Pular para o conteúdo principal

Um documento farroupilha

Setembro é mês de relembrar a história da Revolução Farroupilha, confronto ocorrido há 180 anos e que convulsionou o Rio Grande do Sul durante dez anos.

Cachoeira foi um dos 14 municípios farroupilhas e como tal vivenciou momentos de grande tensão e de indecisão, pois por vezes abraçou a causa dos revolucionários por outras manteve postura conservadora.

Desse período  memorável há farta documentação preservada no acervo do Arquivo Histórico, na qual estão incluídos os livros que registravam os termos e autos de juramentos e posses dos vereadores, que então eram os dirigentes da Vila Nova de São João da Cachoeira. Pois estes livros apresentam uma lacuna no período referente aos anos de 1836 a 1840 em razão da ordem do Major de Brigada Jozé Victor de Oliveira Pinto de que fossem arrancadas as folhas que continham negócios "com o Governo rebelde".

As páginas arrancadas roubaram detalhes da história, mas existem muitos documentos avulsos que contam episódios interessantes da época ou simplesmente retratam rotinas administrativas, como um ofício do vereador Antonio Joaquim Barboza, empossado em 27 de junho de 1835, poucos meses antes de estourar a revolução. Em 11 de janeiro de 1836, alegando problemas de saúde, Barboza cumpriu um ritual exigido aos faltosos às sessões ordinárias: apresentar atestado médico para justificar-se.

Carta do vereador encaminhando atestado médico
11/1/1836 - CM/S/SE/CR/Cx. 16
Ill.mos Senr.s

Tendo partecipado a essa Camara no dia 7 do corr.e q' m.e achava imcomodado, eque p.r isso não podia comparecér nas prez.es Secçoens Ordinr.ªs; dignarão=se VS.ªs não acreditarem mª partecipação, etive hum avizo verbal dado p.lo porteiro dessa Camara, q' m.e ordenava juntasse Sertidão de mollestia, o que cumpro; e VS.ªs Se dignarão rezolver como for de Justiça. Deus Guarde aVS.ªs. Cachoeira 11 de Janr.º de 1836.

Ill.mos Senr.s Priz.e, e mais Vereadores
da Camara Municipal desta V.ª


Antonio Joaq.m Barboza


E apresentou junto o atestado emitido pelo cirurgião Joze Francisco Alves Malveiro, rico em detalhes:

Atestado do cirurgião Joze Francisco Alves Malveiro
11/1/1836 - CM/S/SE/CR/Cx. 16
Joze Francisco Alves Malv.r
cirurgião aprovado em cirurgia
anathomia e operações

Atesto que Antonio Joaquim Barboza continua apadeçer de retenções de urinas pelo tropeço, ao encalhe que tem no canal da ureta; e como molestia cronica, he incapaz de ezercicios ativos, tanto corporaes, como mentaes oq.e deve evitar ropas apertadas sol forte e toda a claçe de estimolos, q.e tudo lhe he nocivo, p.r aumentar reptições de suas emfermid.es; alem de nóvament.e achar-se con os dedos do pé contusos p.r violencia externa q.e sofreu e o inpocebelita de calçado apertado; e p.r todas estas rezões não pode ezerçer Actos publicos: O referido he verd.e q.e juro aos S.tos evangellios Caxoeira 7 de Janr.º de 1836.

Joze Fran.co Alves Malveiro

Os documentos acima, com quase 180 anos, remetem a um período histórico ímpar, ilustrando um fato que está longe de ser singular, uma vez que a prática da justificativa com atestado médico é corrente até hoje. O valor destes documentos está também no fato de que eles demonstram o quão importante é ter uma instituição cultural como o Arquivo Histórico, capaz de guardar e difundir detalhes de uma época tão longínqua, trazendo à luz personagens que não protagonizaram grandes feitos, mas que viveram e enfrentaram situações típicas da condição humana. Em qualquer tempo!

(MR)

Comentários

  1. É por essas que aguardamos com ansiedade o final de semana, sabemos que virão novidades históricas, e o final quando colocas que apesar de não ter protagonizado grandes feitos, fica o registro das mazelas comuns a todo ser humano em qualquer época, muito bom, obrigado.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co