Pular para o conteúdo principal

Encarecimento e escassez da água

Bem a propósito do que estamos vivenciando neste começo de 2015, nossos antepassados da Cachoeira de 1920, estavam também experimentando dificuldades com a obtenção do líquido precioso, aquele sem o qual não vivemos e de que nos ressentimos à mínima falta que nos faça.
A edição do jornal O Commercio (1900-1966), de 10 de março de 1920, em sua página 2, traz a respeito disto a seguinte notícia:

- Desde 1.º do corrente os srs. pipeiros, allegando a "carestia da forragem etc.", subiram para 100 réis o preço do barril d'agua, anteriormente vendida á razão de 200 réis por 3 barris, ou seja 67 réis por balde.
A medida da alta, agora generalisada, de 50% sobre o preço anterior, já era, aliás, empregada parcialmente durante o verão actual, em que, quando não vinha o frêguez (sem allusão á dialectica) o consumidor comprava do primeiro pipeiro que aparecesse, e que lhe cobrava 100 réis pelo conteúdo da vasilha, conforme a praxe estabelecida.
Não queremos discutir si, nas circumstancias actuaes, em que tudo encareceu consideravelmente, é ou não razoavel essa alta de 50%. O que queremos frisar é o novo accrescimo que essa subida vem trazer aos orçamentos domesticos, e principalmente aos dos chefes de familias numerosas, que gastam de 40$000 a 50$000 rs. de agua por mez.

A matéria do jornal, além de informar sobre a alta dos preços, fornece informações interessantes sobre a forma pela qual a água chegava aos cachoeirenses de então:

Nesta cidade, pouca gente possue algibes e poços, pois que é carissima a construcção dos primeiros e difficil e problematica a abertura desses ultimos. Depois de fazer uma excavação 70 a 100 palmos, arrisca-se ainda o proprietario a não encontrar agua e, algumas vezes, a encontrar agua impropria para beber. Encontrado o liquido, em grande profundidade, é preciso tiral-o a catavento ou por outro meio mechanico, o que torna ainda mais cara a agua, para quem della precisa em quantidade.
Talvez que esse encarecimento da agua venha trazer-nos o beneficio do apparecimento de outras pipas, por tornar mais lucrativo o negocio e attrahir assim a attenção de outros empreendedores desse negocio, que, bem cuidado, dá margem a bons lucros.
Si assim fôr, não continuaremos a soffrer a escassez d'agua de que tanto se queixa a maioria da população, a qual, si não fôra chuvoso como foi, felizmente, o actual verão, teria passado verdadeiros tormentos por falta do precioso liquido.
Apenas 14 pipas, entre grandes e pequenas, de capacidade de 21 a 42 barris, servem a nossa cidade.
Todas as fontes correram e correm abundantemente, existindo ainda algumas inexploradas, de modo que não é por falta d'agua, e sim por falta de conductores que a população soffre necessidade.
Se no proximo verão não melhorarem as condições de fornecimento, a administração do município precisará vir em socorro do povo, adoptando alguma providencia, até que se torne em realidade o estabelecimento da projectada hydraulica.

A história registra a inauguração da projectada hydraulica no ano seguinte, 1921, quando a cidade finalmente pôde ser abastecida, em parte, pela água encanada. Os pipeiros, entretanto, continuaram ainda por alguns anos a empreenderem o seu negócio que, pouco a pouco, desapareceu. Em 1925, com a instalação da segunda hidráulica, um contingente maior de cachoeirenses viu a água chegar a suas casas.

Inauguração da 1.ª Hidráulica - proximidades do Hospital de Caridade
- dia 20 de setembro de 1921 -
Fonte: Grande Álbum de Cachoeira (1922), de Benjamin Camozato

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da