Pular para o conteúdo principal

A "Vila" Oliveira

Um dos mais conhecidos e maiores bairros de Cachoeira do Sul tem sua história atrelada à família que lhe dá nome: Bairro Oliveira.

A Vila Oliveira surgiu em torno da chácara da conhecida Viúva Oliveira, na zona norte da cidade, onde, na década de 1920, foi iniciado um loteamento de terrenos. Há na documentação do Arquivo Histórico requerimentos de cidadãos que adquiriram terrenos e solicitavam à Intendência Municipal a devida licença para edificarem.

IM/OPV/AOP/Requerimentos – Caixa 16

Um requerimento, datado de 1.º de dezembro de 1920, diz o que segue: 

Ill. Snr. Dr. Intendente Municipal

                                     Nesta Cidade

Oliverio José de Fonseca [sic] vem diser a V.S. o seguinte:

QUE comprou a D. Ignacia Amelia de Oliveira um terreno na projectada Villa OLIVEIRA, nos suburbios desta cidade, dentro dos limites sub-urbanos, com 130 palmos de frente por 400 de fundos;

QUE no dito terreno vae construir duas pequenas casas de madeira, sendo ambas no valor de UM CONTO DE REIS;

 QUE nessas condicções vem o abaixo-assignado solicitar a respectiva licença e, bem assim satisfaser os emolumentos a que estiver sujeito

NESTES TERMOS

                                           P. DEFERIMENTO

Cachoeira, 1.º de Dezembro de 1920

Oliverio Joze da Fonseca

O cidadão Oliverio Joze da Fonseca obteve a sua licença em 6 de dezembro de 1920, como atestam os carimbos apostos no requerimento pelos setores competentes da Intendência e pode ser considerado, com certeza, um dos primeiros moradores da "projetada" Vila Oliveira.

Ignacia Amelia de Oliveira já era, naquela época dos loteamentos, viúva de Antonio Gomes de Oliveira, com quem teve vários filhos. Antonio era comerciante e, por falecimento, levou Ignacia a assumir o negócio, quando adotou a razão social de Viúva Oliveira & Filhos, tendo por sócios José e Octaviano Gomes de Oliveira. Em agosto de 1901, o filho Octaviano retirou-se da sociedade, permanecendo Ignacia e José à frente do negócio, que era uma grande loja localizada na Rua Sete de Setembro, esquina com a atual Dr. Sílvio Scopel. 

Residência (Casa dos Arcos) de Ignacia Oliveira e a loja na esquina
- Museu Municipal


Em 1922, atestando o desenvolvimento daquela zona da cidade, então já bastante povoada, o intendente Annibal Lopes Loureiro, para melhorar a segurança local, criou um posto policial próximo à chácara da Viúva Oliveira.

Além da família dar nome à Vila Oliveira, um filho e várias filhas do casal denominam ruas do bairro e adjacências. O filho Otaviano Gomes de Oliveira, que foi sócio da mãe no comércio e conselheiro municipal, denomina uma travessa no Bairro Augusta* e dá nome ao vizinho Bairro Otaviano. As outras ruas que homenageiam membros da família Oliveira são: D. Alice, D. Azir, D. Antonieta, D. Odemira e D. Otília, todas filhas de Antonio e Ignacia Oliveira. 

Octaviano Oliveira - Grande Álbum de Cachoeira (1922),
de Benjamim Camozato

Ignacia Amelia de Oliveira, que faleceu aos 98 anos em 1946, é uma daquelas grandes mulheres da nossa história a quem ainda somos devedores no que tange ao conhecimento de suas vidas e trajetórias. Mas de informação em informação, um dia seus nomes e os daqueles que ajudaram a construir seus caminhos, quem sabe, serão do conhecimento de todos.

*Na verdade o bairro deveria ser chamado de Augusto, pois quem loteou os terrenos que lhe deram origem se chamava Augusto Ristow. Provavelmente por associação à palavra "vila" foi adotada a forma feminina Augusta.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co