Pular para o conteúdo principal

O AH recebe importante doação: último número do jornal O Comércio

Mensagem de encerramento de circulação de O Comércio
- 23 de fevereiro de 1966 -
 O Arquivo Histórico do Município de Cachoeira do Sul recebeu, no dia 23 de fevereiro de 2016, passados exatos cinquenta anos, uma importante doação ao seu acervo de imprensa: o último número do jornal O Comércio (1900 - 1966) que circulou em 23 de fevereiro de 1966.

Único exemplar conhecido da última edição de O Comércio
-
 23 de fevereiro de 1966
A doação do exemplar da edição derradeira do jornal foi feita por Sérgio Moacir da Silva Pacheco, funcionário das oficinas da Tipografia do Comércio, empresa editora do periódico. Ciente de que aquela edição encerraria a existência do Comercinho, Sérgio teve a iniciativa de resguardar um exemplar. E o fez por cinquenta anos, gesto que se constitui em exemplo de preservação de parte importante da rica memória de imprensa de Cachoeira do Sul. Por longos anos, o doador tentou localizar outro exemplar, sem sucesso, o que faz do que foi entregue ao Arquivo Histórico uma página, ou melhor, quatro páginas preciosas de um órgão que durante 66 anos registrou, relatou e difundiu o cotidiano da cidade. 

Páginas 2 e 3 da derradeira edição
O tipógrafo Henrique Möller Filho, que se estabeleceu em Cachoeira em 1897 com uma pequena tipografia na Rua 15 de Novembro, fez circular o primeiro número d'O Commercio no dia 1.º de janeiro de 1900.

Oficinas da Tipografia d'O Commercio, vendo-se o fundador sentado à mesa
- Fototeca do Museu Municipal
O jornal, que circulava somente nas quartas-feiras, tinha edição inicial bilíngue (português/alemão), sobreviveu a duas guerras mundiais, passou pelo convulsionado cenário político gaúcho dos anos 1920 e chegou aos revolucionários anos 1960, encerrando sua trajetória de órgão comercial, noticioso e literário no início de 1966, sob a direção de Carlos Möller e Edgar Pohlmann, sucessores do fundador Henrique e seus irmãos Guilherme e João Antônio Möller.

A cerimônia de entrega do exemplar ao Arquivo Histórico foi prestigiada por representantes das famílias Möller e Pohlmann, integrantes das equipes do Museu Municipal, Biblioteca Pública, pela Diretora do Núcleo Municipal da Cultura, Cláudia Frey Scarparo, pelo presidente do Conselho Municipal de Política Cultural - CMPC, Vorni Prestes, e também por Jorge Almiro Ferreira Flores, último responsável pela distribuição do jornal aos assinantes, o que incluía despacho pela Viação Férrea para leitores em outros municípios e na Alemanha.


Sérgio Moacir da Silva Pacheco em flagrante de seu discurso
A abertura e acolhida aos presentes e ao gesto do doador foi feita pelo Chefe de Departamento  do Arquivo Histórico, Eliseu Machado, que ressaltou a importância da doação para a preservação da memória histórica de Cachoeira do Sul e o reconhecimento do papel do Arquivo Histórico como depositário das coleções dos jornais cachoeirenses.  A seguir o doador Sérgio Moacir da Silva Pacheco fez a exposição dos motivos que o levaram a preservar e doar o último número d'O Comércio ao Arquivo Histórico. 

Eliseu Machado, chefe do Arquivo Histórico
ladeado pelo doador Sérgio Pacheco
Sérgio Moacir da Silva Pacheco em sua alocução
Jorge Almiro Ferreira Flores, João Carlos Möller e Sérgio Moacir Pacheco
com o último exemplar do jornal doado ao Arquivo Histórico
Na mesma ocasião, Sérgio Pacheco doou ao Arquivo Histórico o volume I da obra O Rio Grande do Sul, editada na década de 1920, que versa sobre os municípios gaúchos de então, cujo volume II já integra o acervo bibliográfico da instituição.

Que a atitude de Sérgio Moacir da Silva Pacheco sirva de exemplo e desperte nos cachoeirenses a consciência de que instituições de memória, como o Arquivo Histórico e o Museu Municipal, podem e devem ser o destino de documentos, imagens e obras de valor histórico-cultural, contribuindo para que esta senhora que se chama História possa ser comprovada e difundida indistintamente. O passado agradece, o presente usufrui e o futuro ganha referências.


Parte dos que testemunharam a entrega do exemplar ao Arquivo Histórico
(MR)

Comentários

  1. Que espetáculo, eu que tenho sido tão agraciado pelas inúmeras vezes em que a prima Mirian Ritzel gentilmente quando encontra em suas pesquisas alguma citação justo no dito jornal sobre algum ancestral,automaticamente me repassa Fico feliz com essa doação e exemplo.Parabéns pela iniciativa.

    ResponderExcluir
  2. Que maravilha ! Parabéns a estas pessoas que demonstraram um enorme respeito a sociedade cachoeirense. Com estas relíquias devemos trabalhar em busca de recursos para que o Arquivo Histórico possa colocar a disposição de forma segura para as próximas gerações.Parabéns a todos !

    ResponderExcluir
  3. Estamos todos de parabéns: o Arquivo, por ser capaz de resguardar nossa memória documental, a comunidade, por poder usufruir desses documentos para situar-se na história e a memória local que se preserva em gestos como o do Sr. Sérgio Pacheco.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da