Pular para o conteúdo principal

Monumento à Independência

A Semana da Pátria traz à lembrança os movimentos que culminaram com o célebre ato protagonizado por D. Pedro I às margens do Riacho Ipiranga, em São Paulo. O famoso grito de "Independência ou Morte", ainda que pouco difundido nos dias de hoje, segue como marca histórica de um período em que o Brasil buscava o nascimento como nação. O estudo e o ensino de história, assim como tudo no mundo, sofrem mudanças e o culto às personalidades históricas passa por momentos que oscilam entre a glória e o ostracismo...

Um documento enviado de São Paulo em 18 de julho de 1877 às câmaras municipais das cidades dos mais diferentes recantos do Brasil dá mostra do quanto o século XIX, em tempo bem próximo do 7 de setembro de 1822, ainda guardava grande louvor ao brado de Pedro I, considerando-o digno de eterna comemoração:


CM/S/SE/CR-010

Ill.mos Srs,

Possuindo a Côrte dois monumentos, e estando á eregir terceiro, nada existe, entretanto, em S. Paulo á assignalar a gloriosa colina onde se proclamou a Independencia do Brazil. Após mais de meio seculo o Governo não cura de perpetuar ahi o mais sublime dos feitos Nacionaes; de saldar a sagrada divida de gratidão da Patria aos heróes de nossa emancipação politica.

Em consequencia a Camara Municipal desta Cidade resolveo tomar a si a realisação da gloriosa empreza, appelando para o patriotismo Nacional. A' tal fim ella nomeou uma Comissão Central na Côrte, composta de conspicuos Cidadãos, e outra nesta Cidade. Esta, em data de 28 de Setembro de 1875, dirigiu Circular ás Camaras Municipaes do Imperio pedindo-lhes que nomeassem Commissões em cada Districto de Paz, afim de agenciarem donativos por meio de subscripção popular, pedido que igualmente foi feito pela referida Camara em igual Circular.

Presentemente, tendo o Imperio entrado em novo quatriennio municipal, e em consequencia, achando-se as Camaras Municipaes organisadas com pessoal diverso, e contando que VV. SS., por seu amor ao Paiz não deixaráo de cooperar para a eterna comemoração do feito que indepentisou o Brazil, vimos, por parte da referida Commissão desta Cidade, rogar-lhes que se dignem informar-nos do que ha occorrido á respeito, e procederem á nomeação das ditas Commissões, caso não tenham sido nomeadas, ou actival-as no cumprimento de seu encargo, si não tiver havido da parte dellas o preciso e esperado zelo.

Na satisfação do nosso pedido ha urgencia visto que brevemente vamos contractar a obra.

Contamos que VV. SS. não consentiráo que entre os mais Municipios do Imperio deixe de figurar como concorrendo para o Monumento de tão grande gloria do Brazil esse Municipio, aliás povoado, como o resto do Imperio, por Cidadãos de acrisolado patriotismo.

A correspondência segue orientando as comissões no trabalho de subscrição, chamando a atenção que as doações poderiam ser aceitas de ambos os sexos, por mais módicas que fossem, que os nomes dos subscritores seriam lançados em livro próprio por municípios e províncias, a ser impresso e distribuído gratuitamente e que todas as despesas seriam lançadas e divulgadas, ficando à disposição de quem quisesse verificá-las pelo prazo de três anos. 

Este documento, impresso, traz a assinatura do Secretário Diogo de Mendonça e do Presidente da Comissão Joaquim Ignacio Ramalho.

Monumento à Independência - junto ao riacho Ipiranga - São Paulo
- conjunto escultórico inaugurado em 1922 -
Apesar do patriotismo elevado daqueles tempos, os cachoeirenses, talvez preocupados com as questões locais, não conseguiram erigir nenhum monumento à Independência, embora tenham adotado para a sua principal praça o nome do seu patriarca: José Bonifácio de Andrada e Silva, de certa forma legando à posteridade não como pretendiam os paulistas o gesto do nosso primeiro imperador, mas o nome do homem que foi um dos principais personagens do movimento que separou definitivamente o Brasil de Portugal. Quanto às colaborações para o monumento de São Paulo... não há notícia, por enquanto, de subscrições de cachoeirenses.

(MR)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Colégio Estadual Diva Costa Fachin: a primeira escola de área inaugurada no Brasil

No dia 1.º de outubro de 1971, Cachoeira do Sul recebeu autoridades nacionais, estaduais e regionais para inaugurar a primeira escola de área do Rio Grande do Sul e que foi também a primeira do gênero a ter a obra concluída no Brasil. Trata-se do Colégio Estadual Diva Costa Fachin, modelo implantado com recursos do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Médio - PREMEM, instituído pelo Decreto n.º 63.914, de 26/12/1968.  Colégio Estadual Diva Costa Fachin - Google Earth A maior autoridade educacional presente àquela solenidade foi Jarbas Passarinho, Ministro da Educação, acompanhado por Euclides Triches, governador, e pelos secretários de Educação, Coronel Mauro Costa Rodrigues, de Interior e Justiça, Octávio Germano, das Obras Públicas, Jorge Englert, e da Fazenda, José Hipólito Campos, além de representantes do Senado, de outros ministérios, estados e municípios.  Edições do Jornal do Povo noticiando a inauguração da escola (30/9/1971 e 3/10/1971, p. 1) Recepcionados na Ponte do Fa

Rainha do Carnaval de 1952

O carnaval de 1952 foi marcado por uma promoção da ZYF-4, a Rádio Cachoeira do Sul, e Associação Rural, que movimentou toda a cidade: a escolha da rainha dos festejos de Momo. Vamos conhecer esta história pelas páginas do Jornal do Povo : Absoluto êxito aguarda a sensacional iniciativa da ZYF-4 e Associação Rural - Milton Moreira (PRH-2) e a famosa dupla "Felix" da Televisão Tupi  participarão de atraente "show" Cachoeira do Sul viverá sábado à noite o maior acontecimento social dos últimos anos, com a realização do monumental "Garden-Party" promovido pela Rádio Cachoeira do Sul e Associação Rural nos jardins da ZYF-4. Rainha do Carnaval de 1952 -  Jornal do Povo, 21/2/1952, p. 1 Rádio Cachoeira do Sul - ZYF-4 - Coleção Emília Xavier Gaspary Precedido de quatro grandiosos bailes que se efetuaram nas principais entidades sociais cachoeirenses, o "Garden-Party" vem centralizando as atenções da cidade inteira, pois, assinalará o mais deslumbrante es

Cachoeira do Sul e seu rico patrimônio histórico-cultural

A história de Cachoeira do Sul, rica e longeva, afinal são 202 anos desde a sua emancipação político-administrativa, legou-nos um conjunto de bens que hoje são vistos como patrimônio histórico-cultural. Muito há ainda de testemunhos desta história que merecem a atenção pelo que representam como marcas dos diferentes ciclos históricos. Mas felizmente a comunidade e suas autoridades, desde 1981, pela criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico-Cultural - COMPAHC, têm reconhecido e protegido muitas destas marcas históricas. Antes da existência do COMPAHC muitos e significativos bens foram perdidos, pois o município não dispunha de mecanismos nem legislação protetiva, tampouco de levantamento de seu patrimônio histórico-cultural. Assim, o Mercado Público, em 1957, e a Estação Ferroviária, em 1975, foram duas das maiores perdas, sendo estes dois bens seguidamente citados como omissões do poder público e da própria comunidade. Sempre importante lembrar que por ocasião do anúncio da