Pular para o conteúdo principal

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município. 

A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio, de 17 de março daquele ano:

A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar
Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio.
De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam.
Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que enquadrando sua proposta dentro das condições estabelecidas pelo referido edital, foi declarado vencedor da concurrencia.
O concurrente vencedor, é o sr. Alberto Trommer, conhecedor a fundo do ramo, pois até bem pouco tempo, manteve o Café e Restaurante Comercial, que por contráto de compra e venda, passou-os à firma Armando Sperb, de Porto Alegre.
O respectivo contráto, já foi firmado com a Prefeitura Municipal, e muito breve serão atacadas as obras de construção do quiosque, cujo projéto foi elaborado pela Secretaria das Obras Públicas de Porto Alegre.

A inauguração do Bar América aconteceu no dia 2 de outubro de 1943:

"Bar América"
Teve lugar sábado penultimo, a solenidade de inauguração do "Bar América", construído na Praça José Bonifácio, pelo sr. Alberto Trommer, de acôrdo com a orientação da Prefeitura Municipal.
Construído dentro dos moldes da arquitetura moderna, o "quiosque" da Praça José Bonifácio, apresenta um belo aspéto, vindo completar assim o plano geral de modernização da cidade já traçado por ocasião do seu calçamento.
Compareceram ao áto inaugural, representações das autoridades civis e diversas outras pessoas especialmente convidadas, tendo o proprietário obsequiado os presentes com frios, doces e bebidas. 
(O Comércio, 13/10/1943).

Bar América logo após a inauguração - Museu Municipal


O Jornal do Povo também noticiou a inauguração em sua edição de 3 de outubro de 1943:

Inauguração de um bar
Inaugurou-se ontem às 17 horas nesta cidade, o Bar América, de propriedade do sr. Alberto Tromer [sic].
O novo bar que se acha situado na praça José Bonifácio, está organizado com todo o modernismo, numa bela construção, própria para o fim a que se destina.
Ao ato inaugural compareceram diversas pessoas e convidados do proprietário, sendo todos obsequiados com frios e bebidas.

Há no acervo do Arquivo Histórico uma coleção de projetos de autoria de Joaquim Vidal, dentre os quais consta um de ampliação do quiosque-bar:

Provável projeto original apresentado por Joaquim Vidal - fevereiro de 1943



Projeto do aumento do quiosque - autor Joaquim Vidal
                                                                                                                                                                                                                                        
Na parceria estabelecida entre o Arquivo Histórico e a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM/Campus Cachoeira do Sul para organização do acervo de plantas arquitetônicas e projetos do Arquivo Histórico por meio do Projeto n.º 042921 - Evolução Histórica da Configuração Urbana de Cachoeira do Sul - Organização do Acervo do Arquivo Histórico de Cachoeira do Sul: principais documentos de ordem urbana e arquitetônica, consta o seguinte sobre o projeto de aumento elaborado por Joaquim Vidal:

Quiosque (Bar América), 1943, de Joaquim Vidal
Junto à Praça José Bonifácio, quiosque de planta octogonal desenhado para comportar um programa de necessidades voltado a um bar, contando com varanda, salão, cozinha, copa e depósito. Posteriormente, Joaquim Vidal elaborou projeto de ampliação, anexando um 2.º pavimento com terraço para uso ao ar livre.

O aumento planejado por Joaquim Vidal não foi executado, mas as plantas estão devidamente resguardadas, cumprindo o Arquivo Histórico o seu importante papel de preservar documentos que, muito mais do que conservar a memória, servirão para atender a diversos públicos em diferentes propósitos.

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co