Pular para o conteúdo principal

Trajes inadequados na Igreja

Com a chegada da primavera e a natural elevação das temperaturas a partir de outubro, a indumentária das pessoas vai sendo reduzida em quantidade, espessura e tamanho. As lãs são abolidas, dando lugar aos tecidos leves; os casacos e toda sorte de acessórios do frio voltam para dentro dos armários. 

Se os tempos atuais não causam surpresas quanto a alguns exageros, em tempos mais remotos o trajar das pessoas era muitas vezes patrulhado, resultando em observância rígida de padrões de comportamento para livre acesso a determinados lugares. Por exemplo, houve tempos em que os homens deveriam obrigatoriamente usar chapéus, com regras para tirá-los da cabeça toda vez que adentrassem em ambiente fechado. Hoje, quando a maioria dos adolescentes usa bonés no lugar dos chapéus de antigamente, tirá-los é impensável, seja dentro ou fora dos ambientes.

Para as mulheres, mais severas eram as regras, pois o recato e os bons costumes transpareciam no comportamento e no tipo de vestes que elas usavam. O nível de exigência podia ser bastante alto em determinados espaços da sociedade, especialmente nas igrejas.

Uma notícia publicada no jornal O Commercio, em 7 de outubro de 1925, dá a medida do quanto o modo de vestir feminino podia ou não ser proibitivo nos cerimoniais e cultos católicos:

Aviso na Igreja Matriz e capellas. - Foi affixado nas portas da Igreja Matriz e das capellas, nos confissionarios e na porta do baptisterio o seguinte aviso para o devido conhecimento:

"Da circular de S. Exa. Revma. Sr. Bispo Diocesano, Dom Attico Eusebio da Rocha - Portanto, declaramos que não podem servir de madrinhas, nem são dignas da absolvição sacramental e da Sagrada Communhão, as senhoras e senhorinhas, que se apresentarem com vestes transparentes ou demasiadamente curtas, braços quasi nús e collo descoberto."


Senhoras e senhoritas na saída da Igreja Matriz - Museu Municipal


As determinações da circular são claras - o modo de vestir, se em desacordo com o recato preconizado pela Igreja, excluía as mulheres infratoras não só da participação de momentos solenes, como casamentos e batizados, inclusive desqualificando-as para o recebimento de sacramentos e da comunhão! 

Para dar a medida de como era importante o trajar, especialmente dentro de igrejas e capelas, por essa época todas as mulheres, solteiras ou casadas, deveriam portar véus nas celebrações e missas. As solteiras usavam véus de renda brancos e as casadas usavam na cor preta. O véu, mais do que uma peça de indumentária, representava respeito ao sagrado e submissão. Com o passar do tempo, a Igreja Católica deixou de exigir o uso do véu, peça que não é exclusividade do catolicismo e que se vê, com outros usos e formas, em múltiplas instituições religiosas pelo mundo.


Véu branco para solteiras e preto para casadas - Facebook

Os tempos e os costumes mudam bastante, de forma que o que escandalizou ontem pode não escandalizar hoje. E amanhã, quem se arrisca a dizer?

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da