Pular para o conteúdo principal

O carnaval de 1920

Há 100 anos o carnaval de Cachoeira, a julgar pelas notícias n'O Commercio, foi bem animado! Eram tempos de ruidosos grupos mascarados que saíam às ruas incitando todos à alegria e jogando muito lança-perfume, confete e serpentina.

Naquele ano  a novidade foi o surgimento do "Bloco Almofadinhas", que com um ruidoso "Zé Pereira" todas as noites assaltava as principais casas de diversões sob a batuta do maestro "Caturrita".

Na tarde e noite de domingo, 15 de fevereiro,  segundo o jornal, diversos grupos de mascarados percorreram, a pé e em vehiculos, algumas ruas da cidade. 
O "Blóco Almofadinhas", que já havia sahido em noites anteriores, sahiu, á tarde e á noite, com o seu ruidoso Zé Pereira, apresentando-se em diversos pontos.

Durante a noite de 16 do corrente houve grande reunião de povo na Avenida das Paineiras, jogando-se- animadamente, lança-perfume, confetti e serpentinas.
Á tarde de 17 o commercio local fechou as suas portas e pelas 5 horas começou a affluencia de povo á Avenida das Paineiras, que, ao anoitecer, estava repleta.
Embora não houvesse uma sociedade carnavalesca, nem commissão organisadora de festejos, áquella hora houve, na Avenida, muito transito de automoveis e carros alguns enfeitados e conduzindo senhoritas e cavalheiros com trajes de phantasia.
Entre os passageiros dos carros e os transeuntes do passeio da Avenida houve forte jogo de serpentinas, confetti e lança-perfumes, brincadeira que, quando desappareceram os vehiculos, ainda prolongou-se até ás 11 horas da noite.

Trecho da Avenida das Paineiras (atual Rua 7 de Setembro)
- Museu Municipal

Á noite de segunda-feira penultima effectuou-se um baile burlesco nos vastos salões do Club Renascença, cujas dependencias estiveram repletas de exmas. familias e cavalheiros.
A diversão começou pelas 10 horas, prolongando-se, por entre vivas e reciprocas expansões de alegria e cordialidade, até ás primeiras horas da madrugada de 17.
Nos intervallos da dança houve animado jogo de lança-perfume, confetti e serpentinas.

Em a noite de sabbado, 21 do corrente, o Club 7 de Setembro tambem realizou um baile burlesco.
As 10 horas os cavalheiros phantasiados partiram do Hotel do Commercio, precedidos de musica e do Zé-Pereira, estacando á frente da residencia do sr. Hercules Vasconcellos, onde receberam as phantasiadas do bello sexo, fazendo uma passeata pela rua 7 de Setembro, que, principalmente na Avenida das Paineiras, estava repleta de curiosos.
Chegando ao edificio social, á rua São João, este ficou cheio de exmas. familias e cavalheiros.
(...)
Tocaram, alternadamente, a Banda Musical Estrella Cachoeirense e orchestra do Quartetto Viennense, dirigida pelo maestro Frederico Hintze.
A diversão prolongou-se, sempre muito animada, até ás 5 horas da manhã de domingo.

Clube Sete de Setembro - O Rio Grande do Sul, de Alfredo R. da Costa (1922)

Pelo jornal é possível perceber que o carnaval de 1920 foi bastante festejado, seja através dos grupos e blocos que desfilavam pelas ruas, animados pelos Zé Pereiras, em que os confetes, serpentinas e os hoje proibidos lança-perfumes faziam a alegria dos foliões. Os clubes chamavam os bailes de carnaval de burlescos, iniciados por cortejo que percorria a pé o trajeto até a sede social. 

Os tempos mudaram, os festejos de carnaval também. Confetes e serpentinas seguem, bem menos efusivos em bailes adultos e ainda bem utilizados nos infantis. E os Zé Pereiras? Por aqui nem se ouve mais falar deles... Pelo menos com este nome!

*Zé Pereira: grupo de foliões que saíam às ruas munidos de bumbos animando blocos carnavalescos.

MR

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co