Pular para o conteúdo principal

Iluminação pública

Nestes tempos de dificuldade com os recursos naturais, outrora tidos como inesgotáveis no Brasil, as pessoas de bom senso têm pensado muito a respeito da adoção definitiva do uso sustentável da água e da energia.
Quando recorremos a registros históricos, nos apercebemos do quanto evoluímos em tecnologia para obtenção e distribuição dos recursos. Tal evolução, logicamente, implicou também em disseminação do acesso, crescimento da demanda e esgotamento dos recursos.
Mas como era feita, por exemplo, a iluminação pública de Cachoeira no final do século XIX, quando Thomas Edison já havia inventado a lâmpada elétrica?
Um telegrama de 24 de janeiro de 1881, dois anos após a divulgação da invenção (1879), mostra que as nossas ruas ainda estavam iluminadas a lampiões e que o combustível empregado pelo acendedor era a querosene, devendo em breve ser substituído pela gasolina. Ao final, refere que Quanto ao augmento de lampeões oportunamente se resolverá.

Telegrama - CM/DA/Telegramas/Caixa 3

A eletricidade só teve suas primeiras experiências em Cachoeira a partir de 1901, mas esparsas. Em 1910 a Intendência assinou contrato com a firma Lima & Martins para a instalação elétrica na cidade. Problemas na remessa dos equipamentos e materiais, que vinham da Europa, atrasaram o serviço. Em 1911, a iluminação a querosene ainda era paga pela Intendência e a profissão de acendedor de lampiões ainda estava garantida. O ano seguinte, que seria de avanços no serviço, a energia elétrica passou a ser distribuída muito precariamente pelo Grande Engenho Central, de Aydos, Neves & Cia., localizado à margem do rio Jacuí, e em outubro daquele ano a Usina Elétrica foi finalmente instalada, na esquina da Rua Moron com a atual Dr. Milan Kras.
Entre 1918 e 1919, ou seja, quarenta anos depois da invenção da lâmpada, o serviço prestado pela Usina melhorou, chegando a sua força a 500 cavalos, com fornecimento de energia elétrica, durante o dia, aos estabelecimentos industriais!

Comentários

  1. Quero mais ! Muito bom ! Dificilmente hoje pensamos em viver sem luz elétrica e também não pensamos no que a falta desta devia causar na vida das pessoas.

    ResponderExcluir
  2. Verdade, Suzana! Documentos do passado não são só papéis velhos, são retratos de tempos idos que nos permitem mil reflexões!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co