Pular para o conteúdo principal

Escravas em arruaça

Na época da Câmara Municipal, mais precisamente no final da década de 1880, o Delegado de Polícia do Termo da Cachoeira contratava cidadãos para exercerem o papel de polícia particular. A atribuição destes cidadãos era, pois, a de zelar pela segurança e ordem pública, reportando ao delegado toda e qualquer ocorrência que verificassem em suas rondas. Outra atribuição deles era a de verificar o estado da iluminação pública que, à época, era feita por lampiões acendidos e apagados diariamente por um encarregado especial, o acendedor de lampiões.

Uma "parte", que era assim o nome do documento emitido pelo encarregado de prestar contas da ronda ao delegado de polícia, emitida em 20 de novembro de 1887, relatou um acontecimento interessante:

DP/D-004 

Quartel da Policia Particular em Cachoeira, 20 de Novembro de 1887.

Parte:

Illm.º Sr.º

Fiz a ronda nas principaes ruas da cidade, até ás 12 horas da noite e confórme as ordens de V.S.; rondei as patrulhas compostas das praças Bento, e Victorino; Muniz e Galdino; Crescencio e Joaquim; Olimpio e Luiz Strell que achavam-se postadas em seus respectivos districtos, as quaes deram-me parte de não ter havido novidade durante o serviço das mesmas, exceptuando a patrulha Muniz e Galdino que apitando soccorro acudi logo ao lugar donde partio o apito, rua General Portinho, e ahi efectuou-se a prisão de Maria, escrava do Sr.º Barão de Kalden e de Marcellino de tal, por offensas a moral, e fiz recolher ambos á cadeia, a ordem de V.S.
Ás 8h 1/2 horas da noite mais ou menos, foram por mim presas: a preta Jacintha, escrava de D. Anna Pereira, e a parda Joaquina, fragrante, por crime de furto de farinha na padaria do Sr.º Antonio Domingos, e immediatamente fiz recolher ambas á cadeia a ordem de V.S., e cujo furto acompanha esta. A illuminação publica na rua Sete e travessas esteve bôa, a da rua do Imperador foi aceza ás 10 1/2 horas.

Deus Guarde a V.S.
Illm.º Sr.º Hilario José de Barcellos, Muito Digno Delegado de Policia deste Termo.
O sargento da policia particular,
Antero Marcellino da Silva

(DP/D-004)

O documento nos mostra como eram as rotinas envolvendo a ordem e a segurança pública da Cidade da Cachoeira em 1887. Dá o nome do delegado de polícia, Hilário José de Barcellos, descendente de tradicionais famílias cachoeirenses, informa os nomes das escravas envolvidas e seus donos, um deles o conhecido Barão de Kalden. Fornece também o nome do proprietário de uma das padarias da cidade, alvo do furto flagrado pelos agentes particulares.

O Barão de Kalden foi administrador da Colônia Santo Ângelo (de imigrantes alemães) e vereador da Câmara Municipal. Outro dado interessante fornecido pelo documento se refere aos nomes das ruas. A citação da Rua General Portinho, cuja lei de denominação ainda não foi localizada, permite saber que em 1887, ou seja, um ano depois da morte do general, aquela via já era assim batizada. A outra rua, a do Imperador, corresponde hoje à Rua 15 de Novembro. A antiga denominação vigorou enquanto o Brasil foi império, adotando o atual nome após a proclamação da República que se deu em 15 de novembro de 1889.

Mais uma vez a constatação é da riqueza de informações que um único documento pode conter. Por tudo isto, fica fácil ao leitor perceber o valor histórico que ele encerra e a importância que manter instituições como o Arquivo Histórico tem para o conhecimento do nosso passado.

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co