Pular para o conteúdo principal

O Cemitério Municipal

No final do século XIX, o esgotamento do Cemitério das Irmandades, denúncias de seu mau estado e o fato de nele serem sepultados apenas fiéis católicos, fez despertar nas autoridades a intenção de dotarem a cidade de outro local para os sepultamentos. Escolhido o Alto dos Loretos para tal, foi o Cemitério Municipal inaugurado em 20 de agosto de 1891.

Pórtico do Cemitério Municipal - COMPAHC

Há no acervo do Arquivo Histórico vários livros de registros de sepultamentos no Cemitério Municipal, bem como documentos avulsos. O primeiro livro é um encadernado de atestados de óbitos relativos ao ano de 1902. Nos documentos avulsos, o primeiro atestado foi emitido para o falecido João Albuquerque em 27 de setembro de 1892. 

Os livros trazem colunas em que devem constar as seguintes informações sobre a pessoa falecida: data do óbito, nome, idade, estado civil, número da sepultura, número do quadro, número da portaria, naturalidade, filiação, cor, causa mortis, importância paga e informações. Na maior parte dos registros, infelizmente, nem todas as colunas são preenchidas, o que mesmo assim os torna excelentes fontes de pesquisa sobre a população.

Em 6 de novembro de 1921, faleceu um cidadão de relevância na comunidade cachoeirense, com excelentes serviços prestados como médico, o Dr. Augusto Priebe, inclusive na concessão de atestados de óbitos, especialmente para pessoas ligadas à Viação Férrea, para a qual prestava seus serviços. Seu sepultamento foi realizado no dia seguinte, 7 de novembro, e aparece assim nas páginas 43v e 44 do livro IM/SE/RO-003

O nome do Dr. Augusto Priebe foi, em algum momento, marcado por um X
- folha 43v

Livro de registro de sepultamentos - IM/SE/RO-003, fl. 44


Dr. Augusto Priebe - acervo familiar - Lia Trevisan

O médico faleceu aos 54 anos e era filho de Carlos Frederico Priebe, segundo dados preenchidos no livro. Seu túmulo, de número 16, localizava-se no 2.º Quadro, ou seja, entrando pelo corredor principal, na primeira esquina dobrando à esquerda, conforme a ilustração feita em data não determinada e que está inserida no livro pertencente ao acervo da Prefeitura Municipal, cujo título é Registro dos Mortos Sepultados no Cemitério Municipal de Cachoeira - ano: 1946 a 1965


Túmulo 16 - 2.º Quadro

Estavam sepultados no mesmo quadro figuras da história cachoeirense, como David Soares de Barcellos, o administrador mais longevo dos negócios municipais, tendo sido intendente por três vezes; João Anchieta da Fontoura, avô paterno de João Neves da Fontoura; o industrialista Ernesto Pertille e o comerciante Augusto Wilhelm.

Na edição do jornal O Commercio, de 9 de novembro de 1921, foi publicado um agradecimento da viúva Paula Priebe e filhos ao médico Dr. Silvio Scopel pelo desvelo no longo tratamento do Dr. Augusto Priebe, bem como a Nicolau Roos e família pelo apoio durante a enfermidade e após o falecimento.

O Commercio, 9/11/1921, p. 3

Esta postagem tem o propósito de, em novembro, quando transcorre o Dia de Finados, a 2, registrar os 130 anos de funcionamento do Cemitério Municipal, campo santo que reúne muitas histórias e uma riqueza imensurável de registros, arte cemiterial e arquitetura relacionada à inquietação diante da morte. 

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da