Pular para o conteúdo principal

O casamento de D. Pedro II

O Rio Grande do Sul ainda estava convulsionado pela Revolução Farroupilha quando a Câmara de Cachoeira foi avisada pelo Barão de Caxias, Presidente da Província, sobre o casamento de D. Pedro II com a Princesa de Duas Sicílias Teresa Cristina de Bourbon, em ato solenizado no dia 4 de setembro de 1843 no Rio de Janeiro.
O casamento havia sido contratado em 20 de maio de 1842, em Viena, depois de várias tentativas diplomáticas com outras princesas da Europa. Em 31 de maio daquele ano a mão da princesa foi concedida a D. Pedro II, sendo este representado pelo embaixador José Alexandre Carneiro Leão, em Nápoles. No dia 3 de setembro de 1843, Teresa Cristina, acompanhada do irmão, Príncipe de Áquila, chegou ao porto do Rio de Janeiro, a bordo da fragata Constituição. O casamento ocorreu oficialmente no dia seguinte, com toda a pompa da época, na Imperial Capela.

Imperatriz Teresa Cristina por volta de 1876 - Wikipédia

Toda a Nação foi comunicada do grande acontecimento através de correspondências que encaminhavam avisos às Câmaras Municipais, cuja obrigação era divulgar ao povo. Cachoeira igualmente recebeu o comunicado, através de ofício do Barão de Caxias, então Presidente da Província. Eis o teor do documento:

Illm.º e Exm.º Snr. = Tendo entrado felizmente no porto desta Capital no dia 3 do corrente á tarde, Sua Magestade A Imperatriz, acompanhada por Sua Alteza Real o Conde de Áquila, Seu Augusto Irmão e Havendo Sua Magestade O Imperador, com a Mesma Augusta Senhora Recebido no dia seguinte, na Imperial Capella, com a pompa correspondente á grandeza e Santidade do Acto, e com as maiores demonstrações de regozijo Recebeo as Bençãos do Seu Matrimonio, que havia sido contratado em Viena aos 20 de Maio do anno passado, e celebrado em Napoles em 31 de Maio corrente: Assim o participo a V.Ex.ª  para que publicisada em toda essa Provincia esta fausta noticia, que sera sem dúvida recebida com enthusiasmo por todos os seus habitantes, altos os beneficios que deste feliz Consorcio devem resultar ao Brasil. = Deos Guarde a V.Ex.ª  = Palacio do Rio de Janeiro 5 de Setembro de 1843 = Jose Antonio da Silva maria - Sr. Presidente da Provincia de São Pedro = Cumpra-se e registe-se. Quartel General em S. Gabriel 2 de Novembro de 1843. Barão de Caxias. Conforme. O 1.º Oficial João da Cunha Lobo Barreto.

Cópia do ofício remetido pelo Barão de Caxias - CM/DA/Avisos/Caixa 1

A história conta que D. Pedro II não ficou agradado da aparência da noiva, especialmente por não ter ela grandes atributos de beleza e ser, inclusive, levemente manca de uma das pernas. Mas o tempo provou que aquela princesa não tão bela era uma grande mulher, intelectualmente à altura do Imperador. E este lado proporcionou, aliado a outros atributos de personalidade, a relação fraterna que os dois mantiveram por toda a vida.
Alguns meses depois do casamento de D. Pedro II com Teresa Cristina, o Príncipe de Áquila, irmão dela, casou-se com a irmã de D. Pedro, Princesa Januária. Novamente a Vila da Cachoeira foi notificada do faustoso acontecimento, conforme ofício recebido pela Câmara Municipal em 4 de outubro de 1844:

Ofício comunicando o casamento ocorrido em 28/4/1844 - CM/DA/Avisos/Caixa 1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da