segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016 | By: Arquivo Histórico de Cachoeira do Sul

Venda de ovos de gafanhotos!

Sub-intendencia do 6.º Districto* da Cachoeira, 4 de outubro de 1906.

Illmo. Snr. Dr. Candido Alves Machado de Freitas
M. D. Vice-intendente em exercicio.

Attendendo a numerosas reclamações d'esta colonia no sentido de auxiliar-se, na extinção da praga de gafanhotos que de maneira descumunal assoalhouçe n'este districto deitando sobre o solo uma quantidade espantosa de óvos; lembro a V.S. que alem de outros meios ja cunhecidos deve-se effetuar a compra dos ditos óvos, não, ao preço de mil reis o Kilo, como consta estar pagando outros municipios, porem que se pague a cem ou dusentos reis, ésta medida é uma das de mais proveito pelo motivo dos colonos não perderem o tempo, e sim empregarem na colheta de óvos o serviço das crianças que com a maior facilidade colhem grande quantidade durante o dia, trasendo para colonia um proveito adimirável, antes de gerar-se o novo gafanhoto.
Esta semanna o Snr. Augusto Scheffel, negociante nesta Colonia, anunciou a compra, óvos de gafanhoto, e como de facto comprou e pagou a quantidade de cento e dois k.ºs fasendo logo apos atto, em vista da grande freguesia que lhe accudia carregada de óvos, por não ter elle consultado ao governo do municipio previamente, rezolveu sustar seu procedimento, no entre-tanto deixa patente a medida acertadissima de compra de óvos, ficando incinerado em sera cusa cerca de quatrocentos milhões de gafanhotos!!!
A ésta repartição tambem tem sido apresentada latas de querosene cheias de óvos.
Julgando uma verdadeira guerra de exterminio este meio alem de outros ja conhecidos ha ésta horrivel praga que ja tantos prejuisos tem causado a lavoura; espero que V.S. resolva de forma ha satisfaser esta colonia ja um tanto desanimada.

Saude e fraternidade.
Dionysio da Fonseca Reys
Subintendente.


Saude e fraternidade



IM/OPV/AOP/Ofícios/Caixa 21

Que estranhamento inicial causa a leitura da correspondência acima transcrita pelo inusitado da proposta! Mas, ao mesmo tempo, o quão efetiva parece ter sido a medida sugerida de empregar pessoas, especialmente crianças, na coleta de ovos de gafanhotos e depois vendê-los! Em tempos de expansão das fronteiras agrícolas e da eliminação de ecossistemas, o homem se vê cada vez mais premido pela natureza que precisa buscar soluções para o seu descompasso! Como num ciclo, voltam ao homem os danos que ele mesmo causou à natureza! E acostumar a população a lucrar com coleta de ovos ou desinfecção de ambientes talvez fosse, se possível, uma boa solução para efetivamente combater o aedes egypt.

Recentemente a imprensa cachoeirense referiu o aparecimento de nuvens de gafanhotos em algumas zonas da cidade, motivado o fenômeno pelas grandes enchentes que se abateram sobre os lugares de habitat destes insetos, ou pelo uso de defensivos agrícolas, expulsando-os para outros ambientes. Sem os predadores naturais, as invasões podem se tornar verdadeiras pragas, como acontecia na Cachoeira de 110 anos atrás e em outras cidades. As autoridades da época empregavam todos os esforços para debelar as pragas de gafanhotos, devastadoras das lavouras e da economia dos municípios... Por mais inusitados que pareçam aos olhos de hoje!

6.º Distrito: correspondia, em 1906, a Santo Ângelo, hoje a principal parte o município de Agudo.

(MR)

3 comentários:

Suzana Saldanha disse...

Genial !

Mirian Ritzel disse...

E não é? Há outros documentos tratando do assunto que foi levado muito a sério há 110 anos. O passado, como sempre, nos dando lições.

Hugo Vieira da Cunha Vieira da Cunha disse...

Fantástico prima, me lembrou um dos causos do Romualdo do João Simões Lopes Neto, em que ele contratava sucessivamente partidas e partidas de animais e depois pessoas para livrar-se desses, como sempre te superas e nos encantas.

Postar um comentário