Pular para o conteúdo principal

Um documento farroupilha

Setembro é mês de relembrar a história da Revolução Farroupilha, confronto ocorrido há 180 anos e que convulsionou o Rio Grande do Sul durante dez anos.

Cachoeira foi um dos 14 municípios farroupilhas e como tal vivenciou momentos de grande tensão e de indecisão, pois por vezes abraçou a causa dos revolucionários por outras manteve postura conservadora.

Desse período  memorável há farta documentação preservada no acervo do Arquivo Histórico, na qual estão incluídos os livros que registravam os termos e autos de juramentos e posses dos vereadores, que então eram os dirigentes da Vila Nova de São João da Cachoeira. Pois estes livros apresentam uma lacuna no período referente aos anos de 1836 a 1840 em razão da ordem do Major de Brigada Jozé Victor de Oliveira Pinto de que fossem arrancadas as folhas que continham negócios "com o Governo rebelde".

As páginas arrancadas roubaram detalhes da história, mas existem muitos documentos avulsos que contam episódios interessantes da época ou simplesmente retratam rotinas administrativas, como um ofício do vereador Antonio Joaquim Barboza, empossado em 27 de junho de 1835, poucos meses antes de estourar a revolução. Em 11 de janeiro de 1836, alegando problemas de saúde, Barboza cumpriu um ritual exigido aos faltosos às sessões ordinárias: apresentar atestado médico para justificar-se.

Carta do vereador encaminhando atestado médico
11/1/1836 - CM/S/SE/CR/Cx. 16
Ill.mos Senr.s

Tendo partecipado a essa Camara no dia 7 do corr.e q' m.e achava imcomodado, eque p.r isso não podia comparecér nas prez.es Secçoens Ordinr.ªs; dignarão=se VS.ªs não acreditarem mª partecipação, etive hum avizo verbal dado p.lo porteiro dessa Camara, q' m.e ordenava juntasse Sertidão de mollestia, o que cumpro; e VS.ªs Se dignarão rezolver como for de Justiça. Deus Guarde aVS.ªs. Cachoeira 11 de Janr.º de 1836.

Ill.mos Senr.s Priz.e, e mais Vereadores
da Camara Municipal desta V.ª


Antonio Joaq.m Barboza


E apresentou junto o atestado emitido pelo cirurgião Joze Francisco Alves Malveiro, rico em detalhes:

Atestado do cirurgião Joze Francisco Alves Malveiro
11/1/1836 - CM/S/SE/CR/Cx. 16
Joze Francisco Alves Malv.r
cirurgião aprovado em cirurgia
anathomia e operações

Atesto que Antonio Joaquim Barboza continua apadeçer de retenções de urinas pelo tropeço, ao encalhe que tem no canal da ureta; e como molestia cronica, he incapaz de ezercicios ativos, tanto corporaes, como mentaes oq.e deve evitar ropas apertadas sol forte e toda a claçe de estimolos, q.e tudo lhe he nocivo, p.r aumentar reptições de suas emfermid.es; alem de nóvament.e achar-se con os dedos do pé contusos p.r violencia externa q.e sofreu e o inpocebelita de calçado apertado; e p.r todas estas rezões não pode ezerçer Actos publicos: O referido he verd.e q.e juro aos S.tos evangellios Caxoeira 7 de Janr.º de 1836.

Joze Fran.co Alves Malveiro

Os documentos acima, com quase 180 anos, remetem a um período histórico ímpar, ilustrando um fato que está longe de ser singular, uma vez que a prática da justificativa com atestado médico é corrente até hoje. O valor destes documentos está também no fato de que eles demonstram o quão importante é ter uma instituição cultural como o Arquivo Histórico, capaz de guardar e difundir detalhes de uma época tão longínqua, trazendo à luz personagens que não protagonizaram grandes feitos, mas que viveram e enfrentaram situações típicas da condição humana. Em qualquer tempo!

(MR)

Comentários

  1. É por essas que aguardamos com ansiedade o final de semana, sabemos que virão novidades históricas, e o final quando colocas que apesar de não ter protagonizado grandes feitos, fica o registro das mazelas comuns a todo ser humano em qualquer época, muito bom, obrigado.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da