Pular para o conteúdo principal

Uma escola noturna

No ano de Cachoeira do Sul bicentenária, sempre oportuno relembrar páginas do passado, de onde podem ser extraídas lições e exemplos. Coincidentemente os tempos são de pandemia, momento em que se vê brotarem ações de solidariedade que pareciam andar rareando. E a página que será aberta aqui hoje rememora iniciativa de gênese duplamente significativa, pois propiciou ensino aos sedentos por conhecimento, estendendo braço para parcela desvalida da população da Cachoeira do final dos anos 1920, início dos 1930, constituindo-se em verdadeiro exemplo de solidariedade.

Em 1928, o intendente de Cachoeira, José Carlos Barbosa, autorizou o auxílio de um conto e 200 mil réis à direção da Escola Noturna da União de Moços Católicos em parcelas mensais de 100 mil réis, desde que a matrícula excedesse a 25 alunos. Como a escola era gratuita, a subvenção municipal foi determinante para a entidade seguir ofertando ensino aos necessitados:

Autorização de subvenção municipal - 29/11/1928 - IM/CM/AL/L-011 


A União de Moços Católicos, fundada em 15 de junho de 1924, era uma entidade com fins religiosos, culturais e sociais da juventude católica, voltada para o atendimento dos interesses dos sócios, mas também com objetivos cristãos de amparo. Diante da carência de ofertas de ensino à parcela da população que não tinha condições de frequentar aulas diurnas, em razão de trabalho, bem como pela falta de recursos financeiros, a União fundou uma escola noturna, inicialmente funcionando nos salões de sua sede, na Rua Sete de Setembro.

Prédio (1850) onde funcionou a União de Moços Católicos e a escola noturna
- foto Renato F. Thomsen


A procura foi tão grande, que o espaço disponível tornou-se acanhado. Por notícia do jornal O Comércio, de 29 de julho de 1931, sabe-se sobre a  troca de endereço e como se apresentavam as aulas desenvolvidas:

O Comércio, 29/7/1931, p. 3


Desde muito tempo que a União de Moços Católicos desta cidade vinha mantendo em sua sede social uma escola noturna gratuita, onde cerca de 100 alunos recebiam instrução. Tornando-se pequeno o vasto salão para conter o grande número de alunos que dia-a-dia vinha aumentando, a diretoria da União resolveu localizá-la em outro prédio que foi feito em dias da semana transata. Instalada em o prédio n.º 600 da Rua 7 de Setembro, tivemos ocasião de visitar esta escola. que se acha sob a competente direção do Sr. Francisco Terencio da Costa que por muitos anos exerceu o magistério público estadual, no 4.º distrito deste município. 
O que ali encontramos então excedeu a nossa expectativa. Cerca de 140 pessoas, compostas de meninos, mocinhos, e até militares, quase na sua totalidade gente pobre, que vivendo do seu trabalho não pode frequentar as aulas diurnas, ali estavam entregues aos estudos. Recebidos gentilmente, palestramos ligeiramente com o Sr. Francisco Terencio da Costa, que nos informou que apesar daquele avultado número de alunos, a Escola havia recusado receber cerca de vinte, dada a impossibilidade de acomodá-los nos dois salões da Escola. 
De fato, examinando os salões verificamos que todos os lugares estavam totalmente preenchidos por carteiras e mesinhas, todas ocupadas pelos alunos. Isto demonstra o quanto havia falta de escolas noturnas nesta cidade, e por outro lado revela a boa vontade da mocidade em estudar e aprender. 
Sendo essa escola frequentada na sua quase totalidade por pessoas pobres que não podem cursar os estabelecimentos diurnos, fácil é calcular os grandes benefícios que a União dos Moços Católicos presta à mocidade cachoeirense, com a manutenção dessa escola noturna que, como dissemos, é dirigida pelo professor Francisco Terencio da Costa, cujos esforços e dedicação no desempenho de seu cargo são dignos de louvores.


Parte da relação de alunos matriculados na aula noturna
- IM/RP/SF/D-251


A notícia expõe drama vivido pela cidade naqueles tempos, qual seja o de suprir a carência de ensino para aqueles que não podiam frequentar escolas durante o dia. Ao confrontar-se o exemplo do passado com os dias que correm, oportuno ressaltar o quanto houve de evolução, uma vez que atualmente a população interessada em alargar seus conhecimentos e melhorar seu desempenho tem à disposição oferta de cursos noturnos nas redes de ensino.

A iniciativa da União de Moços Católicos foi ao mesmo tempo inspirada por outras e incentivadora, pois a história de Cachoeira do Sul pode recuperar outras páginas de igual valor, quando cidadãos e entidades tomaram para si o compromisso de colaborar com a ilustração de interessados em aprendizado e qualificação. Qualificar o cidadão era e é a maneira mais sólida de qualificar a sociedade em que se vive.

Captura de imagens de documentos e imprensa: Neiva E. C. Köhler

MR


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co