Pular para o conteúdo principal

Máquina para votar em 1909! Qualquer semelhança terá sido mera coincidência...

Em tempos de corrida eleitoral e de ampla divulgação de todo o aparato que cerca as eleições no Brasil, interessante descobrir que no início do século XX um italiano chamado Boggiano inventou uma máquina de votar. A notícia da invenção chegou até Cachoeira pelas páginas do jornal Rio Grande, edição do dia 28 de fevereiro de 1909, e, por incrível que pareça, guardadas as proporções e a evolução tecnológica, as semelhanças da máquina de Boggiano com a urna eletrônica adotada no Brasil em 1996 não são meras coincidências:

Jornal Rio Grande, Cachoeira, 28/2/1909
- acervo de imprensa do Arquivo Histórico
Está dando muito bom resultado, e pena é que não fosse ainda utilisada entre nós, a machina para votar, descoberta por Boggiano e que funcciona com admiravel precisão.
Trata-se de um apparelho de um metro de altura e provido de tantas aberturas, quantos os candidatos que disputam a representação politica, o emprego ou qualquer outra coisa.
Em cima e debaixo dessas aberturas, em logar bem visivel apparece não sómente o nome, mas tambem o retrato de cada candidato.
Assim, os eleitores que não sabem ler, podem estar certos de que não serão victimas de enganos, de que ninguem poderá escamotear o seu voto.
O emprego da machina idealisada por Boggiano implica o desapparecimento da cedula eleitoral. em vez desta, cada eleitor receberá ao entrar na secção eleitoral, uma especie de ficha que elle introduz na abertura destinada ao candidato por quem tiver preferencia.
Constantemente apparece a vista do publico o numero total das fichas depositadas no apparelho.
O registro se effectua automaticamente.
Em cada "Prefografo", pódem rapida e facilmente depositar seu voto dez mil eleitores. O escrutinio ou a apuração, geralmente morosa e incommoda verifica-se com extraordinaria precisão.
Ahi está a maior das vantagens que indubitavelmente offerece o "Prefografo".
Terminada a votação, o presidente e os demais individuos que formam a mesa eleitoral, não teem mais que levantar uma placa metallica, na qual, debaixo do total dos votantes, apparece o numero dos suffragios que cada candidato alcançou. 
Na Italia já se teem effectuado provas por demais satisfactorias com o "Prefografo".
Valendo-se desse apparelho quarenta mil cidadãos tomaram parte em um "referendum" municipal realisado em Turim.
Em muito curto espaço de tempo conhecia-se o resultado preciso da votação. Não menos feliz foi o resultado obtido pelo municipio de Varcelli, onde foi tambem utilisada a engenhosa machina.
O parlamento italiano não quiz se conservar indifferente à invenção do engenhoso Boggiano e já está resolvido a adoptar o original "Prefografo".
A Suissa, o paiz onde se faz maior numero de eleições, vai adoptar a nova machina.
Nos paizes onde os governos escamoteam escandalosamente os votos aos cidadãos, onde o direito de votar é uma mentira, o apparelho de Boggiano está muito longe de ser adoptado.
A cedula eleitoral que se deposita na urna, não raro de fundo duplo, é muito mais facilmente substituida que a ficha do apparelho automatico.

A máxima "nada se inventa, tudo se copia" segue soberana...

Urna eletrônica adotada no Brasil desde 1996 - ipnews.com.br

(MR)

Comentários

  1. Pena que a matéria do Jornal Rio Grande de Fevereiro de 1909 não fala sobre a repercussão em todo o Estado! Bravo Mírian

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da