Pular para o conteúdo principal

O casamento de D. Pedro II

O Rio Grande do Sul ainda estava convulsionado pela Revolução Farroupilha quando a Câmara de Cachoeira foi avisada pelo Barão de Caxias, Presidente da Província, sobre o casamento de D. Pedro II com a Princesa de Duas Sicílias Teresa Cristina de Bourbon, em ato solenizado no dia 4 de setembro de 1843 no Rio de Janeiro.
O casamento havia sido contratado em 20 de maio de 1842, em Viena, depois de várias tentativas diplomáticas com outras princesas da Europa. Em 31 de maio daquele ano a mão da princesa foi concedida a D. Pedro II, sendo este representado pelo embaixador José Alexandre Carneiro Leão, em Nápoles. No dia 3 de setembro de 1843, Teresa Cristina, acompanhada do irmão, Príncipe de Áquila, chegou ao porto do Rio de Janeiro, a bordo da fragata Constituição. O casamento ocorreu oficialmente no dia seguinte, com toda a pompa da época, na Imperial Capela.

Imperatriz Teresa Cristina por volta de 1876 - Wikipédia

Toda a Nação foi comunicada do grande acontecimento através de correspondências que encaminhavam avisos às Câmaras Municipais, cuja obrigação era divulgar ao povo. Cachoeira igualmente recebeu o comunicado, através de ofício do Barão de Caxias, então Presidente da Província. Eis o teor do documento:

Illm.º e Exm.º Snr. = Tendo entrado felizmente no porto desta Capital no dia 3 do corrente á tarde, Sua Magestade A Imperatriz, acompanhada por Sua Alteza Real o Conde de Áquila, Seu Augusto Irmão e Havendo Sua Magestade O Imperador, com a Mesma Augusta Senhora Recebido no dia seguinte, na Imperial Capella, com a pompa correspondente á grandeza e Santidade do Acto, e com as maiores demonstrações de regozijo Recebeo as Bençãos do Seu Matrimonio, que havia sido contratado em Viena aos 20 de Maio do anno passado, e celebrado em Napoles em 31 de Maio corrente: Assim o participo a V.Ex.ª  para que publicisada em toda essa Provincia esta fausta noticia, que sera sem dúvida recebida com enthusiasmo por todos os seus habitantes, altos os beneficios que deste feliz Consorcio devem resultar ao Brasil. = Deos Guarde a V.Ex.ª  = Palacio do Rio de Janeiro 5 de Setembro de 1843 = Jose Antonio da Silva maria - Sr. Presidente da Provincia de São Pedro = Cumpra-se e registe-se. Quartel General em S. Gabriel 2 de Novembro de 1843. Barão de Caxias. Conforme. O 1.º Oficial João da Cunha Lobo Barreto.

Cópia do ofício remetido pelo Barão de Caxias - CM/DA/Avisos/Caixa 1

A história conta que D. Pedro II não ficou agradado da aparência da noiva, especialmente por não ter ela grandes atributos de beleza e ser, inclusive, levemente manca de uma das pernas. Mas o tempo provou que aquela princesa não tão bela era uma grande mulher, intelectualmente à altura do Imperador. E este lado proporcionou, aliado a outros atributos de personalidade, a relação fraterna que os dois mantiveram por toda a vida.
Alguns meses depois do casamento de D. Pedro II com Teresa Cristina, o Príncipe de Áquila, irmão dela, casou-se com a irmã de D. Pedro, Princesa Januária. Novamente a Vila da Cachoeira foi notificada do faustoso acontecimento, conforme ofício recebido pela Câmara Municipal em 4 de outubro de 1844:

Ofício comunicando o casamento ocorrido em 28/4/1844 - CM/DA/Avisos/Caixa 1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co