Pular para o conteúdo principal

Padres Redentoristas em Cachoeira

A Igreja Santo Antônio é um dos cartões-postais de Cachoeira do Sul, verdadeira joia que brotou do gênio do arquiteto alemão José Lutzenberger.

Projeto do convento e Igreja de Santo Antônio - arquiteto José Lutzenberger
- extraído da publicação Suplemento do Santuário de Aparecida, 1944
Há 70 anos, mais precisamente em fevereiro de 1944, dez anos depois do começo das obras de construção da igreja, tiveram início os trabalhos de conclusão das torres, execução da Companhia Construtora e Organizadora Industrial S.A., que na mesma época estava levantando o prédio que serviria como nova agência do Banco do Brasil, na Rua Sete de Setembro, onde depois funcionou o Clube Independente.

Igreja Santo Antônio com as torres ainda inconclusas,
vista interior do templo e tomada do Colégio Imaculada Conceição
- Suplemento do Santuário de Aparecida, p. 203, 1944
A vinda dos redentoristas para Cachoeira foi um dos marcos da expansão da ordem no Rio Grande do Sul, pois até então eles estavam presentes somente em Pelotas.

Cachoeira, situada no centro do Estado, apresentava posição privilegiada para o estabelecimento de uma igreja e uma casa de missionários, possibilitando ação pastoral em todas as dioceses circunvizinhas. Assim, em novembro de 1921 chegaram os primeiros redentoristas a Cachoeira, vindos de Pelotas: Agostinho Polster e Irmão Melchior. Logo depois chegaram os padres Antão Jorge e Orlando de Morais, ficando todos acomodados em uma pequena moradia junto à Capela de São José, no Alto dos Loretos, até que encontrassem um terreno apropriado para estabelecer o convento, a igreja e uma escola apostólica para vocações. Esta escola chegou a abrigar 25 juvenistas entre 1928 e 1936, ano em que acabou sendo transferida para Pinheiro Machado.

Escola Apostólica, ou antigo convento
- Suplemento do Santuário de Aparecida, 1944
A Igreja Santo Antônio começou a ser construída em 1934, sendo erguida com a ajuda da comunidade. Seu aspecto arquitetônico, em estilo barroco bávaro, mostra apuro estético. Os vitrais, igualmente desenhados por José Lutzenberger, foram doados por várias famílias de tradição católica da cidade.

Hoje, a igreja não pertence mais à congregação redentorista e está sob a orientação dos padres palotinos.

Como se vê, a Igreja Santo Antônio não é apenas um belo cartão-postal de nossa cidade, mas também um legado de empreendedorismo e arte em nome da fé. Sua importância histórica e arquitetônica justificou a inclusão no rol dos bens inventariados do patrimônio histórico-cultural de Cachoeira do Sul em 1989.

Vista aérea geral da Igreja Santo Antônio - foto Robispierre Giuliani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co