Pular para o conteúdo principal

Festa Nacional do Trigo em Cachoeira - 60 anos

Entre os dias 20 e 22 de outubro de 1956, Cachoeira do Sul sediou a VI Festa Nacional do Trigo e II Exposição Agro-Industrial, eventos que mobilizaram a cidade e a colocaram em evidência no país.

Os jornais locais, O Commercio e Jornal do Povo, fizeram ampla cobertura da programação da Festa e das atividades que a cercaram. A cidade, engalanada, recebeu o Presidente da República, Juscelino Kubistchek, o Governador do Estado, Ildo Meneghetti, e o senador e jornalista Assis Chateaubriand, proprietário da maior revista de circulação nacional da época - O Cruzeiro, dentre outras personalidades políticas, militares, civis e eclesiásticas.


                         
                            Edição do Jornal do Povo de 20/10/1956
                         - Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico

Edição do jornal O Comércio de 17/10/1956
- Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico


Disse o Jornal do Povo na edição de 21 de outubro de 1956, cuja manchete era "Estamos Trabalhando Para Dar ao Brasil o Pão de Que Precisa": 

Cachoeira do Sul tributou, no dia de ontem entusiástica recepção às comitivas federais e estaduais do Govêrno Estadual e Federal que aqui aportaram para assistir à inauguração da VI Festa Nacional do Trigo. Pela manhã, às 10,30 horas, em avião da VARIG, desembarcou no aeroporto local o Governador Ildo Meneghetti, que se fazia acompanhar de secretários de Estado, deputados estaduais e de representantes das classes econômicas gaúchas, sendo recepcionado por elevado número de pessoas pertencentes as mais diversas classes ficando hospedado na residência do industrialista Reinaldo Roesch.
Às 12,30 horas chegava o dr. João Goulart, Vice-Presidente da República, em avião procedente de São Borja. E uma hora após, o Presidente Juscelino, em avião especial da FAB, acompanhado do senador Assis Chateaubriand, do dr. Tancredo Neves, presidente interino do Banco do Brasil, deputados Godoy Ilha, Marcial do Lago, Lutero Vargas, José Moraes, Daniel Dipp, Unírio Machado, Fernando Ferrari e César Prieto. Juscelino foi recepcionado por altas autoridades civis, militares e eclesiásticas, tendo a Banda dos Fuzileiros Navais prestado as honras do estilo e com salva de obuzes pela Guarnição Federal desta cidade. O presidente desceu sorridente, envergando roupa cinza e gravata de igual côr, estampada com desenhos de feixes de trigo.

Após o desembarque, o Jornal do Povo noticiou que o presidente seguiu para a cidade à frente de um cortejo de carros que desfilaram pelas ruas em companhia do vice-presidente, do governador e do prefeito Arnoldo Paulo Fürstenau, rumando até o Parque de Exposição para inaugurar solenemente a VI Festa Nacional do Trigo. As ruas estavam repletas de populares e colegiais para ovacionar os visitantes.

Uma vasta programação foi desenvolvida ao longo dos dias 20, 21 e 22 de outubro logo após o corte da fita inaugural da Festa pelo presidente, às 14h15 do dia 20. Depois de vários discursos, bênção dos pavilhões da II Exposição Agro-Industrial de Cachoeira do Sul pelo Bispo Dom Antônio Reis e visita aos estandes, o Presidente deixou marcada sua presença pela seguinte frase: Estamos trabalhando para dar ao Brasil o pão de que ele precisa. O trigo, como o problema do petróleo, exige homens de ação e decisão.

Programa da VI Festa Nacional do Trigo - O Comércio, 17/10/1956
- Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico


Na noite do dia 20, às 20h, no salão de festas do Clube Comercial, foi oferecido um banquete às autoridades e às 23h, nos salões da Sociedade Rio Branco, aconteceu o baile de gala com coroação da Rainha da VI Festa Nacional do Trigo, senhorita Ivany Barchet. Dentre as jovens que compunham a sua corte, as cachoeirenses Janice Schneider e Rosemarie Lüdtke. 

Coroação da Rainha Ivany Barchet
- Jornal do Povo, 27/10/1956

No dia 21 de outubro, domingo, um grande desfile intitulado "Parada da Triticultura", com máquinas agrícolas e carros alegóricos, tomou as ruas principais da cidade. O palanque oficial da Festa estava instalado na Praça Borges de Medeiros. Durante os dias em que a VI Festa Nacional do Trigo se desenrolou, constaram do programa bailes diários nas diferentes sociedades recreativas. 

Um dos carros alegóricos da Parada da Triticultura
- Jornal do Povo, 27/10/1956
- Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico


Concomitante às atrações populares e festivas, aconteceu também o VI Congresso Nacional de Triticultores, no auditório do Ginásio Roque Gonçalves.

A VI Festa Nacional do Trigo, que era um evento itinerante realizado em diferentes cidades brasileiras onde a cultura do trigo tinha destaque, aconteceu em Cachoeira do Sul 15 anos depois da Festa do Arroz, preenchendo uma lacuna de eventos desta natureza que vinha desde 1941. Apesar do sucesso da VI Festa Nacional do Trigo, 12 anos se passaram até a realização da II FENARROZ, dando início a uma sequência de festas/feiras voltadas para a lavoura orizícola, cultura que marca a economia cachoeirense. 

(MR)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co