Pular para o conteúdo principal

Cândido Alves Machado de Freitas - um nome quase esquecido

A história guarda normalmente os nomes de heróis, de políticos destacados, de personalidades diferenciadas e esquece dos cidadãos que à sombra da discrição e do trabalho denodado promoveram ações importantes para a vida da comunidade. O médico Cândido Alves Machado de Freitas foi um desses cidadãos do passado, a quem Cachoeira deve importantes melhoramentos, notadamente na área da saúde, uma vez que o nome dele impõe-se dentre as lideranças pela implantação do Hospital de Caridade.

Dr. Cândido A. M. de Freitas - fototeca Museu Municipal

A biografia de Cândido Alves Machado de Freitas está incompleta. Por um requerimento seu apresentado ao presidente e demais vereadores da Câmara Municipal, em 4 de março de 1887, Dr. Cândido informou que havia chegado a Cachoeira em janeiro de 1882, ocupando-se das atividades médicas e prestando serviços à justiça em autos de corpo de delito (conjunto de exames ou provas materiais a respeito de um crime), autópsias, inspeções de saúde, exames de sanidade e outras atividades relacionadas, tarefas para as quais havia sido nomeado pelo juiz de direito, com remuneração. No entanto, segue dizendo o texto do requerimento, a Câmara estava cobrando do médico imposto municipal no valor de 30.000 réis, quantia inferior ao que a própria Câmara devia pelos trabalhos prestados por ele à justiça. Pleiteando a solução do impasse, disse o Dr. Cândido:


Requerimento do Dr. Cândido A. M. de Freitas -
 CM/Po/DRD/DR-Caixa 26

Considerando que esta Camara deve ao supp.e quantia superior áquella do dito imposto; considerando que o suppl.e tem com toda pontualidade pago a esta Camara os impostos municipaes que lhe competem até o fim do anno p.p.; considerando que, segundo o direito natural, [rasgado] imposição iniqua e absurda, que só [rasgado] com o absolutismo e barbarismo, exigir [rasgado] um credor pague, sob pena de multa, ao seu devedor, quando aquelle tem sido pressuroso em pagar o que deve, ao passo que este é moroso e até remisso em fazer o mesmo; á vista destas considerações o supp.e vem tambem declarar á Illm.ª Camara que está disposto a impugnar o dito imposto municipal, não pagando-o, em quanto V.S.ªs não mandarem pagar ao supp.e o que lhe é devido por lei e de direito. 
Confiando na retidão e justiça de V.S.ªs e escudado na lei.
P. o supp.e deferimento na forma requerida
E. R. M.

Cachoeira, 4 de Março de 1887
Dr. Candido Alves M. de Freitas

Certamente os impasses da dívida da Câmara com o médico e da dívida do médico com os impostos municipais foram resolvidos. A política nacional naqueles últimos anos do Império estava agitada e em breve passaria por profundas mudanças, com o advento da República. A Câmara, órgão administrativo da época, foi substituída pela Junta e depois pela Intendência Municipal.  A partir de 1892 os administradores do município passaram a ser os intendentes, eleitos ou nomeados, tendo sido Olímpio Coelho Leal o primeiro a desempenhar o cargo. Sucederam Olímpio na intendência David Soares de Barcellos e Viriato Gonçalves Vianna, que tinha como vice o Dr. Cândido Freitas. Por problemas políticos e de ordem pessoal, o intendente Viriato Vianna, que também era médico, afastou-se da administração municipal, passando-a a Cândido em 3 de março de 1906.

À frente do município, Cândido Freitas concluiu, já naquele primeiro ano de seu mandato, a arborização da Praça José Bonifácio, iniciada por David Soares de Barcellos, e autorizou a construção de um quiosque na mesma praça, onde eram comercializados lanches e bebidas.

Quiosque na Praça José Bonifácio - fototeca Museu Municipal

1906 foi ano de grande seca e a economia do município, essencialmente agrícola, ressentiu-se dos efeitos da estiagem. Para reduzir os custos, Cândido determinou medidas de economia para as finanças municipais, dentre elas a redução de seus vencimentos como intendente e a diminuição dos dias de recolhimento do lixo, que de diário passou para apenas três vezes por semana. Preocupado especialmente com o atendimento dos doentes pobres, nomeou o Dr. Balthazar de Bem para a assistência pública.

Mas Cândido Alves Machado de Freitas destacou-se mesmo na criação e organização do Hospital de Caridade, inaugurado em 11 de dezembro de 1910, quando ele foi empossado o primeiro diretor. Foi também o responsável pela criação de uma sociedade beneficente para sua manutenção.

Como médico, clinicava na Rua Sete de Setembro, realizava serviço como legista e colaborava com o jornal O Commercio publicando artigos de saúde na coluna intitulada Útil a todos. 



Receituário do médico Candido A. M. de Freitas
- consultório na Rua 7 de Setembro n.º 35 A - acervo documental Arquivo Histórico

No ano de 1913, a fim de prover a educação do filho, mudou-se com a família para Porto Alegre. Quando de sua morte, em Belo Horizonte, Minas Gerais, em 1938, já era viúvo de Mariana Gomes de Freitas, deixando o filho único Dr. Cândido Machado de Freitas Filho (Jornal O Commercio, 9/11/1938, p. 2).

Ainda que praticamente esquecido nos dias de hoje, o tempo reservou o nome de Cândido A. M. de Freitas quando se evocam as memórias dos primeiros intendentes do município e a história do Hospital de Caridade. Vão-se os homens, preservam-se seus feitos.

(MR)

Comentários

  1. Bhá prima, te superastes, que espetáculo de narrativa vívida,translúcida,consegues transmitir didaticamente o calor dos acontecimentos sem deixar-se contaminar pelas ilações atuais, parabéns, texto escorreito e gostoso de ler-se, cada dia mais fã, teu primo e amigo.

    ResponderExcluir
  2. Lisonjeada, primo! O compromisso é cada dia maior! Obrigada!

    ResponderExcluir
  3. Valeu Mirian! Conheci um pouco mais da historia de Cachoeira.

    ResponderExcluir
  4. Valeu Mirian! Conheci um pouco mais da historia de Cachoeira.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co