Pular para o conteúdo principal

Necessidades da cidade em maio de 1865

Em 5 de maio de 1865, o cidadão José Joaquim Cidade, fiscal da Câmara, remeteu ao seu Presidente e demais vereadores um relatório em que ficão demonstradas as nessecidades [sic] que mais percizão da attenção de VV.SS.ªs não só para o formoziamento desta cidade, mãs tambem para a facelidade do transito em suas ruas.



O Relatório permite que façamos hoje, quase 150 anos depois, uma análise do modo como a cidade estava organizada em suas rotinas e serviços básicos, permitindo uma comparação com a atualidade, quando muito avançamos em recursos tecnológicos em nossos lares, mas ainda muito temos que igualmente avançar em termos de urbanismo e civilidade.

CM/Série C: Obras e Melhoramentos/Subsérie 1: Relatórios/Caixa 5

Eis algumas das Necessidades da Cidade apontadas no Relatório de José Joaquim Cidade, segundo a ordem por ele estabelecida:

1.ª  Remução do lampião que está no meio da parede do Corpo da Guarda, para a esquina.
2.ª  Compostura na rua de Sto. Antonio abaixo do Herval, que tem grandes buracos.
3.ª  Idem da rua do Herval, cahidas a rua Bella, 7 de 7br.º, e Sto. Antonio.
4.ª  Idem da rua do Imperador, cahidas a Praça de Ponxo Verde.
5.ª  Composturas nos cordões na rua 7 de 7br.º em frente a Fran.co Loreto, e João Vieira
6.ª  He muito conveniente a terrar os quadros da rua 7 de 7br.º esquina do finado Sampaio, Gomes & Menezes, e João José Roiz~, assim como na rua do Herval esquina da praça da Conceição, que em todas estas Esquinas formão lagoas.
7.ª  Estão em estados de serem de molidas as paredes das Cazas de Fran.co José da S.ª Moura na rua de Sto. Antonio, e de Joaqm. Luiz Diniz na rua do Imperador esquina do Carumbé.
8.ª He muito percizo um depozito para por este meio se privar que andem vagando Vacas, Porcos, e Cabras.

O fiscal termina o Relatório dizendo que Eis as necessidades que por mais prejudiciozas as publicas conveniencias, reclamão urgentes providencias para sanal-as. (...) Cidade da Caxr.ª 5 de Maio de 1865.

Transpondo para a realidade da cidade da Cachoeira de maio de 2014, os fiscais de hoje ainda apontariam buracos nas ruas, objetos e ou placas em lugares indevidos, muros ou paredes em ruínas e alagamentos em pontos de diversos logradouros como necessidades da cidade! Já para o seu formoziamento, ou formoseamento na grafia de nossos dias, certamente bem mais do que oito itens do relatório original de 1865 quantos itens precisariam ser apontados?

Nota: o Corpo da Guarda citado, provavelmente ficava na atual Rua Conde de Porto Alegre, cuja denominação anterior era Rua do Corpo da Guarda. As demais ruas referidas eram, respectivamente, a de Santo Antônio a atual Saldanha Marinho; a do Herval era a antiga Rua do Sampaio; a Rua Bela é a atual Liberato S. Vieira da Cunha, a do Imperador hoje é a Rua 15 de Novembro e, por último, a do Carumbé é a Rua Ramiro Barcelos. A Praça da Conceição é a Praça Dr. Balthazar de Bem e a de Ponche Verde a Praça José Bonifácio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co