Pular para o conteúdo principal

Inauguração da Hidráulica Municipal - 18/10/1925

O dia 18 de outubro de 1925 foi marcado para a realização dos testes de funcionamento dos equipamentos empregados na captação, tratamento e distribuição de água do sistema implantado na segunda hidráulica. As obras, executadas pela firma Silveira, Soares & Cia., seguiam projeto do famoso engenheiro sanitarista Dr. Saturnino de Brito.

Dr. Saturnino de Brito - www.12senado.leg.br

Iniciadas em 1923, quando houve o assentamento dos condutos do esgoto em ruas principais, as obras de saneamento projetadas por Saturnino de Brito se estenderam até 1925, sendo a inauguração da segunda hidráulica, chamada de Hidráulica Municipal, o coroamento desse importante e imprescindível projeto. Coube a João Neves da Fontoura, vice-intendente em exercício, a conclusão e inauguração das obras implantadas na administração do intendente Francisco Fontoura Nogueira da Gama. Chico Gama, como era chamado, afastou-se da administração municipal por motivos de saúde, falecendo em 1927.

Curiosamente a ata da solenidade que marcou a experiência oficial de funcionamento da Hidráulica Municipal foi redigida no Livro n.º 1 da Câmara, o mesmo usado em 5 de agosto de 1820 para instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira. Não deixa o fato de atestar a importância daquele momento histórico que marcou e ainda marca as condições sanitárias de Cachoeira do Sul.

Faziam parte dos componentes da Hidráulica Municipal, localizada próximo das instalações do 3.º Batalhão de Engenharia, o Château d'Eau - atualmente o principal cartão-postal da cidade - e o reservatório enterrado da Praça Borges de Medeiros, na Rua Júlio de Castilhos.



Igreja Matriz e Château d'Eau - Museu Municipal

Reservatório enterrado - Museu Municipal


Eis o conteúdo da ata de 18 de outubro de 1925:


Acta da experiencia official da nova Hydraulica Municipal 

Aos dezoito dias do mez de outubro de mil e novecentos e vinte e cinco, nesta cidade de Cachoeira, Estado do Rio Grande do Sul, no edificio da Hydraulica Municipal, situado nas proximidades do quartel do 3.º Batalhão de Engenharia, á margem esquerda do rio Jacuhy, ahi presentes o sr. dr. João Neves da Fontoura, vice-intendente do municipio no exercicio do cargo de Intendente, autoridades, funccionarios federaes, estaduaes e municipes, associacões civis e religiosas, pessoas gradas e grande massa popular, foi feita a experiencia official das machinas, filtros e demaes obras de que se compôe a nova Hydraulica Municipal, as quaes, postas, em execução, deram exccellentes resultados, constatando-se um perfeito funccionamento.

Em seguida, usou da palavra o referido vice-intendente em exercicio, dr. João Neves da Fontoura que, em brilhante allocucão, se referiu ao novo melhoramento que se vinha de realisar a primeira experiencia e terminou congratulando-se com os habitantes da cidade pelo feliz exito de sua installação.

Em segudia, foi offerecido aos presentes uma uma mesa de doces e finos liquidos.

As obras da nova Hydraulica foram executadas, simultaneamente com as obras de exgottos, pelos engenheiros: Silveira, Soares & Cia, sob a directa fiscalização da Municipalidade e do Governo do Estado, e de accordo com o projecto elaborado pelo eminente engenheiro Saturnino Rodrigues de Brito.

Nada mais havendo, para constar, Eu, Emiliano Antonio Carpes, secretario do Municipio, lavrei a presente acta, para ser assignada pelos presentes.

João Neves da Fontoura (e mais 73 assinaturas) 

Fonte: CM/OF/A-008.

1.ª página da ata de inauguração da Hidráulica Municipal
- CM/OF/A-008


Dentre os signatários da ata, além de João Neves da Fontoura, aparecem Julio Castagnino, Reinaldo Roesch, Antonio Soares (da firma Silveira, Soares & Cia.), Augusto Brandão, Carmen e Marina Neves da Fontoura, Carlos Leal Nogueira da Gama, Alvaro Xavier da Cunha, Placentino Stringuini, Diamantino Carvalho da Fonseca, Joaquim Vidal e o secretário e redator Emiliano Antonio Carpes.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co