Pular para o conteúdo principal

Colégio Marista - primeiros movimentos para instalação em Cachoeira

O jornal O Commercio, edição de 20 de fevereiro de 1907, em sua página três, traz a seguinte notícia sobre a movimentação da cidade em torno da instalação de um ginásio dos irmãos maristas, cujo título é Grata notícia:

É-nos grato communicar aos nossos leitores, e especialmente aos srs. paes de familia, que está definitivamente resolvida a fundação de um Gymnasio nesta cidade, dirigido pelos provectos educacionistas irmãos Maristas. Esteve para este fim aqui, o assistente geral da ordem, irmão Climaco, acompanhado do superior provinciano irmão Geraldo. Estes dois irmãos Maristas percorreram toda a cidade em companhia do Revmo. Padre Iunges, Vigario da Parochia, visitando o edificio em que reside o sr. dr. Balthazar de Bem, que é o que reune todas as condições necessarias á installação do Collegio. Sabemos que o sr. dr. Balthazar, solicitado a ceder o edificio, accedeu prompta e cavalheirosamente, attendendo assim ao anhélo de uma grande parte da população da Cachoeira. É digno de louvores o procedimento do sr. dr. Balthazar, tanto mais que, de certo modo, S.S. será prejudicado no seu bem estar, por vêr-se privado de excellentes accommodações. Os referidos irmãos Maristas voltaram hontem para Santa Maria, agradavelmente impressionados d'esta cidade. O Gymnasio será installado no fim do anno, começando os trabalhos em Fevereiro de 1908, com os dois cursos - elementar e complementar. Parabens aos srs. paes e aos nossos jovens conterraneos.




Notícia publicada n'O Commercio - 20/02/1907

Necessário esclarecer aos leitores que o edifício a que se refere a matéria e que servia de residência ao  Dr. Balthazar de Bem era o prédio que mais tarde passou a sediar o Clube Renascença e depois ainda a União de Moços Católicos. Somente em 1915 Dr. Balthazar mandaria edificar o palacete hoje denominado Casa de Cultura Paulo Salzano Vieira da Cunha.

A história foi escrita um pouco mais devagar do que parecia naquele distante ano de 1907. No ano seguinte os irmãos maristas de fato instalaram-se em Cachoeira, iniciativa que não perdurou por muito tempo. Nova tentativa aconteceria em 1929, instalando-se o ginásio no prédio que tinha sido construído para quartel da Guarda Municipal, na Rua Saldanha Marinho. Neste endereço encontra-se até hoje o Colégio Marista Roque, atualmente a maior escola particular de Cachoeira do Sul e que há 85 anos forma crianças e jovens nos preceitos de São Marcelino Champagnat.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co