Pular para o conteúdo principal

Enchentes pela nossa história

Há dias o Rio Grande do Sul é assolado por copiosas chuvas e já conta enormes prejuízos, com aumento dos leitos dos rios, inundações de populações ribeirinhas e até de cidades inteiras. Em lugares bem próximos de nossa cidade houve o desabamento de estradas e o comprometimento de pontes. Numa cidade que vive às margens de um grande rio que, por sua vez, é tributário de numerosos afluentes, esta situação não é singular. Antes pelo contrário. Ao longo de nossa história muitos relatos de grandes enchentes são conhecidos, notadamente os que relembram a do ano de 1941, que atingiu boa parte do Estado e teve grandes proporções em Cachoeira.


Manchete do Jornal do Povo - edição de 27/4/1941
- acervo: Arquivo Histórico

Também no final do século XIX, mais precisamente em 1896, Cachoeira viu as águas do rio Jacuí subirem assustadoramente, havendo uma fotografia do complexo da Charqueada do Paredão que mostra o quão alto elas chegaram, pois o paredão que dava nome ao estabelecimento fabril possuía regular altura.


Charqueada do Paredão com as águas do rio Jacuí bem altas
- fototeca do Museu Municipal

No primeiro semestre de 1906 houve também uma grande enchente em nossa região e uma ponte que existia no rio Piquiri foi arrastada pelas chuvas. A Intendência Municipal, diante do embaraço que a queda da ponte deve ter causado para os moradores do lugar, teve que providenciar a sua recuperação o mais rapidamente possível e para isto assinou um contrato com Eloy da Silva Lisbôa exclusivamente para remover e recuperar o madeiramento da ponte.

Eis o que diz o contrato, constante do encadernado IM/GI/AB/C-001, fl. 36:

Contracto que faz Eloy da Silva Lisbôa com a Intendencia Municipal para remover do leito do rio Pequery todo o madeiramento da ponte do mesmo rio que foi levada pelas enchentes, da fórma seguinte:

1.ª
Obriga-se o contractante a fazer a remoção de todo o madeiramento pertencente a ponte do Pequery, arrastada pela enchente, do logar aonde se achar, fóra ou no leito do mesmo rio, para outro local secco, distante das margens do mesmo rio meia quadra mais ou menos.

2.ª
Obriga-se o contractante tambem a desmanchar toda a ponte ou parte desta sem estragar as suas peças para facilitar a dita remoção, responsabilizando-se mais pela conservação e vigilancia de todo o madeiramento da dita ponte.

3.ª
Este serviço deverá ser feito com brevidade, obrigando-se esta Intendencia a pagar ao contractante trezentos mil reis (300$000) logo depois de verificar a execução de todas as clausulas deste contracto.

E para clareza, eu, João Porto da Fontoura, Secretario da fazenda, lavrei o presente contracto que assignam os Srs. Dr. Candido Alves Machado de Freitas, vice-intendente em exercicio e o contractante Eloy da Silva Lisbôa.

Cachoeira, 9 de Maio de 1906
(assinam) Dr. Candido Alves Machado de Freitas
Eloy da Silva Lisbôa

Encadernado IM/GI/AB/C-001 - contrato lavrado à página da direita

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co