Pular para o conteúdo principal

8 de Maio de 1945 - Derrotado o Nazismo

Há 70 anos o mundo respirou aliviado, comemorando o final da II Grande Guerra Mundial. Cachoeira do Sul, a exemplo de cidades ao redor do mundo, festejou a notícia do término da guerra, celebrando o Dia da Vitória.

O jornal O Comércio, edição de 9 de maio de 1945, relata a forma como a cidade comemorou a notícia e informa aos cachoeirenses os acontecimentos que legitimaram o fim do conflito, cujas consequências espalharam-se, de alguma forma, sobre todos.

A matéria jornalística, que traz o retrato de Getúlio Vargas encimando uma frase de enaltecimento aos valentes filhos da F.E.B. (Força Expedicionária Brasileira), traz a seguinte notícia:

O Comércio, 9/5/1945, p. 1 - acervo de imprensa do Arquivo Histórico

Derrotado o Nazismo
A Alemanha aceitou os termos de Paz impostos pelas Nações Unidas
- Comemorado festivamente o DIA DA VITÓRIA -

Desde segunda-feira que as populações de quasi toda a Europa, Américas, Africa, Oceania e de quasi toda a Asia, se encontram possuidas das mais vibrantes demonstrações de alegria, por motivo da completa derrota das forças nazi-facistas na Europa.
Apesar da rendição se ter verificada no dia 7 do corrente, na séde do Q. G. de Eisenhower em Reims, foi esta data alterada para ontem por comum acôrdo dos "três grandes lideres".
A rendição que põe o ponto final nesta segunda grande guerra, depois de 5 anos e 8 mêses de derramamento de sangue e destruições, foi assinada da parte da Alemanha, pelo cel. gal. Gustav Jodl, o novo chefe do estado-maior da Wehrmacht. Da parte do Supremo Comando aliado foi assinada pelo tenente gal. Walter Badel Smith, chefe do estado-maior de Eisenhower. Da parte da Russia foi assinada pelo gal. Ivan Susloparoff e da parte da França pelo gal. François Sevez.
(...)
Embora o povo de todos os paises  não conheça até o momento pormenores da capitulação, uma cousa é certo: a guerra na Europa terminou oficialmente, a resistencia organizada chegou ao fim e os alemães foram definitivamente derrotados.
Um porta-voz do Ministério das Informações, quatro horas depois que Edward Kennedy transmitiu ao mundo  seu despacho urgentissimo, tornou suficientemente claro que a guerra, de fato terminou na Europa, e que o dia de ontem foi considerado "Dia da Vitória".

Assim O Comércio refere o acontecimento em Cachoeira do Sul:

O Comicio de 2.a feira
A população local vibrante de entusiasmo, pelas noticias da Rendição Incondicional da Alemanha, circuladas desde as primeiras horas, regorgitava pelas ruas, cheia de alegria, pela alviçareira nova do término das hostilidades na Europa.
Este entusiasmo regorgitou ainda mais, quando a imprensa local, resolveu promover um comicio para desta maneira iniciar as festividades do "Dia da Vitória" O comicio de segunda-feira, que teve a cooperação do serviço de alto-falantes da Voz Sonora da Princeza do Jacui, que gratuita e espontaneamente tem colaborado em todas as iniciativas, desde a sua fundação, na difusão da palavra dos oradores, que tem emprestado seu verbo para melhor orientação da população cachoeirense, realizou-se da sacada da residencia da exma. sra. d. Inácia Amélia Oliveira, apinhando-se à frente desta casa uma grande multidão de povo, sequiósa de ouvir os oradores inscritos.
Assomando à tribuna, falaram o advogado Aristides Moreira, o dr. Oscar José da Costa Cabral, e o dr. Liberato S. V. da Cunha, que discorreram com eloquência sobre o grande significado da Rendição Incondicional pois não poderia ser outra a decisão do nazismo, uma vez que os exércitos Russos, Inglezes, Americanos e Brasileiros, o vinham combatendo. Quando um dos oradores se referiu a Força Espedicionária Brasileira, a população prorrompeu em aplausos e vivas aos guapos soldados que levaram a sua cooperação para a vitória.
Todos os oradores foram delirantemente aplaudidos.
(...)

Para que não aconteça de novo
(...)
2074 dias de destruição e morte por todos os cinco continentes foi a nefanda herança que Hitler legou à humanidade. Tezouros incalculaveis da arte foram destruidos. Milhões de vidas foram sacrificadas por causa de um só homem, que, com as suas ideias de megalomaniaco invenenou um povo inteiro. Cidades inteiras foram reduzidas a montões de ruinas. Milhares de navios que podiam ser exclusivamente postos a navegar para trazer a felicidade e fartura à todos os povos do mundo hoje jazem destroçados e cobertos de limo e ferrugem no fundo do mar. É humanamente impossivel que homens tão nefandos como esse não sofram um castigo exemplar, para que no futuro, a humanidade não venha novamente ser assaltada por semelhante calamidade.
(...)
Todavia, apesar de todos os males a humanidade, a Democracia, ou a liberdade, como queiram, venceu.
(...) 
Entretanto, esperamos confiantes, que o novo mundo em organização, seja feito de tal maneira que, não seja preciso daqui há 20 anos fazer novos sacrificios.

O Jornal do Povo, cuja edição posterior ao Dia da Vitória só circulou, curiosamente, em 24 de maio, estampou na primeira página do dia 6 de maio:

Jornal do Povo, 6/5/1945, p. 1 - acervo de imprensa do Arquivo Histórico

ACENTUAM-SE AS DIVERGÊNCIAS 
ENTRE AS DEMOCRACIAS E A RÚSSIA
- Inglaterra e Estados Unidos Exigem Notícias Dos Líderes Poloneses -

O Presidente Getúlio Vargas Felicita a F.E.B.

Servindo-se de seu rico acervo de imprensa, o Arquivo Histórico divulga uma página importantíssima da história da humanidade, revelando que os fatos, apesar de terem ocorrido a milhas de distância, estenderam seus tentáculos sobre nós. Os nefastos efeitos do evento e a decretação de seu fim justificaram o tom das comemorações na Cachoeira do Sul de 1945.

(MR)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co