Pular para o conteúdo principal

Praça do Pelourinho - embrião do coração da cidade

A Praça do Pelourinho, atual José Bonifácio, foi a primeira a ser demarcada no recinto da então Vila Nova de São João da Cachoeira, no ano de 1830. Uma vez definida a extensão da praça, a Câmara começou a conceder terrenos em seu entorno, o que pouco a pouco acabou por povoar as imediações daquele espaço.

Um requerimento do cidadão Jozé Domingues Severo, remetido à Presidência da Província em 29 de maio de 1849, que solicitava terreno na Rua do Loreto, atual Sete de Setembro, permite a reconstituição de como era o processo deflagrado pela Câmara para atendimento do pedido e também levanta uma planta da então Praça do Pelourinho, revelando a conformação física de espaço que se tornou o coração da cidade.

CM/OF/Requerimentos/Caixa 8
O teor do requerimento era o seguinte:
Diz Jozé Domingues Severo, morador na Villa da Caxoeira, que achando=se devoluto na mma. Villa na Rua do Loreto hum terreno de setenta Palmos de frente ao Este, fundos meia quadra, devedindo=se pello Norte com terrenos e cazas de Augusto Koch, epello Sul com os que forão concedidos a Miguel Teix.ª de Carv.º e como o Suppe. oquer possuir com ligitimo Titulo para nelle edeficar huma morada de cazas p.ª sua rezidencia, por isso
P. a V.Ex.ª seja servido conceder-lhe o terreno ascima mencionado.
E. R. M.ce
Caxoeira 29 de Maio de 1849.
(assinatura de Joze Domingues Severo)

O primeiro despacho ao requerimento foi dado em 9 de junho de 1849, determinando aferição do terreno referindo-o á esquina mais proxima, e declarando que ruas a formão. Palacio do Governo em Porto Ale. 9 de Junho de 1849. Em 2 de julho de 1849, o mesmo Palácio ordenou que a Câmara de Cachoeira fosse informada do pedido. Em 19 de setembro do mesmo ano, o Presidente da Província mandou informar novamente a Câmara de Cachoeira ajuntando a planta do terreno com as ruas que cercão a quadra em que elle existe, a qual planta será dada pelo sup.e e igualmente qual o valor do terreno, e se nenhum inconveniente se segue de o conceder. Pal.º do Gov.º em P. Ale. 19 de 7br.º de 1849. -

O pedido do morador foi discutido em sessão extraordinária da Câmara de Cachoeira no dia 26 de julho de 1849 e novamente em sessão de 10 de setembro do mesmo ano.

Em outro despacho, emitido um ano depois do requerimento de Jozé Domingues Severo, o Palácio do Governo em Porto Alegre dizia o seguinte: Estão prohibidas até nova ordem do Governo Imperial, as concessões de prazos urbanos. 

Provavelmente em função da proibição imposta pelo governo da Província, a questão do terreno só foi retomada em 26 de junho de 1858! Mas dois anos antes, em 26 de março de 1856, o arruador da Câmara de Cachoeira, Iziquiel da Cunha, assinou a planta do terreno n.º 90, com setenta palmos de frente ao Leste, que he o que consta o requerimento de Jozé Domingues Severo, cuja quadra em que se acha dito terreno, acima se discreve. 


Planta do terreno solicitado, defronte à Praça do Pelourinho
- CM/OF/Requerimentos/Caixa 8
Em novo requerimento, Jozé Domingues Severo disse:

...que achando se devoluto hum terreno sito nesta V.ª da Cachoeira na rua do Loreto, o qual está demonstrado na planta junta sobre o n.º 90; e estando o Suppe. de posse de dito terreno, e querendo possuillo com titulo legitimo, requereu ao Governo da Provincia, a concessão delle, para oque foi ouvida a respectiva Camara Municipal, que enformou estar devolluto, em secção de 10 de Septembro de 1849, como se vê dos documentos juntos, e tendo sido indeferida a pertenção do Suppe. com os fundamentos deque o Governo Imperial mandou sobre estar taes coureçoens the nova rezolução; e como já tem decorrido alguns annos, e o Suppe. tem estado privado de idificar em supradito terreno como pertende, vem rogar a V. Ex.ª haja de o conseder e mandar passar o competente titulo, pelo qual o Suppe. ficará obrigado aos onus que judiciozamente lhe for imposto pello que 
R. M.ce
V.ª da Cachoeira 20 de Julho de 1858
(assinatura de Joze Domingues Severo)

Os despachos e orientações, naquela época, eram apostos nas margens do documento original. Assim, neste segundo requerimento do morador, emitido nove anos depois do primeiro, consta na margem superior: Ao Sr. Inspector da Thesouraria em Porto Alegre 26 de Junho de 1858. S.ª Ferraz. Remettido á Camara Municipal da Villa da Caxoeira para proceder nos termos do Aviso expedido pela (segue no verso) Repartição Geral das Terras Publicas, do qual se lhe deo conhecimento em Circular de 17 de 7br.º ultimo. Palacio da Presidencia em Porto Alegre 13 de Outubro de 1858. Na margem esquerda, anverso: Haja vista o Sr. Dr. Proc.ºr Fiscal - Thesouraria de S. Pedro 27 de Julho 1858. E ainda, abaixo: A Lei de 12 de Outubro de 1833 no art.º 3.º permitte o aforamento perpetuo de chãos encravados, ou adjacentes às Povoações, que sirvão para edificação, e neste caso está o de que se trata. Porto Alegre 10 de Agosto de 1858. 


CM/OF/Requerimentos/Caixa 8
Deduz-se que pelo teor do último despacho, acima transcrito, o cidadão Jozé Domingues Severo recebeu a licença para construção. Mas o que realmente importa hoje não é a burocracia que, guardadas as diferenças temporais, segue muito semelhante, e sim a percepção dos primeiros movimentos para povoamento daquele espaço que se tornou o coração da cidade hodierna.

(MR)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co