Pular para o conteúdo principal

Projeto do Arquivo Público do RS sobre Câmaras Municipais


A nossa memória pré-republicana

Arquivo Público do Estado resgata primeiras câmaras de vereadores
Paço Municipal (ao fundo) no Século XVIII: Prédio abrigou a Câmara de Vereadores pré-republicanaPaço Municipal (ao fundo) no Século XVIII: Prédio abrigou a Câmara de Vereadores pré-republicana

Uma iniciativa do Arquivo Público do Estado deve resgatar a memória dos 58 municípios gaúchos que tinham câmaras de vereadores antes de 15 de novembro de 1889, data em que foi proclamada a República no Brasil. Cachoeira do Sul confirmou participação no projeto, que interligará virtualmente o acervo histórico das cidades pré-republicanas.
A diretora do Arquivo Histórico Municipal, Ione Carlos, juntamente com a professora Maria Lúcia Mór Castagnino, participou do lançamento da proposta na última sexta-feira, em Porto Alegre. Quinto município a ser criado no estado, Cachoeira do Sul, instalado em 5 de agosto de 1820, tem papel importante no processo de resgate das câmaras de vereadores que existiam antes da República. “Daqui se originaram a maioria dos municípios do Centro-Oeste,” lembrou Ione Carlos.
FONTE
 A importância histórica do acervo disponível em Cachoeira do Sul é tão expressiva que outras cidades, como Alegrete, o usaram como fonte para recuperar sua memória. Ione destacou que as câmaras de vereadores instaladas antes da era republicana desempenhavam funções bem distintas das atuais. “Elas tinham atribuições administrativas,” completou a professora.
Apesar de tudo o que já se sabe sobre o passado pré-republicano de municípios como Cachoeira do Sul, ainda há muito que se desvendar, acreditam os idealizadores do projeto lançado pelo Arquivo Público do Rio Grande do Sul, órgão ligado diretamente à administração pública estadual.
Conforme Ione Carlos alguns dos 58 municípios pré-republicanos sequer possuem acervos sobre seu passado. A maioria deles não enviou representantes para o encontro de lançamento do projeto do Arquivo  Público estadual. “Não havia mais que 20 representantes de municípios no encontro de sexta-feira,” destacou Ione. 
Portanto, além de resgatar a memória pré-republicana de algumas cidades, a proposta apresentada pelo Arquivo estadual pretende criar espaços de acesso público para que ela seja mostrada à população. A próxima reunião de trabalho do projeto das câmaras pré-republicana ainda será agendada para o início de 2013
CACHOEIRA PRÉ-REPUBLICANA
A trajetória do município até 1989
1779 - Cachoeira deixa a condição de capela e se torna freguesia
1800 – Surge a Freguesia de Nossa Senhora da Conceição da Cachoeira.
1819 – A Freguesia foi elevada à condição de “Villa” por ordem do rei Dom João VI. Surgia a Vila Nova de São João da Cachoeira.
1820 – No dia de 5 de agosto foi oficialmente instalado o novo município, o quinto a ser criado no estado.
1865 – Em plena era imperial, concluía-se a construção do prédio do Paço Municipal, que foi entregue à Câmara de Vereadores.
1857 – Chegam os primeiros imigrantes alemães ao município.
1877 – As primeira família de imigrantes italianas se instalam no município.
1859 – No dia 15 de dezembro Cachoeira é reconhecida como cidade por meio de lei.
1860 – Na sessão da Câmara do dia 10 de janeiro é realizada a solenidade da elevação do município à condição de cidade.
1883 – No dia 7 de março a primeira locomotiva passa pelos trilhos de Cachoeira do Sul.
Fonte: Arquivo Histórico Municipal
Este artigo foi postado na edição digital, de 28 de novembro de 2012, do Jornal do Povo. Tratou do projeto "Um debate sobre o papel das Câmaras Municipais, período colonial e imperial no RS: sua produção documental arquivística", trabalho desenvolvido pelo Arquivo Público do RS e pelo Arquivo Municipal Moysés Vellinho de POA. Ione Maria Sanmartin Carlos e Maria Lucia Mór Castagnino estiveram presentes na fase I, que correspondeu a um seminário. O convite para que o nosso Arquivo se fizesse presente foi encaminhado ao prefeito municipal, Sérgio Ghignatti, pelo secretário municipal da cultura (Porto Alegre), Sergius Gonzaga.

Comentários

  1. Muito interessante essa ideia do Arquivo Público do RS e, por isso, rendeu notícia.

    ResponderExcluir
  2. Como está hoje, Setembro de 2016, este projeto de ligação entre os Arquivos Históricos Municipais e o Estadual?

    ResponderExcluir
  3. Como está hoje, Setembro de 2016, este projeto de ligação entre os Arquivos Históricos Municipais e o Estadual?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co