Pular para o conteúdo principal

A "Vila" Oliveira

Um dos mais conhecidos e maiores bairros de Cachoeira do Sul tem sua história atrelada à família que lhe dá nome: Bairro Oliveira.

A Vila Oliveira surgiu em torno da chácara da conhecida Viúva Oliveira, na zona norte da cidade, onde, na década de 1920, foi iniciado um loteamento de terrenos. Há na documentação do Arquivo Histórico requerimentos de cidadãos que adquiriram terrenos e solicitavam à Intendência Municipal a devida licença para edificarem.

IM/OPV/AOP/Requerimentos – Caixa 16

Um requerimento, datado de 1.º de dezembro de 1920, diz o que segue: 

Ill. Snr. Dr. Intendente Municipal

                                     Nesta Cidade

Oliverio José de Fonseca [sic] vem diser a V.S. o seguinte:

QUE comprou a D. Ignacia Amelia de Oliveira um terreno na projectada Villa OLIVEIRA, nos suburbios desta cidade, dentro dos limites sub-urbanos, com 130 palmos de frente por 400 de fundos;

QUE no dito terreno vae construir duas pequenas casas de madeira, sendo ambas no valor de UM CONTO DE REIS;

 QUE nessas condicções vem o abaixo-assignado solicitar a respectiva licença e, bem assim satisfaser os emolumentos a que estiver sujeito

NESTES TERMOS

                                           P. DEFERIMENTO

Cachoeira, 1.º de Dezembro de 1920

Oliverio Joze da Fonseca

O cidadão Oliverio Joze da Fonseca obteve a sua licença em 6 de dezembro de 1920, como atestam os carimbos apostos no requerimento pelos setores competentes da Intendência e pode ser considerado, com certeza, um dos primeiros moradores da "projetada" Vila Oliveira.

Ignacia Amelia de Oliveira já era, naquela época dos loteamentos, viúva de Antonio Gomes de Oliveira, com quem teve vários filhos. Antonio era comerciante e, por falecimento, levou Ignacia a assumir o negócio, quando adotou a razão social de Viúva Oliveira & Filhos, tendo por sócios José e Octaviano Gomes de Oliveira. Em agosto de 1901, o filho Octaviano retirou-se da sociedade, permanecendo Ignacia e José à frente do negócio, que era uma grande loja localizada na Rua Sete de Setembro, esquina com a atual Dr. Sílvio Scopel. 

Residência (Casa dos Arcos) de Ignacia Oliveira e a loja na esquina
- Museu Municipal


Em 1922, atestando o desenvolvimento daquela zona da cidade, então já bastante povoada, o intendente Annibal Lopes Loureiro, para melhorar a segurança local, criou um posto policial próximo à chácara da Viúva Oliveira.

Além da família dar nome à Vila Oliveira, um filho e várias filhas do casal denominam ruas do bairro e adjacências. O filho Otaviano Gomes de Oliveira, que foi sócio da mãe no comércio e conselheiro municipal, denomina uma travessa no Bairro Augusta* e dá nome ao vizinho Bairro Otaviano. As outras ruas que homenageiam membros da família Oliveira são: D. Alice, D. Azir, D. Antonieta, D. Odemira e D. Otília, todas filhas de Antonio e Ignacia Oliveira. 

Octaviano Oliveira - Grande Álbum de Cachoeira (1922),
de Benjamim Camozato

Ignacia Amelia de Oliveira, que faleceu aos 98 anos em 1946, é uma daquelas grandes mulheres da nossa história a quem ainda somos devedores no que tange ao conhecimento de suas vidas e trajetórias. Mas de informação em informação, um dia seus nomes e os daqueles que ajudaram a construir seus caminhos, quem sabe, serão do conhecimento de todos.

*Na verdade o bairro deveria ser chamado de Augusto, pois quem loteou os terrenos que lhe deram origem se chamava Augusto Ristow. Provavelmente por associação à palavra "vila" foi adotada a forma feminina Augusta.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da