Pular para o conteúdo principal

Nosso clima há 100 anos

O Rio Grande do Sul tem vivido um inverno de grandes variações de temperatura, alta taxa de umidade e grande precipitação de chuvas. Fala-se muito no efeito estufa e em fenômenos climáticos que têm relação com as ações descuidadas do homem. 2014 é ano de El Niño, segundo os meteorologistas. Mas, afinal, como nossos antepassados verificavam o clima?

Na Cachoeira de 1914, tempo da Intendência Municipal, anualmente, no mês de setembro, eram lançados relatórios da vida municipal, trabalhos elaborados com muita eficiência pelos funcionários encarregados da Seção de Estatística e Arquivo. Estes relatórios constituem-se hoje em fontes preciosas dos mais diferentes aspectos do Município, abordando desde climatologia até estatística moral, que incluía criminalidade, suicídios e assistência hospitalar, dentre outros.

Com a inconstância do inverno em 2014, buscou-se os dados do clima em Cachoeira no Relatório apresentado ao Dr. Balthazar Patricio de Bem, Intendente do Município de Cachoeira, pelo encarregado da Estatística e Arquivo, Mario Godoy Ilha, em 17 de setembro de 1914 (IM/GI/AB/Re-007, pp. 9 a 13).

Na primeira parte do Relatório, intitulada Estatistica Territorial - Physica, Politica e Administrativa, constam os dados sobre a climatologia, obtidos graças à existência da Estação Meteorológica de Cachoeira, de segunda classe, instalada em 1911 na Praça José Bonifácio.

Estação Meteorológica - fototeca Museu Municipal
O autor do Relatório esclarece: Pelos deficientes dados que existem, impossivel se torna um estudo minucioso do estado climaterico anterior do municipio, e para fazel-o, incompleto, socorremo-nos do relatorio de 1910 desta repartição, onde estão consignadas observações feitas em periodos distanciados um do outro até á fundação da Estação Meteorologica e que de grande proveito tem sido. O resumo das observações registradas desde essa epocha, com gentileza fornecido annualmente, segue-se acompanhado dos quadros relativos a 1913, em confronto. (...)
TEMPERATURA
Em 1913, conforme consta do relatorio anterior, a temperatura dos mezes de inverno apresentou forte contraste com os mesmos de 1912. A minima absoluta de 0,2 registrou-se em 26 de agosto e a maxima de 36,4 em 11 de janeiro. A temperatura média do anno foi de 19,7. (...)
HUMIDADE
A humidade média foi:                           Humidade abs. média              Humidade rel. média
1912                                                                12,0                                             70,5
1913                                                                12,5                                             72,2
(...)
NEBULOSIDADE
(0 a 10)
A maxima em 1912 foi de 6,6 e a minima 1,6, contra as de 7,8 e 1,5 em 1913. (...)
PLUVIOMETRIA
O ultimo relatorio da estatistica assignalava que, como 1911, o anno de 1912 tinha sido abundante em chuvas. E, agora, neste novo trabalho, temos a notar o mesmo quanto a 1913, (...) A maior altura de chuva observada num dia attingiu a 70,6 m/m em 17 de junho, durante 4 horas e tres quartos, e a menor de 14,0 a 15 de janeiro. (...) em 1913 a somma das precipitações foi de 1.249,1 m/m em 97 dias, dando a média de 12,7 por dia, contra a do anno anterior de 1.453,2 em 89 dias e média de 16,3.

Quadro relativo à climatologia com dados de 1913 - IM/GI/AB/Re-007
Prever o tempo e as suas mudanças sempre foi um desafio para o homem. Há 100 anos, então, muito mais, razão pela qual trabalhos como o da Seção de Estatística da Intendência de Cachoeira revestem-se ainda de maior significado, assim como a pequena Estação Meteorológica, de segunda classe, que habitava a velha Praça José Bonifácio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co