Pular para o conteúdo principal

Uma escola noturna

No ano de Cachoeira do Sul bicentenária, sempre oportuno relembrar páginas do passado, de onde podem ser extraídas lições e exemplos. Coincidentemente os tempos são de pandemia, momento em que se vê brotarem ações de solidariedade que pareciam andar rareando. E a página que será aberta aqui hoje rememora iniciativa de gênese duplamente significativa, pois propiciou ensino aos sedentos por conhecimento, estendendo braço para parcela desvalida da população da Cachoeira do final dos anos 1920, início dos 1930, constituindo-se em verdadeiro exemplo de solidariedade.

Em 1928, o intendente de Cachoeira, José Carlos Barbosa, autorizou o auxílio de um conto e 200 mil réis à direção da Escola Noturna da União de Moços Católicos em parcelas mensais de 100 mil réis, desde que a matrícula excedesse a 25 alunos. Como a escola era gratuita, a subvenção municipal foi determinante para a entidade seguir ofertando ensino aos necessitados:

Autorização de subvenção municipal - 29/11/1928 - IM/CM/AL/L-011 


A União de Moços Católicos, fundada em 15 de junho de 1924, era uma entidade com fins religiosos, culturais e sociais da juventude católica, voltada para o atendimento dos interesses dos sócios, mas também com objetivos cristãos de amparo. Diante da carência de ofertas de ensino à parcela da população que não tinha condições de frequentar aulas diurnas, em razão de trabalho, bem como pela falta de recursos financeiros, a União fundou uma escola noturna, inicialmente funcionando nos salões de sua sede, na Rua Sete de Setembro.

Prédio (1850) onde funcionou a União de Moços Católicos e a escola noturna
- foto Renato F. Thomsen


A procura foi tão grande, que o espaço disponível tornou-se acanhado. Por notícia do jornal O Comércio, de 29 de julho de 1931, sabe-se sobre a  troca de endereço e como se apresentavam as aulas desenvolvidas:

O Comércio, 29/7/1931, p. 3


Desde muito tempo que a União de Moços Católicos desta cidade vinha mantendo em sua sede social uma escola noturna gratuita, onde cerca de 100 alunos recebiam instrução. Tornando-se pequeno o vasto salão para conter o grande número de alunos que dia-a-dia vinha aumentando, a diretoria da União resolveu localizá-la em outro prédio que foi feito em dias da semana transata. Instalada em o prédio n.º 600 da Rua 7 de Setembro, tivemos ocasião de visitar esta escola. que se acha sob a competente direção do Sr. Francisco Terencio da Costa que por muitos anos exerceu o magistério público estadual, no 4.º distrito deste município. 
O que ali encontramos então excedeu a nossa expectativa. Cerca de 140 pessoas, compostas de meninos, mocinhos, e até militares, quase na sua totalidade gente pobre, que vivendo do seu trabalho não pode frequentar as aulas diurnas, ali estavam entregues aos estudos. Recebidos gentilmente, palestramos ligeiramente com o Sr. Francisco Terencio da Costa, que nos informou que apesar daquele avultado número de alunos, a Escola havia recusado receber cerca de vinte, dada a impossibilidade de acomodá-los nos dois salões da Escola. 
De fato, examinando os salões verificamos que todos os lugares estavam totalmente preenchidos por carteiras e mesinhas, todas ocupadas pelos alunos. Isto demonstra o quanto havia falta de escolas noturnas nesta cidade, e por outro lado revela a boa vontade da mocidade em estudar e aprender. 
Sendo essa escola frequentada na sua quase totalidade por pessoas pobres que não podem cursar os estabelecimentos diurnos, fácil é calcular os grandes benefícios que a União dos Moços Católicos presta à mocidade cachoeirense, com a manutenção dessa escola noturna que, como dissemos, é dirigida pelo professor Francisco Terencio da Costa, cujos esforços e dedicação no desempenho de seu cargo são dignos de louvores.


Parte da relação de alunos matriculados na aula noturna
- IM/RP/SF/D-251


A notícia expõe drama vivido pela cidade naqueles tempos, qual seja o de suprir a carência de ensino para aqueles que não podiam frequentar escolas durante o dia. Ao confrontar-se o exemplo do passado com os dias que correm, oportuno ressaltar o quanto houve de evolução, uma vez que atualmente a população interessada em alargar seus conhecimentos e melhorar seu desempenho tem à disposição oferta de cursos noturnos nas redes de ensino.

A iniciativa da União de Moços Católicos foi ao mesmo tempo inspirada por outras e incentivadora, pois a história de Cachoeira do Sul pode recuperar outras páginas de igual valor, quando cidadãos e entidades tomaram para si o compromisso de colaborar com a ilustração de interessados em aprendizado e qualificação. Qualificar o cidadão era e é a maneira mais sólida de qualificar a sociedade em que se vive.

Captura de imagens de documentos e imprensa: Neiva E. C. Köhler

MR


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo