Pular para o conteúdo principal

Proibição do Entrudo

Os festejos carnavalescos terminaram, as pessoas voltaram aos seus afazeres diários, os estudantes já retornaram às aulas, mas ainda é oportuno e interessante fazer menção histórica ao entrudo*, isto é, ao Carnaval.
Em 8 de fevereiro de 1833, o presidente e vereadores, em sessão extraordinária da Câmara Municipal da então Vila Nova de São João da Cachoeira, analisaram e aprovaram alguns artigos que foram adicionados às Posturas Municipais. Esses artigos, num total de quatro, foram tornados públicos através de um edital.
Os artigos estão relacionados à proibição do Carnaval e trazem suas penalidades no caso de desobediência. Dizem assim, com grifo e paragrafação acrescentados:

Artigo 1º. Fica prohibido o brinquedo do entrudo, os contraventores serao multados pela primeira vez, em mil reis, sendo liberto, ou quatro dias de Cadeia, e os Escravos, terão amesma pena pecuniaria, ou cincoenta assoites, a escolha de seu Senhor.
Artº. 2º. No caso de reencedencia, serão multados os contraventores, em penas dobradas, e as mais que se se seguirem, serão consideradas sempre em dupla da ultima pena que se lhe tenha imposto.
Artº 3º. Os limoens chamados de cheiro, que forem encontrados a vender-se; pelas ruas serão inutilizadas, assim como, os que estiverem avendagem nas Tabernas, ou em outro qual quer lugar, eno cazo de reencedencia, alem de serem inutillizados os contraventores serão sugeitos as penas do artigo segundo.
Artigo 4º. O Fiscal, nos ultimos tres dias de Entrudo, fará requesetar, ao Juis de Páz, as Patrulhas neceçarias, para prohibir tutalmente, iste devertimento.

CM/OF/Editais/Caixa 6

O edital está selado com o selo das armas nacionais e nele consta a assinatura do presidente Joze Pereira da Silva e do secretário Antônio Duarte Roiz Pernambuco.

*Provém do latim "introitus", que significa entrada, acesso. Refere-se à entrada na Quaresma, no dia a seguir ao do Entrudo, isto é, na Quarta-Feira de Cinzas. Também é denominada uma antiga brincadeira carnavalesca, trazida pelos portugueses, no século XVI.
Para saber mais acesse: 
http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&view=article&id=262:entrudo&catid=40:letra-e&Itemid=184

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da