Pular para o conteúdo principal

Saneamento da Cidade

No relatório apresentado ao Dr. A. A. Borges de Medeiros, Presidente do Estado do RS, pelo  engenheiro Ildefonso Soares Pinto, Secretário de Estado dos Negócios das Obras Públicas, em 15 de agosto de 1923, encontram-se dados sobre o projeto de saneamento de Cachoeira do Sul, o qual segue a transcrição:

Caixa d'água da 1ª hidráulica
Imagem: Loveli La-Flôr
"O projecto de saneamento da cidade de Cachoeira foi organizado pelo engenheiro Saturnino Rodrigues de Brito, em 1919.
Em fins de 1920 e principios de 1921, como houvesse urgencia em fornecer agua à cidade, a Municipalidade executou uma parte da rêde hydraulica, abastecida por uma captação provisoria.
Essas obras, que foram tratadas em relatorios anteriores, importaram em 172:314$278, e constam, em resumo, do seguinte:
Captação d'agua no rio Jacuhy, a montante do cemiterio velho e da cidade; recalque para os prefiltros, onde a agua é batida, arejada e prefiltrada; segundo recalque para um reservatorio de cimento armado; distribuição pelas ruas Saldanha Marinho, Felix da Cunha e Sete de Setembro, com ramaes para as travessas Firminiano, Sete de Abril e Venancio Ayres.
Em 1922, havendo o engenheiro director das obras municipaes de Cachoeira communicado a existencia de aguas altas nos cerros do Botucarahy, Cortado e Branco, mandou esta Secretaria explorar os mananciaes que se encontrassem nas regiões indicadas, com o fim de verificar si era possivel aproveital-os para o abastecimento da cidade por gravidade.
Os estudos feitos confirmaram a presença dos mananciaes em altura bastante para o aproveitamento das aguas, porém com descargas insufficientes nas estiagens, como verificou tambem o auctor do projecto.
Nessas condições, não foi possivel o supprimento por gravidade e sim pela captação no Jacuhy e elevação mecanica, conforme resolvida a execução das obras projectadas, foi reconhecida a conveniencia da revisão do orçamento respectivo, que datava de 1919.
Essa revisão foi feita na Directoria das Obras Publicas, com a collaboração do director das obras municipaes de Cachoeira, tendo o orçamento attingido a 2.460:748$966..."

Ainda há, nesse mesmo relatório, informações pertinentes ao abastecimento de agua e esgotos sanitários.
No acervo documental do Arquivo, há além de relatórios, outros documentos que tratam desse projeto de saneamento que resultou na construção da primeira hidráulica, junto à Praça Itororó, bem como, da segunda que compreendia a captação e tratamento às margens do Jacuí e o reservatório elevado: Château d'Eau e o reservatório R-2: na praça Borges de Medeiros.

Fonte:IM/S/SE/Re-025, p. XVI

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co