Pular para o conteúdo principal

Árvores frutíferas

Cachoeira do Sul sempre foi reconhecida como uma cidade bem arborizada e muitas são as reservas de verde existentes em seu recinto urbano, como as praças e o Parque Municipal da Cultura, com seu pouco difundido Jardim Botânico. Esta condição tem sido um dos fatores que fazem da cidade um lugar aprazível, especialmente quando as estações mais quentes causam suas ações sobre a vida dos indivíduos, sequiosos por sombras.

A manutenção de um viveiro municipal é uma prática governamental que atravessa muitas décadas. Dele saem muitas mudas de ornamentais e frutíferas para reposição nos diferentes recantos da cidade.

A prática de aquisição de árvores, quando ainda não havia um setor municipal próprio para a produção e cultivo de mudas, vem de longe. Uma nota de compra guardada dentre os documentos contábeis da Intendência Municipal, datada de 16 de julho de 1909, revela que o intendente Isidoro Neves da Fontoura adquiriu, da Granja Bom Retiro, de Pelotas, enxertos para diversas frutíferas, como laranjeiras, tangerina pequena, cerejeiras, caqui, pereiras e pessegueiros.

Nota de compra - IM/RP/SF/D-064, de 16/9/1909
Interessante é perceber que a Granja Bom Retiro, que pertencia a Ambrosio Perret, foi a mesma que forneceu as mudas de tipuanas que, no ano de 1926, foram plantadas na nova e embelezada Praça José Bonifácio pelo filho de Isidoro Neves, o intendente João Neves da Fontoura.

Tipuanas recém-plantadas - Museu Municipal

Cachoeira, ao longo de sua história e, principalmente, quando a área urbana ainda dividia terrenos com pequenas chácaras, possuía viveiros particulares, responsáveis pela comercialização de todo tipo de vegetais, incluindo verduras, flores e árvores. Eram geralmente chamadas de quintas e, dentre elas, existiam a Quinta Saldanha Marinho, de Francisco Alves Duarte, a Quinta Recreio, de Pedro Dühart Landart e Antônio Marques Ribeiro, que fornecia mudas de frutíferas para adorno e jardins, além de temperos, e que se localizava defronte ao quartel do 3.º Batalhão de Engenharia no ano de 1917. Havia também a Quinta da Granja São José, sociedade do mesmo Pedro Dühart Landart com José Herbstrith, feita em 1922, para comércio de frutíferas e eucaliptos no Passo d'Areia. Landart era homem de cultivos, pois eis que mais adiante produzia hortaliças na granja do Dr. Silvio Scopel, na Rua Duque de Caxias, e em 1931 mantinha banca de verduras no Mercado Público. Duas antigas propriedades do gênero eram a Chácara das Flores, de João José Rodrigues, que muitos anos foi jardineiro do municípío, e a Granja da Pureza, de Júlio Porto Ferraz.

Cachoeira, como se depreende pelo número de quintas e chácaras de produção, era cidade bem abastecida de plantas e árvores e, a julgar pela nota de compra da Intendência, estava buscando aprimorar a qualidade de seus pomares importando enxertos de qualificados produtores de outros lugares.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da