Pular para o conteúdo principal

Relatório de Instrução Pública

Neste mês em que se comemora o dia do professor, transcrevemos parte de um documento de 28 de julho de 1878, correspondente ao relatório de visita trimestral, determinado pela Lei Provincial nº 1.108, de 8 de maio de 1877, feito pela comissão composta por Francisco Gomes Porto, João Jorge Krieger e Crescêncio da Silva Santos:

2ª Aula do sexo feminino, regida pela Professora Dª Maria Luisa da Silva.
O espaçoso salão em que funciona esta aula, não só preenche as condições exigidas pelo regulamento, como tambem facilita a frequencia das alunnas em geral, em consequencia de achar-se collocada no centro da Cidade. Pelo respectivo livro, verificamos estarem matriculadas 54 alunnas, sendo o termo medio da frequencia 40, segundo o calculo que não foi fornecido pela Professora. Fisemos um detido exame em leitura, calligraphia, principios elementares de arithemetica, nocções geraes de grammatica, e geographia d'esta Provincia, em duas alunnas mais adiantadas, que frequentão a aula 4 annos; e, prestando homenagem a verdade e a justiça, a commissão, não pode deixar de elogiar os esforços da Professora, que tem sido correspondidos, porque estas duas alunnas em todas as materias a que acima nos referimos, estão perfeitamente no caso de faserem um exame regular no fim do anno letivo. 
(...)
Algumas mais que examinamos alternadamente ainda achão-se atrazadas, notando-se entre estas, umas com tempo sufficiente para estarem mais adiantadas, não sabendo a commissão a que attribuir, se a falta de intelligencia da parte d'ellas, ou se ao numero crescido de alunnas que frequentão esta aula, privando por esta rasão a Professora de destribuir com a necessaria igualdade a instrução a todas.

Este documento faz parte dos avulsos da Caixa 3, Série: Decisões Administrativas, Subsérie 18: Relatórios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co