Pular para o conteúdo principal

1971 - GNT campeão da Taça Brasil de Bochas

 Há cinquenta anos Cachoeira do Sul celebrava com passeata e carnaval a agremiação do Grêmio Náutico Tamandaré que conquistou a Taça Brasil de Bochas. 

Por onde se praticava bocha no Brasil, conforme noticiou o Jornal do Povo de 25 de março de 1971, tôdas as atenções principais estão voltadas, a partir de hoje, até domingo, para Cachoeira do Sul, transformada pela maior hierarquia bochófila do Grêmio Náutico Tamandaré, em Capital Nacional da Bocha. Perdoem-nos pelo título que estamos dando a já Capital Brasileira do Arroz, mas, a satisfação de dar acolhida aos Estados de Minas Gerais, Guanabara, Rio e São Paulo, aos altos dirigentes da Federação Gaúcha de Bocha, representantes expressivos da CBD, em seu setor bochófilo, até nos fazem deixar um pouco de lado a modéstia. Recebê-los em Cachoeira do Sul é uma satisfação enorme.

JP, 25/3/1971, p. 4


O Jornal do Povo, em seu entusiasmo, não exagerou em dar o título de Capital Nacional da Bocha à cidade, pois de fato o certame fez de Cachoeira do Sul o centro das atenções dos praticantes desse esporte em todo o país e, mais do que isso, antecipou a consagração dos atletas cachoeirenses.

A sede social do Grêmio Náutico Tamandaré recebeu as delegações para apresentação oficial, oferecendo-lhes um coquetel, seguido do congresso de abertura da Taça Brasil de Bocha. 

Os paulistas foram os primeiros a chegarem a Cachoeira e os últimos a partirem, pois foi contra eles que os cachoeirenses disputaram a final na sede náutica do Grêmio Náutico Tamandaré. As disputas começaram às 9h da manhã, sendo abertas pelo prefeito municipal Dr. Honorato de Souza Santos e padre Ernesto Botton que giraram as primeiras bochas nas quadras um e dois. 

Depois das disputas entre os representantes dos estados, no domingo de manhã lutavam pela taça os cachoeirenses e os paulistas. Assim descreveu o momento o Jornal do Povo de 28 de março de 1971:

A festa da conquista da Taça Brasil de Bochas pelo Grêmio Náutico Tamandaré inciou pela parte da manhã de domingo, quando os gaúchos venciam a primeira ante os paulistas. O espoucar de foguetes anunciava a conquista antecipada da promoção. A alegria foi geral. Ciganinho (que havia vencido a Simples contra São Paulo) recebia emocionado os abraços de seus colegas. Cachoeira do Sul conquistava pela primeira vez um título de caráter nacional através do Grêmio Náutico Tamandaré, atualmente, no setor de clubes, a melhor bocha do Brasil.

Mas não haveria "graça" vencer a competição com S. Paulo empatado. O Náutico já era campeão pelo saldo de pontos. Para ter mais sabor era imprescindível vencer a Dupla e Trio dos paulistas. Quando isto aconteceu, então Cachoeira do Sul estava unida ao Tamandaré. A Escola de Samba Almirante Tamandaré postou-se na parte fronteira ao clube, com tôda a sua batucada. Carros sairam fazendo de nossas ruas a sua passarela da vitória. A frente - em carro aberto - os troféus conquistados e lá, bem atrás, também em carro aberto, os dez atletas alvi-negros, campeões da II Taça Brasil de Bocha.

Foi a festa do "esporte que faz amigos" tomando conta de Cachoeira do Sul.

JP, 30-3-1971, p. 1


Os dez atletas que conquistaram o título inédito foram ovacionados pelos cachoeirenses e recebem, 50 anos depois, a homenagem e o reconhecimento ao seu feito. Foram eles: Irineu Anversa, Pedro Ildor Lovato, Hélio dos Passos Silveira (o "Ciganinho"), Otávio Guerino Bonini, Ary Ferreira Orives, Osmar Fogliatto, José Maria Cerentini, Laurindo Dumke, Lino José Anversa e Arlindo Paz Elesbão.

MR


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co