Pular para o conteúdo principal

Venda de ovos de gafanhotos!

Sub-intendencia do 6.º Districto* da Cachoeira, 4 de outubro de 1906.

Illmo. Snr. Dr. Candido Alves Machado de Freitas
M. D. Vice-intendente em exercicio.

Attendendo a numerosas reclamações d'esta colonia no sentido de auxiliar-se, na extinção da praga de gafanhotos que de maneira descumunal assoalhouçe n'este districto deitando sobre o solo uma quantidade espantosa de óvos; lembro a V.S. que alem de outros meios ja cunhecidos deve-se effetuar a compra dos ditos óvos, não, ao preço de mil reis o Kilo, como consta estar pagando outros municipios, porem que se pague a cem ou dusentos reis, ésta medida é uma das de mais proveito pelo motivo dos colonos não perderem o tempo, e sim empregarem na colheta de óvos o serviço das crianças que com a maior facilidade colhem grande quantidade durante o dia, trasendo para colonia um proveito adimirável, antes de gerar-se o novo gafanhoto.
Esta semanna o Snr. Augusto Scheffel, negociante nesta Colonia, anunciou a compra, óvos de gafanhoto, e como de facto comprou e pagou a quantidade de cento e dois k.ºs fasendo logo apos atto, em vista da grande freguesia que lhe accudia carregada de óvos, por não ter elle consultado ao governo do municipio previamente, rezolveu sustar seu procedimento, no entre-tanto deixa patente a medida acertadissima de compra de óvos, ficando incinerado em sera cusa cerca de quatrocentos milhões de gafanhotos!!!
A ésta repartição tambem tem sido apresentada latas de querosene cheias de óvos.
Julgando uma verdadeira guerra de exterminio este meio alem de outros ja conhecidos ha ésta horrivel praga que ja tantos prejuisos tem causado a lavoura; espero que V.S. resolva de forma ha satisfaser esta colonia ja um tanto desanimada.

Saude e fraternidade.
Dionysio da Fonseca Reys
Subintendente.


Saude e fraternidade



IM/OPV/AOP/Ofícios/Caixa 21

Que estranhamento inicial causa a leitura da correspondência acima transcrita pelo inusitado da proposta! Mas, ao mesmo tempo, o quão efetiva parece ter sido a medida sugerida de empregar pessoas, especialmente crianças, na coleta de ovos de gafanhotos e depois vendê-los! Em tempos de expansão das fronteiras agrícolas e da eliminação de ecossistemas, o homem se vê cada vez mais premido pela natureza que precisa buscar soluções para o seu descompasso! Como num ciclo, voltam ao homem os danos que ele mesmo causou à natureza! E acostumar a população a lucrar com coleta de ovos ou desinfecção de ambientes talvez fosse, se possível, uma boa solução para efetivamente combater o aedes egypt.

Recentemente a imprensa cachoeirense referiu o aparecimento de nuvens de gafanhotos em algumas zonas da cidade, motivado o fenômeno pelas grandes enchentes que se abateram sobre os lugares de habitat destes insetos, ou pelo uso de defensivos agrícolas, expulsando-os para outros ambientes. Sem os predadores naturais, as invasões podem se tornar verdadeiras pragas, como acontecia na Cachoeira de 110 anos atrás e em outras cidades. As autoridades da época empregavam todos os esforços para debelar as pragas de gafanhotos, devastadoras das lavouras e da economia dos municípios... Por mais inusitados que pareçam aos olhos de hoje!

6.º Distrito: correspondia, em 1906, a Santo Ângelo, hoje a principal parte o município de Agudo.

(MR)

Comentários

  1. E não é? Há outros documentos tratando do assunto que foi levado muito a sério há 110 anos. O passado, como sempre, nos dando lições.

    ResponderExcluir
  2. Fantástico prima, me lembrou um dos causos do Romualdo do João Simões Lopes Neto, em que ele contratava sucessivamente partidas e partidas de animais e depois pessoas para livrar-se desses, como sempre te superas e nos encantas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co