Pular para o conteúdo principal

Pela liberdade dos escravos

A Câmara Municipal de Cachoeira, como de resto de outras cidades, foi destinatária de correspondência do Directorio do Centro Abolicionista em Porto Alegre, datada de 24 de maio de 1885, firmada por Joaquim Pedro Salgado, presidente, Joaquim de Salles Torres Homem, 1.º secretário, e pelos diretores Achylles Porto Alegre, João Duval, Julio Cezar Leal, Severino F. Prestes, Damasceno Vieira, João Theophilo V. da Cunha, Ignacio de Vasconcellos Ferreira, Aurelio Virissimo de Bittencourt, Antonio Candido da Silva Job e Candido Antonio da Costa.




O teor da correspondência reveste-se de significação maior ainda quando revela o quanto a propaganda abolicionista estava fortalecida no breve tempo que então antecedia a assinatura da lei áurea, ato da Princesa Isabel a 13 de maio de 1888, demonstrando também o quanto ainda estava por ser feito. Os seus signatários confirmam o peso que o movimento obteve junto a lideranças intelectuais. Nomes como o de Acchylles Porto Alegre, escritor, jornalista e educador de renome, e Damasceno Vieira, jornalista, poeta, dramaturgo e historiador, dão conta disto.

Acchylles Porto Alegre - Wikipédia
Eis o texto da correspondência:

Havia apenas um anno se encetára a propaganda propriamente abolicionista na provincia do Rio Grande do Sul, e já todos os seus habitantes comprehendiam, em Agosto de 1884, que a escravidão era uma causa de atrazo para a prosperidade do paiz, um factor deleterio para a raça e a civilisação, finalmente um indigno attentado contra a liberdade e a personalidade humanas.

Uma pronta e nunca assás applaudida resolução do povo d'esta terra exprimio, em face do paiz inteiro, o genuino voto do patriotismo, da intelligencia e da humanidade, que sempre distinguiram, nos grandes commettimentos sociaes, a gente do Rio Grande.

Até o fim do glorioso anno de 1884, em cinco mezes a provincia vio libertarem-se cerca de cincoenta mil escravos. Grande numero de cidades e muitos municipios ficaram expurgados da odiosa instituição do captiveiro dos homens. Em todas as localidades, sem exceçpção, a idéa redemptora agitava o espirito publico e ia fazendo ceder as fracas resistencias.

Entrando no presente anno de 1885, poucos esforços mais foi preciso empregar em alguns municipios, para libertarem-se todos os seus escravos.

Em outras localidades restam, porém, homens ainda captivos, por cuja liberdade intercedemos fervorosamente, junto aos seus senhores e a todos os bons cidadãos.

Temos a convicção profunda de que trabalhamos em bem da Patria e da Humanidade, e escudamo-nos na confiança, que sempre inspiraram-nos os generosos sentimentos dos habitantes do Rio Grande do Sul.

Imploramos os senhores dos escravos, em nome de tudo quanto ha de mais sagrado, nas idéas e nos sentimentos dos homens: a justiça, a moral, a religião, a misericordia, que só teem uma voz para condemnar o captiveiro do homem pelo homem!

Rogamos aos cidadãos, amantes da sua patria e da sua provincia natal, e que são dignos de sentir commiseração pelas creaturas fracas e infelizes, de porem ao serviço da causa do resgate dos captivos todo o seu prestigio pessoal, a influencia das suas relações, o seu talento, as suas virtudes e a sua infatigavel dedicação, com o fim de soltar o ultimo escravo, que ainda geme na noite do captiveiro!

As benemeritas associações de patriotas e de estrangeiros amantes d'esta terra, que têem-se formado nos differenttes pontos da provincia, sob a bandeira abolicionista, permittam-nos que lhes dirijamos tambem um apello fraternal. Redobrem de esforços, sustentem a brilhante posição, em que já tantos louros colheram, na cruzada humanitaria.

A imprensa continúa a derramar luz, sobre a escuridão do captiveiro do trabalhador.

Unamo-nos em nome da Patria, da Justiça e da Humanidade, e proclamemos a libertação total dos escravos, na provincia do Rio Grande do Sul!

E' da nossa honra e do nosso dever satisfazer, quanto antes, este compromisso.

Foi chamado a occupar posição conspicua no novo ministerio 6 de Maio um illustre representante do Rio Grande do Sul, na pessoa de quem consagrou o chefe do Estado o momento abolicionista da provincia, pois que a libertação dos escravos, é, hoje, a idéa capital do programma do governo.

Trata-se tambem de fazer uma lei sobre a emancipação servil, na qual só não serão contempladas as provincias, que já tiverem libertado voluntariamente seus escravos.

O Rio Grande reflicta: si pela permanencia, em seu sólo, de alguns poucos milhares de escravos, elle deve perder o beneficio de sua nobre conducta, no resgate de outros cincoenta mil captivos, e soffrer a imposição de uma lei, que só é feita para obrigar a vontade dos homens, que não são capazes de guiarem-se espontaneamente pela vóz da sua razão e a bondade de seus sentimentos!

Poucos instantes temos para reflectir: resolvamo-nos já!

A correspondência acima foi impressa tipograficamente. Uma anterior, datada de 27 de abril daquele ano, manuscrita pelo 1.º secretário do Centro Abolicionista, rogava que os vereadores não desamparassem a sagrada causa de restituir à liberdade creaturas humanas e afirmava que não recebendo há muito tempo qualquer comunicação sobre as alforrias de escravos na Cachoeira, o Centro Abolicionista pede á VVSS.ªs que se dignem informar-nos acerca do numero de libertos, desde Julho do anno ultimo de 1884, bem como, sobre as causas que porventura tenham retardado o movimento libertador d'essa localidade.

Sem a resposta aguardada, em 3 de agosto do mesmo ano, mais uma vez o 1.º secretário dirigiu-se à Câmara solicitando [...] informar-nos a cerca do numero das libertações effectuadas n'esse municipio, bem como os escravos ainda existentes. 

Segundo o historiador Aurélio Porto, existiam em Cachoeira até 1.º de junho de 1884, 1.305 escravos tendo, por conta da propaganda abolicionista, sendo libertos 441, de 1.º de junho a 31 de outubro, e 178, de 1.º de novembro de 1884 a 15 de março de 1885, perfazendo 619 cativos libertos.

Documentos como estas correspondências resguardadas no rico acervo do Arquivo Histórico conseguem, ainda que decorridos 129 anos desde 13 de maio de 1888, causar desconforto e reflexão pela dura realidade que reproduzem.

(MR)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co