Pular para o conteúdo principal

Cachoeira - um livro útil

Com o título acima, o jornal Rio Grande, da coleção de imprensa do Arquivo Histórico, em sua edição do dia 28 de janeiro de 1909, trazia a notícia da intenção do historiador Aurélio Porto de lançar uma obra sobre Cachoeira: ...um trabalho de real utilidade para a nossa terra. Dedicando-se ha algum tempo a excavações historicas, tendo manuseado documentos de alto merito da nossa vida, quer no precioso archivo da Intendencia, quer em cartorios, em archivos particulares, e em outras partes nesta e outras cidades e na capital do Estado, Aurelio Porto, tem já subsidios excellentes para a obra a que se consagra com afam.

Jornal Rio Grande, 28/1/1909

A obra referida pelo Rio Grande foi ao prelo como parte histórica e de fundamentação do relatório que o intendente Isidoro Neves da Fontoura apresentou ao Conselho Municipal em setembro de 1910, dando conta dos negócios e da administração municipal sob seu comando. Foi intitulada Resumo histórico. 

Originalmente a obra de Aurélio Porto sobre Cachoeira previa quatro partes: A Terra, A Aldeia - 1758-1820, A Cidade - 1850-1908. A quarta abrangeria três períodos distintos, estudados separadamente: a cidade sob o regime monárquico, sob o regime republicano e naquele ano de 1908, a que o autor intitularia Atualidade. O jornal Rio Grande ressaltou que O livro constará de mais de trezentas paginas e será caprichosamente impresso na capital do Estado, sendo as illustrações e mappas que o acompanham feitos em Buenos Ayres.

Aurélio Porto, um dos mais renomados e confiáveis historiadores do Rio Grande do Sul, era um pesquisador contumaz. Ao mesmo tempo em que analisava documentos existentes nos arquivos da Intendência, onde desempenhava as funções de chefe do serviço de arquivo e estatística municipal, ia tomando nota e organizando a documentação. Graças a ele, os primeiros documentos produzidos pelas autoridades constituídas foram preservados e acabaram por constituir o acervo inicial do Arquivo Histórico. Sua carreira de pesquisador foi ampliada quando se tornou servidor do Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro, onde produziu obras de vulto como a História das Missões Orientais do Uruguai, dentre tantas outras de grande significado para a compreensão da evolução histórica rio-grandense.

Affonso Aurelio Porto - fototeca Museu Municipal

Benjamin Camozato, quando lançou o Grande Álbum de Cachoeira no Centenário da Independência do Brasil, em 1922, ocupou parte deste Resumo Histórico para abertura da obra. No álbum, Aurélio Porto foi apresentado como membro do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, entidade que hoje possui a maior parte dos arquivos produzidos pelo historiador. O Museu Municipal de Cachoeira do Sul também é depositário de obras, objetos, fotografias e alguns documentos pertencentes ao ilustre historiador a quem devemos a definição da data magna do município - 5 de agosto de 1820 - que ele defendia com argumentos históricos irrefutáveis.

Grande Álbum de Cachoeira, de Benjamin Camozato
- Resumo Histórico por Aurelio Porto - 
(MR)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co