Pular para o conteúdo principal

Jornal O Correio Rumo a Uma Nova Era

O Arquivo Histórico é o depositário das coleções dos jornais cachoeirenses e fonte de consulta das notícias veiculadas na nossa imprensa desde 1900, ano em que teve início a publicação do semanário O Commercio, órgão que registrou o cotidiano local durante 66 anos. Oferece também alguns exemplares do jornal Rio Grande, menos conhecido por ter circulado por período mais curto, entre 1904 e 1915, e do Jornal do Povo, fundado em 1929, diário que já atinge 86 anos de circulação ininterrupta.
O mais jovem dos jornais que estão depositados no Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico, o O Correio, com circulação desde 1992, é o primeiro a mudar o formato, abandonando a mídia impressa para circular somente em ambiente virtual. É uma nova era que se impõe à imprensa e que já tinha sido adotada pelos dois jornais diários da cidade, o Jornal do Povo e o próprio O Correio, concomitantemente à publicação em meio físico. 
Ainda que o universo da WEB seja cada vez mais habitado, é de se lamentar a não impressão de um jornal que ensejava consultas e pesquisas entre os frequentadores do Arquivo Histórico, embora a capacidade de acompanhar o dia a dia da cidade não se esgote pelo caráter de instantaneidade que o meio digital permite e pela facilidade de acesso, já que os leitores podem buscar os conteúdos de onde estiverem apenas com um clique no link www.ocorreio.com.br

Um pouco da história de O Correio

O primeiro exemplar, a chamada edição de número zero do então Correio Popular, de 22 de março de 1992, dizia que teria linha editorial independente, sem submissões de qualquer espécie e nem concessões a fatores estranhos à melhor qualidade do jornalismo. O fato social, político, econômico será analisado segundo os rigorosos limites de isenção a plano ético, apanágio do bom jornalismo. (...) Lutaremos pelos desígnios de progresso da comunidade cachoeirense, incentivando todas as iniciativas, partam de onde partirem, no sentido do engrandecimento desta terra. Este será nosso rumo agora e no futuro. É a nossa promessa. À época da fundação era o diretor geral o Dr. Pedro Germano.



Edição número zero do jornal Correio Popular - 22/3/1992
- Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico
Em novembro de 1997 o jornal trocou de nome, passando a se chamar O Correio. Por esta época também começava a investir em mais cores na impressão.

Primeira edição com o novo nome: O Correio - 15-16/11/1997
- Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico
E, finalmente, na última edição do mês de novembro de 2015, O Correio anunciou aos assinantes e leitores que passaria a investir em Inovação, notícia em tempo real e com acesso gratuito. Esse é o novo perfil do jornal O CORREIO a partir de agora, que passa da versão impressa para ONLINE (www.ocorreio.com.br), com as notícias ao alcance da mão, a qualquer tempo, em qualquer lugar. Sejam bem-vindos a esse novo jeito de ler jornal! 
Viramos a página, diz a manchete da última edição impressa, pondo fim a uma sequência de 23 anos de circulação.


Última edição impressa de O Correio - 28-29/11/2015
- Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico
O Correio e seus exemplares já históricos
- Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico

As máquinas de impressão de O Correio cessaram sua azáfama diária, mas o ambiente virtual seguirá abastecendo a comunidade das informações que registram o cotidiano, das indagações que permeiam o mundo e dos desafios que a comunicação em seus mais diversos meios e formatos enfrenta numa sociedade que, mais do que tudo, quer acompanhar instantaneamente a evolução do seu meio e do mundo que a cerca.
Ao Arquivo Histórico, na condição de guardião da memória jornalística de Cachoeira do Sul, caberá seguir oferecendo aos seus usuários e pesquisadores a oportunidade de "virarem as páginas" do jornal O Correio. Literalmente!

MR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da