele ano, tendo o Estádio Municipal sido inaugurado em 5 de dezembro com jogo entre Grêmio Futebol Porto-Alegrense e Combinado Cachoeirense. O Jornal do Povo, edição do dia 7 de dezembro de 1939, disse que o time porto-alegrense deu uma aula de futebol e que o combinado cachoeirense correspondeu à expectativa. 

Estádio Municipal na Festa do Arroz - 1941 - Acervo Lucy Ribeiro
Secretário Trojanh comandava obras do Estádio Joaquim Vidal  em 2017
-  Arquivo Jornal do Povo

Junho de 2019. As obras de melhorias no velho Estádio Joaquim Vidal, nome que lhe foi dado em razão de seu projetista, vêm de longa data por circunstâncias justificadas e inelutáveis, como em 1939... Quem sabe, repetindo-se a história, não possam ser inauguradas festivamente em dezembro de 2019?

MR

Comentários

  1. Joguei futebol de campo no Estádio Joaquim Vidal, enquanto aluno do Colégio João Neves da Fontoura - nos anos 50. Naquela época, para mim, era o maior estádio do mundo e eu orgulhoso por estar ali.

    ResponderExcluir
  2. Muitos domingos passados neste estádio junto com meus pais e irmãs, torcendo para o Cachoeira Futebol Clube! Tenho até fotografia destes momentos, junto ao estacionamento interno que lá havia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da