Pular para o conteúdo principal

190 anos da imigração alemã no Rio Grande do Sul

Depois de muitas tratativas, finalmente em novembro de 1857 chegava a Cachoeira a primeira leva de imigrantes alemães com destino à Colônia Santo Ângelo. Estes pioneiros tiveram muito trabalho pela frente e enfrentaram toda sorte de dificuldades, a começar pela forma inusitada com que foram deixados à margem do rio Jacuí, abandonados à própria sorte, pois o comando do vapor que os trouxera até a margem, aproveitando-se do momento em que desceram da embarcação para conhecer o que lhes aguardava, determinou que desembarcassem suas bagagens, zarpando logo a seguir.

Aos colonos surpreendidos pela "fuga" do vapor restava apenas a coragem de arregaçar as mangas e buscar meios de sobreviver naquele ambiente desconhecido, inóspito e cheio de desafios. A tarefa hercúlea rendeu bons frutos ao trabalho e abnegação daqueles pioneiros e a Colônia Santo Ângelo cresceu, transformando-se depois em municípios como Agudo, Paraíso do Sul, Novo Cabrais, todos com imenso orgulho de suas raízes germânicas, assim como Cachoeira do Sul, sede e berço da colônia.

O primeiro grupo de colonos, vindos da região da Pomerânia, era composto pelas famílias de FRANZ PÖTTER, AUGUST PÖTTER, JULIUS NEUJAHR, DANIEL FIESS, WILHELM HOLZ e PETER FINGER.

Para marcar a data de hoje, 25 de julho de 2014, 190.º aniversário da chegada dos primeiros colonos alemães ao Rio Grande do Sul, fomos buscar registro da inserção dos primeiros que em Cachoeira aportaram, onde criaram laços e constituíram suas próprias famílias. Encontramos, dentre a documentação do fundo Câmara Municipal (1820 - 1889), o encadernado que registra os casamentos acatólicos, ou seja, as uniões realizadas pelos pastores luteranos na Colônia Santo Ângelo e depois devidamente registrados em livro próprio pelo Secretário da Câmara. Há nele, dentre tantos outros, o assento de casamento de uma das filhas de August Pötter, segunda geração de uma das famílias chegadas em novembro de 1857 na Colônia Santo Ângelo.

Abertura do Livro de registro dos casamentos acatólicos
- CM/S/SE/RC-001 - acervo Arquivo Histórico -

Eis o assento:

Registro do extracto da escritura de casamento dos colonos Eduardo Karsburg, e Hulda Caroline Emilie Poetter, como abaixo se declara.
Extracto. - Do livro dos assentos dos casamentos da communidade evangelica existente no logar denominado "Agude" da Colonia de Santo Angelo. Livro III, as folhas 3, N.º 5. No anno do Nascimento de Nosso Senhor Jezus Christo (Mesiah) de mil oito centos setenta  e quinto a os trinta dias do mez de Maio, depois de haverem corrido os devidos pregões sem ter apparecido impedimento algum, se casarão segundo as prescripções e cerimonias do culto evangelico perante mim João Tuesmann pastor evangelico legalmente habelitado da mesma communidade as pessôas seguintes Eduardo Karsburg, solteiro, colono estabelecido na Colonia de Santo Angelo, de vinte e tres annos de idade, natural de Lubow na Pommerania Reino da Prussia no Imperio da Allemanha, filho legitimo de Fredinand Karsburg e de sua mulher Charlotte Focht com Hulda Caroline Emilie Poetter, natural de Sohronpohm na Pomerania Reino da Prussia no Imperio da Allemanha e rezidente actualmente nesta Colonia, de dezasete annos de idade, filha legitima de Augusto Poetter e de sua mulher Carolina Emilie Puettelkow, residente nesta mesma Colonia. Forão testemunhas do acto do casamento: 1 João Gerdau, 2, Eduard Gehrke, 3, Wilhelmine Golz. O que tudo fielmente extrahi do livro dos assentos desta communidade por mim escripturado e ao que me reporto. Comunidade evangelica de Agude na Colonia de Santo Angelo, a os trinta de Maio de mil oito centos setenta e quinto (30 Maio 1875) João Tuemann o pastor Culto Evangelico. João Gerdau, Eduardo Gehrke, Wilhelmina Golz. Estava sellado com os sellos pastoral (...) Secretaria da Camara Municipal da cidade da Cachoeira 8 de Setembro de 1875. O Secretario Fidencio Pereira Fortes.

O assento transcrito demonstra que os colonos tocaram suas vidas e, mesmo longe da terra natal, buscaram meios para sua subsistência, não deixando de cultivar aqui suas tradições e seguir seu rito espiritual.

O Arquivo Histórico celebra e enaltece os 190 da imigração alemã no Rio Grande do Sul e os 157 anos da chegada dos primeiros colonos a Cachoeira, convidando todos para visitarem a exposição comemorativa que o Museu Municipal montou na Sala 4, intitulada 1824 - 2014: 190 Anos da Imigração Alemã no RS.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co