Pular para o conteúdo principal

Terras dos índios na Vila Nova de São João da Cachoeira - 1856

Às vésperas da comemoração do Dia do Índio, 19 de abril, vasculhamos a documentação do Arquivo Histórico em busca de referências aos nossos primitivos habitantes.
No Livro 1.º de Lançamento da Receita e Despesa da Vila da Cachoeira, aberto em 11 de junho de 1840 (C/S/SE/RE-002), à folha 178, há uma cópia de ofício remetido pela Câmara para o Presidente e Comandante das Armas da Província, Conselheiro Jeronimo Francisco Coelho, com o seguinte teor:

A Camara Municipal da Villa da Cachoeira, de posse da Circular do antecessor de V.Ex.ª, sob n.º 12 de 9 do mez proximo passsado, na ql. em conformidade com as ordens do Governo Imperial expedidas pela repartição das Terras publicas, de mandar demarcar quanto antes as terras das Aldeias dos Indios desta Provincia, que existão ainda os aldiamentos, quer se achem existintos [sic], sendo conveniente que esta Camara informe com urgencia, se neste Municipio ha, ou não terras pertencentes a os Indios, e qual ellas sejão: Esta Camara em cumprimento desta ordem, tem a honra de declarar a V.Ex.ª, que as antigas e Aldeias que houverão nas duas Povoações do Municipio forão estabellecidas dentro do recento que por Lei foi marcado para as mesmas; por conseguinte não ha neste Municipio nem umas terras pertencentes aos Indios, achando-se desde mtos. annos existintos esses aldiamentos, em cujos terrenos existem cazas das Freguezias respectivas. Deos Guarde a V.Ex.ª por muitos annos. Paço da Camara Municipal da V.ª da Caxr.ª 13 de Maio de 1856. 



Como podemos perceber da análise do documento acima transcrito, o governo da Província solicitou à Câmara Municipal, que era o aparato administrativo do município à época, que informasse sobre a existência de aldeamentos ou de terras pertencentes a índios. A resposta remetida pela Câmara, assinada pelos vereadores Joaquim Correa de Oliveira, Lourenço Jozé da Silva Bandeira, Polycarpo Pereira da Silva, Joaquim Ignacio de Araujo e Fructuoso Borges da Silva e Fontoura, informava as autoridades que não havia terras pertencentes a índios no recinto da Vila e que os aldeamentos há muito estavam extintos, tendo sido já ocupados pelas casas dos moradores.

As informações prestadas pelos nossos vereadores por meio deste documento referiam-se a um período que não chegara a completar 100 anos desde a instalação dos índios catequizados na Aldeia, o que se deu em 1769. Os índios, sabe-se, diluíram-se entre outros grupos étnicos, praticamente desaparecendo do nosso cotidiano. Resta-nos lembrar da importância que tiveram na nossa formação histórica e do destino que nossa civilização deu e segue dando a eles.

Nota: O Dia do Índio transcorre em 19 de abril em homenagem ao aniversário de Getúlio Vargas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da