Pular para o conteúdo principal

1971 - GNT campeão da Taça Brasil de Bochas

 Há cinquenta anos Cachoeira do Sul celebrava com passeata e carnaval a agremiação do Grêmio Náutico Tamandaré que conquistou a Taça Brasil de Bochas. 

Por onde se praticava bocha no Brasil, conforme noticiou o Jornal do Povo de 25 de março de 1971, tôdas as atenções principais estão voltadas, a partir de hoje, até domingo, para Cachoeira do Sul, transformada pela maior hierarquia bochófila do Grêmio Náutico Tamandaré, em Capital Nacional da Bocha. Perdoem-nos pelo título que estamos dando a já Capital Brasileira do Arroz, mas, a satisfação de dar acolhida aos Estados de Minas Gerais, Guanabara, Rio e São Paulo, aos altos dirigentes da Federação Gaúcha de Bocha, representantes expressivos da CBD, em seu setor bochófilo, até nos fazem deixar um pouco de lado a modéstia. Recebê-los em Cachoeira do Sul é uma satisfação enorme.

JP, 25/3/1971, p. 4


O Jornal do Povo, em seu entusiasmo, não exagerou em dar o título de Capital Nacional da Bocha à cidade, pois de fato o certame fez de Cachoeira do Sul o centro das atenções dos praticantes desse esporte em todo o país e, mais do que isso, antecipou a consagração dos atletas cachoeirenses.

A sede social do Grêmio Náutico Tamandaré recebeu as delegações para apresentação oficial, oferecendo-lhes um coquetel, seguido do congresso de abertura da Taça Brasil de Bocha. 

Os paulistas foram os primeiros a chegarem a Cachoeira e os últimos a partirem, pois foi contra eles que os cachoeirenses disputaram a final na sede náutica do Grêmio Náutico Tamandaré. As disputas começaram às 9h da manhã, sendo abertas pelo prefeito municipal Dr. Honorato de Souza Santos e padre Ernesto Botton que giraram as primeiras bochas nas quadras um e dois. 

Depois das disputas entre os representantes dos estados, no domingo de manhã lutavam pela taça os cachoeirenses e os paulistas. Assim descreveu o momento o Jornal do Povo de 28 de março de 1971:

A festa da conquista da Taça Brasil de Bochas pelo Grêmio Náutico Tamandaré inciou pela parte da manhã de domingo, quando os gaúchos venciam a primeira ante os paulistas. O espoucar de foguetes anunciava a conquista antecipada da promoção. A alegria foi geral. Ciganinho (que havia vencido a Simples contra São Paulo) recebia emocionado os abraços de seus colegas. Cachoeira do Sul conquistava pela primeira vez um título de caráter nacional através do Grêmio Náutico Tamandaré, atualmente, no setor de clubes, a melhor bocha do Brasil.

Mas não haveria "graça" vencer a competição com S. Paulo empatado. O Náutico já era campeão pelo saldo de pontos. Para ter mais sabor era imprescindível vencer a Dupla e Trio dos paulistas. Quando isto aconteceu, então Cachoeira do Sul estava unida ao Tamandaré. A Escola de Samba Almirante Tamandaré postou-se na parte fronteira ao clube, com tôda a sua batucada. Carros sairam fazendo de nossas ruas a sua passarela da vitória. A frente - em carro aberto - os troféus conquistados e lá, bem atrás, também em carro aberto, os dez atletas alvi-negros, campeões da II Taça Brasil de Bocha.

Foi a festa do "esporte que faz amigos" tomando conta de Cachoeira do Sul.

JP, 30-3-1971, p. 1


Os dez atletas que conquistaram o título inédito foram ovacionados pelos cachoeirenses e recebem, 50 anos depois, a homenagem e o reconhecimento ao seu feito. Foram eles: Irineu Anversa, Pedro Ildor Lovato, Hélio dos Passos Silveira (o "Ciganinho"), Otávio Guerino Bonini, Ary Ferreira Orives, Osmar Fogliatto, José Maria Cerentini, Laurindo Dumke, Lino José Anversa e Arlindo Paz Elesbão.

MR


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da