Pular para o conteúdo principal

Necessidades da cidade em maio de 1865

Em 5 de maio de 1865, o cidadão José Joaquim Cidade, fiscal da Câmara, remeteu ao seu Presidente e demais vereadores um relatório em que ficão demonstradas as nessecidades [sic] que mais percizão da attenção de VV.SS.ªs não só para o formoziamento desta cidade, mãs tambem para a facelidade do transito em suas ruas.



O Relatório permite que façamos hoje, quase 150 anos depois, uma análise do modo como a cidade estava organizada em suas rotinas e serviços básicos, permitindo uma comparação com a atualidade, quando muito avançamos em recursos tecnológicos em nossos lares, mas ainda muito temos que igualmente avançar em termos de urbanismo e civilidade.

CM/Série C: Obras e Melhoramentos/Subsérie 1: Relatórios/Caixa 5

Eis algumas das Necessidades da Cidade apontadas no Relatório de José Joaquim Cidade, segundo a ordem por ele estabelecida:

1.ª  Remução do lampião que está no meio da parede do Corpo da Guarda, para a esquina.
2.ª  Compostura na rua de Sto. Antonio abaixo do Herval, que tem grandes buracos.
3.ª  Idem da rua do Herval, cahidas a rua Bella, 7 de 7br.º, e Sto. Antonio.
4.ª  Idem da rua do Imperador, cahidas a Praça de Ponxo Verde.
5.ª  Composturas nos cordões na rua 7 de 7br.º em frente a Fran.co Loreto, e João Vieira
6.ª  He muito conveniente a terrar os quadros da rua 7 de 7br.º esquina do finado Sampaio, Gomes & Menezes, e João José Roiz~, assim como na rua do Herval esquina da praça da Conceição, que em todas estas Esquinas formão lagoas.
7.ª  Estão em estados de serem de molidas as paredes das Cazas de Fran.co José da S.ª Moura na rua de Sto. Antonio, e de Joaqm. Luiz Diniz na rua do Imperador esquina do Carumbé.
8.ª He muito percizo um depozito para por este meio se privar que andem vagando Vacas, Porcos, e Cabras.

O fiscal termina o Relatório dizendo que Eis as necessidades que por mais prejudiciozas as publicas conveniencias, reclamão urgentes providencias para sanal-as. (...) Cidade da Caxr.ª 5 de Maio de 1865.

Transpondo para a realidade da cidade da Cachoeira de maio de 2014, os fiscais de hoje ainda apontariam buracos nas ruas, objetos e ou placas em lugares indevidos, muros ou paredes em ruínas e alagamentos em pontos de diversos logradouros como necessidades da cidade! Já para o seu formoziamento, ou formoseamento na grafia de nossos dias, certamente bem mais do que oito itens do relatório original de 1865 quantos itens precisariam ser apontados?

Nota: o Corpo da Guarda citado, provavelmente ficava na atual Rua Conde de Porto Alegre, cuja denominação anterior era Rua do Corpo da Guarda. As demais ruas referidas eram, respectivamente, a de Santo Antônio a atual Saldanha Marinho; a do Herval era a antiga Rua do Sampaio; a Rua Bela é a atual Liberato S. Vieira da Cunha, a do Imperador hoje é a Rua 15 de Novembro e, por último, a do Carumbé é a Rua Ramiro Barcelos. A Praça da Conceição é a Praça Dr. Balthazar de Bem e a de Ponche Verde a Praça José Bonifácio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo