Pular para o conteúdo principal

Cachoeira no 1.º Centenário

A Cachoeira de 1920, ano da comemoração do primeiro centenário da instalação do município, ainda se chamava só Cachoeira e tinha como intendente o Dr. Aníbal Lopes Loureiro, nomeado provisoriamente para exercer o cargo a partir de 9 de janeiro de 1920. A administração Aníbal Loureiro, que era provisória em razão da renúncia por problemas de saúde do intendente eleito, o Capitão Francisco Fontoura Nogueira da Gama, tornou-se de fato quando em 5 de setembro daquele ano Loureiro foi eleito com 1.169 votos. Pela eleição, ficava o município sob sua administração no quatriênio 1920-1924.

Dr. Aníbal Loureiro - fototeca Museu Municipal

Foi, portanto, o intendente Aníbal Lopes Loureiro a grande liderança dos festejos do primeiro centenário de Cachoeira, comemorado em 5 de agosto de 1920.

Placa do 1.º Centenário - Catedral N. Sra. da Conceição - foto Mirian Ritzel

Segundo o Relatório de Estatística apresentado ao intendente Aníbal Loureiro, em 31 de outubro de 1920, pelo chefe da Seção de Estatística da Intendência, Emiliano Antonio Carpes, o município contava com uma população de 51.240 almas. O contingente de homens era de 25.791 e o de mulheres 25.449, ou seja, respectivamente 50,33% masculino e 49,67% feminino. 

Relatório apresentado a Aníbal Loureiro - IM/EA/SE/R-001
Relatório apresentado a Aníbal Loureiro - IM/EA/SE/R-001

Em comparação com a atualidade, segundo dados do IBGE de 2019, Cachoeira do Sul apresenta uma população de 82.201 habitantes, apresentando densidade demográfica de 22,44 habitantes por quilômetro quadrado. Em 1920, a densidade média no município era de 8,6 habitantes por quilômetro quadrado. Há de se considerar o fato de que em 1920 a área territorial era bem maior, 5.918 quilômetros quadrados, pois ainda constavam distritos que depois se emanciparam. Atualmente a área total do município é de 3.736 quilômetros quadrados.

Município de Cachoeira em 1920
- Relatório apresentado a Aníbal Loureiro

Assim como em 2020 há situação de pandemia pelo novo coronavírus, em 1920 o município apresentava um mau estado sanitário em razão da pandemia da gripe espanhola, sendo 33,2 a média de mortes por 1.000 habitantes.

Na economia, a força vinha da lavoura de arroz, cuja comercialização atingiu a cifra de seis mil, duzentos e vinte e seis contos e quatrocentos e cinquenta e cinco réis no ano de 1919. O arroz era a principal cultura do município, representando quase 50% do valor da produção geral de todos os vegetais. 

A pecuária havia sofrido muito com a aftosa em 1919, com enormes perdas nos rebanhos do município. Mesmo assim, graças ao aperfeiçoamento da raça bovina pelo concurso do Dr. Balthazar de Bem, um dos maiores criadores, Cachoeira despontava pelo excelente plantel de gados finos. A quantidade de animais girava em torno de 250.000 vacuns, 38.500 cavalares, 4.000 muares, 50.000 lanígeros, 36.000 suínos e 1.300 caprinos.

O comércio, apesar de intenso, havia apresentado decréscimo, assim como a indústria, em razão da paralisação da Charqueada do Paredão, então a maior exportadora do município.

Eram quatro os estabelecimentos de crédito da cidade: Banco Nacional do Comércio, Banco Pelotense, Banco da Província do Rio Grande do Sul e Banco do Brasil.

Banco da Província - inaugurado em 1911

Nos transportes, amplo funcionamento do porto, servido por vapores, rebocadores e gasolinas que somaram 193 entradas e saídas. O trem atravessava uma malha de 68 quilômetros e 610 metros dentro do município, compreendendo as estações de Cachoeira, Ferreira, Jacuí, Estiva e Restinga Seca. Segundo o relatório de estatística da Intendência, 16.424 passageiros utilizaram os trens até o ano de 1918. 

Porto - fototeca Museu Municipal

Estação Ferroviária - fototeca Museu Municipal

Este era o panorama, em linhas gerais, da Cachoeira que comemorou o seu primeiro centenário de instalação como município. A Cachoeira do Sul de 2020 ainda guarda bens do patrimônio daquela época e chega ao bicentenário olhando para o futuro e para as novas perspectivas que a impulsionarão para chegar ao tricentenário alicerçada em sua rica história.

Parabéns, bicentenária Cachoeira do Sul!

Parabéns, Arquivo Histórico, pelos 33 anos a serviço da preservação da documentação político-administrativa do quinto município mais antigo do Rio Grande do Sul!

Assista ao vídeo Cachoeira do Sul 200 anos #belaquesóela, realizado pelo fotógrafo e publicitário Renato F. Thomsen, em que gentilmente cita o auxílio do Arquivo Histórico: 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co