Pular para o conteúdo principal

Jornal Rio Grande - não ao anonimato

A Constituição Brasileira de 1891 garantia liberdade de imprensa, porém proibia o anonimato. Os veículos de comunicação escrita, que era os que havia, não podiam publicar matérias sem assinatura dos autores. Uma alternativa para driblar o anonimato era a utilização de pseudônimos, aliás prática bastante comum.

Era obrigação dos administradores municipais exigir dos proprietários de jornais ou revistas a assinatura de um termo de responsabilidade em que se obrigavam atender à legislação federal e estadual, publicando artigos e outros escritos devidamente firmados por seus autores.

No dia 4 de janeiro de 1905, o gerente do jornal Rio Grande, Gustavo Moritz, assinou o documento, comprometendo-se também a comunicar à Intendência eventual mudança de endereço das oficinas tipográficas.

Eis o documento, cuja lavratura foi feita em antigo livro da Câmara Municipal:


Livro de Termos e Autos
- CM/OF/TA-005, fl. 19

Termo de responsabilidade assignado pelo Snr. Gustavo Moritz, como gerente do jornal Rio Grande, que se publica nesta cidade e pertencente a uma sociedade anonyma

Aos quatro dias do mez de Janeiro de mil novecentos e cinco, na Secretaria da Intendencia Municipal desta cidade de Cachoeira, Estado do Rio Grande do Sul, perante o dr. Viriato Gonçalves Vianna, Intendente em exercicio, compareceu o Snr. Gustavo Moritz e declarou que vinha assignar o termo de responsabilidade do jornal chamado "Rio Grande", pertencente a uma sociedade anonyma, e que se publica nesta cidade, à travessa General Osorio.

Nesta occasião, o referido dr. Intendente declarou ao gerente daquella folha que, [ilegível*] do §16 do artigo 71 e §12 do artigo 72 da Constituição da Republica e da do Estado, é prohibido o anonymato na imprensa, cumprindo sejam os escriptos firmados pelos seus respectivos auctores. Outrosim fez-se sentir ao gerente do Rio Grande a obrigação em que ficava de vir declarar a esta Intendencia o logar para onde porventura transfiria as suas officinas typographicas. Art 383 do Cod. Penal. E para constar, eu, Mario Barros, lavrei este termo que assignam o dr. Viriato Gonçalves Vianna e o sr Gustavo Moritz.

[assinaturas de ambos]


O artigo 72, parágrafo 12 da Constituição de 1891 diz o seguinte: Em qualquer assumpto é livre a manifestação do pensamento pela imprensa ou pela tribuna, sem dependencia de censura, respondendo cada um pelos abusos que commeter, nos casos e pela fórma que a lei determinar. Não é permittido o anonymato.

O jornal Rio Grande, de propaganda republicana, havia sido fundado em Cachoeira no ano de 1904, tendo circulado pela primeira vez no dia 20 de setembro daquele ano. O gerente - o mesmo que assinou o termo de responsabilidade na Intendência - era Gustavo Moritz e os diretores Virgílio de Abreu, que viria ser depois um dos fundadores do Jornal do Povo, e Antônio Antunes Araújo, que foi deputado estadual. Quando da fundação, o endereço das oficinas tipográficas ficava na Travessa General Osório. Em 1913, mudou-se para a Rua Sete de Setembro, onde mantinha também uma seção de papelaria.


Rio Grande - edição de primeiro ano de fundação - 20/9/1905

Ao longo de sua trajetória de pouco mais de 10 anos, o Rio Grande estampou em suas páginas artigos assinados por João Neves da Fontoura e Aurélio Porto, dentre outros nomes do republicanismo em Cachoeira. Em algumas ocasiões os articulistas se serviram de pseudônimos, como no caso de João Neves da Fontoura que em embates com sua antiga professora, Cândida Fortes Brandão, assinou com o nome de Maria das Neves...

*Provavelmente abreviatura do Título IV - "Dos Cidadãos Brasileiros".

MR

Comentários

  1. A Constituição de 1891 garantia a liberdade de imprensa e no entanto, falando só em Cachoeira, o jornal A Palavra tinha as paredes esburacadas a bala! Borges de Medeiros e nossos intendentes nunca respeitaram essa liberdade!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da