Pular para o conteúdo principal

A Expansão de Cachoeira para o Leste

Documentos do passado são reveladores da história e sua análise sob o olhar do presente permite que o leitor faça uma reconstituição do tempo, da sucessão de fatos e dos resultados.

Uma carta da "Schützenverein Eintracht"*, denominação antiga da atual Sociedade Rio Branco, remetida à Intendência em 23 de outubro de 1913, é um bom exemplo do desdobramento que a leitura de um documento escrito há 103 anos permite.

IM/OPV/AOP/Ofícios - Caixa 21
O Bairro Rio Branco foi aberto em 1912. O loteamento e a venda dos terrenos feitos pela Intendência Municipal foram iniciativas de expansão da cidade para o leste, ocupando terras que pertenceram à família do General Portinho. 

Em 1913, como informa a carta da "Schützenverein Eintrach", a diretoria pretendia adquirir terreno que abarcasse uma sede nova para a sociedade, então acanhadamente estabelecida nas proximidades da Praça José Bonifácio em um chalé, e um estande de tiro, esporte preferido dos associados.

Primeira sede da Schützen-Verein Eintracht - fototeca Museu Municipal
O terreno pretendido ficava situado (...) meia quadra de frente á Rua Ernesto Alves, junto ao cercado da chacara Portinho e fundos até o tapume da estrada de ferro (...). A carta também aponta porque a Rua Marechal Deodoro principia junto à sede da Sociedade Rio Branco: A aludida linha de tiro terá de atravessar o alinhamento da projectada Rua Marechal Deodoro, que por isso ficará fechada, na extremidade Leste, numa extensão de pouco mais de meia quadra. A Rua Marechal Deodoro, no Bairro São Luís, recebeu esta denominação em 7 de abril de 1912, mas ainda estava na condição de projectada em outubro de 1913! E a carta revela mais: A sociedade proponente obrigar-se-ha, porêm, a abrir dita rua logo que comecem a ser edificados os terrenos contíguos, actualmente compreendidos na chacara Portinho. 

Anotações feitas a caneta demonstram os passos que o documento seguiu dentro da Intendência. O Intendente da época, Isidoro Neves da Fontoura, anotou e rubricou no topo da correspondência a seguinte determinação: Á Secretaria Obras Públicas. No rodapé, outra anotação: Concedemos 200 palmos de frente com modificações [rasgado] com uma planta junta. Cach. 15 de dez. de [rasgado]. Da planta não há notícia, mas a história mostra que a concretização da obra se deu em 1914 no pretendido local, quando foram inauguradas a sede social, a Casa do Tiro e a cancha de bolão. A sede ampla, coberta e suficiente para encontros, festas e congraçamentos favoreceu a ampliação do quadro social e as opções de lazer dos associados. Mas fez mais...

Sede da Schützen-Verein Eintracht - 1914 - fototeca Museu Municipal
... a abertura do bairro levada a efeito pela Intendência Municipal em 1912 propiciou que os alemães e descendentes adotassem aquele local da cidade para nele construírem as suas residências, a escola e a igreja, constituindo, por esta hegemonia, o que popularmente começou a ser chamado de “Bairro dos Alemães”.

Ernesto Müller, o presidente da Schützen-Verein Eintracht na época das negociações e construção da sede, juntamente com o tesoureiro Arthur Fetter e Theobaldo Ruschel, signatários da carta à Intendência, muito mais do que representantes da vontade dos associados, foram em parte responsáveis ​​pela expansão urbana de Cachoeira para o leste. 

Ernesto Müller - acervo familiar
Sede atual da Sociedade Rio Branco - www.sociedaderiobranco.com.br
*Variante de grafia: Schützen-Verein Eintracht (Sociedade Atiradores Concórdia).

(MR)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da