Pular para o conteúdo principal

Enchentes pela nossa história

Há dias o Rio Grande do Sul é assolado por copiosas chuvas e já conta enormes prejuízos, com aumento dos leitos dos rios, inundações de populações ribeirinhas e até de cidades inteiras. Em lugares bem próximos de nossa cidade houve o desabamento de estradas e o comprometimento de pontes. Numa cidade que vive às margens de um grande rio que, por sua vez, é tributário de numerosos afluentes, esta situação não é singular. Antes pelo contrário. Ao longo de nossa história muitos relatos de grandes enchentes são conhecidos, notadamente os que relembram a do ano de 1941, que atingiu boa parte do Estado e teve grandes proporções em Cachoeira.


Manchete do Jornal do Povo - edição de 27/4/1941
- acervo: Arquivo Histórico

Também no final do século XIX, mais precisamente em 1896, Cachoeira viu as águas do rio Jacuí subirem assustadoramente, havendo uma fotografia do complexo da Charqueada do Paredão que mostra o quão alto elas chegaram, pois o paredão que dava nome ao estabelecimento fabril possuía regular altura.


Charqueada do Paredão com as águas do rio Jacuí bem altas
- fototeca do Museu Municipal

No primeiro semestre de 1906 houve também uma grande enchente em nossa região e uma ponte que existia no rio Piquiri foi arrastada pelas chuvas. A Intendência Municipal, diante do embaraço que a queda da ponte deve ter causado para os moradores do lugar, teve que providenciar a sua recuperação o mais rapidamente possível e para isto assinou um contrato com Eloy da Silva Lisbôa exclusivamente para remover e recuperar o madeiramento da ponte.

Eis o que diz o contrato, constante do encadernado IM/GI/AB/C-001, fl. 36:

Contracto que faz Eloy da Silva Lisbôa com a Intendencia Municipal para remover do leito do rio Pequery todo o madeiramento da ponte do mesmo rio que foi levada pelas enchentes, da fórma seguinte:

1.ª
Obriga-se o contractante a fazer a remoção de todo o madeiramento pertencente a ponte do Pequery, arrastada pela enchente, do logar aonde se achar, fóra ou no leito do mesmo rio, para outro local secco, distante das margens do mesmo rio meia quadra mais ou menos.

2.ª
Obriga-se o contractante tambem a desmanchar toda a ponte ou parte desta sem estragar as suas peças para facilitar a dita remoção, responsabilizando-se mais pela conservação e vigilancia de todo o madeiramento da dita ponte.

3.ª
Este serviço deverá ser feito com brevidade, obrigando-se esta Intendencia a pagar ao contractante trezentos mil reis (300$000) logo depois de verificar a execução de todas as clausulas deste contracto.

E para clareza, eu, João Porto da Fontoura, Secretario da fazenda, lavrei o presente contracto que assignam os Srs. Dr. Candido Alves Machado de Freitas, vice-intendente em exercicio e o contractante Eloy da Silva Lisbôa.

Cachoeira, 9 de Maio de 1906
(assinam) Dr. Candido Alves Machado de Freitas
Eloy da Silva Lisbôa

Encadernado IM/GI/AB/C-001 - contrato lavrado à página da direita

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da

O açoriano que instalou a Vila Nova de São João da Cachoeira

O que pouca gente sabe é que a autoridade máxima que procedeu à instalação da Vila Nova de São João da Cachoeira era açoriano de nascimento.  Trata-se do Ouvidor Geral, Corregedor e Provedor da Comarca de São Pedro e Santa Catarina Joaquim Bernardino de Senna Ribeiro da Costa, autoridade constituída que veio à Freguesia de Nossa Senhora da Conceição para instalar a Vila Nova de São João da Cachoeira no dia 5 de agosto de 1820. Naquele ato, providenciou na abertura dos livros da Câmara, conduziu a escolha e a posse dos três primeiros vereadores e mandou levantar o pelourinho, símbolo da autonomia político-administrativa, segundo a legislação portuguesa. Abertura do Livro 1.º da Câmara, feita por Joaquim B. de Senna Ribeiro da Costa em 3/8/1820  - CM/OF/TA-008 - foto Cristianno Caetano Deste homem pouca coisa se sabe. Natural dos Açores, tinha sido juiz de fora da Ilha Graciosa, em 1803. Era casado com Inácia Emília de Castro Borges Leal, tendo dois filhos: José e Joaquim José.  No mesmo