Pular para o conteúdo principal

Eucaliptos em Cachoeira

A cultura de eucaliptos em Cachoeira teve um grande impulso a partir de 1916 com o empreendedor José Zell, que desde 1912 vinha realizando palestras e publicando artigos no jornal O Commercio sobre as vantagens da silvicultura.

Sua primeira aparição discorrendo sobre o assunto se deu em 28 de fevereiro de 1912, no salão da Intendência Municipal, quando realizou uma conferência sobre silvicultura em geral, focando especificamente no cultivo do eucalipto. O Dr. Balthazar de Bem, ao apresentá-lo à assistência, justificou a dificuldade de expressão de José Zell devido ao pouco tempo em que estava no Brasil, mas ressaltou sua alta qualificação para o que se propunha fazer.

Segundo publicação n'O Commercio, edição de 6 de março de 1912, ao começar a conferência, José Zell falou sobre a importância dos matos e enalteceu o seu papel benefico exercido (...) sobre o clima, reduzindo e desviando a força dos ventos, determinando maior precipitação d'agua, evitando as erosões e garantindo portanto a perennidade dos cursos d'agua; por meio das folhas os mattos retêm as aguas e mantem a fertilidade dos terrenos. (...) Da exploração sem methodo desta riqueza, provieram aos povos, como á Grecia, Sicilia e outras regiões da Italia, serias difficuldades que hoje trata-se de reparar pelo replantio. (...) 
O Sr. Zell, que é um competente no assumpto, ha 15 annos cultiva eucalyptus nas Pedras Brancas, e o fez com tanto cuidado que suas plantações constituem um verdadeiro campo experimental de sylvicultura. (...) 
Como se vê o sr. Zell vai se tornando um benemerito pela natureza dos seus trabalhos, que merecem ser amplamente divulgados, dada a relevancia do assumpto. 
Perorando o conferencista felicitou aos cachoeirenses pela prosperidade de varios ramos da lavoura neste municipio e concitou-os a proseguir a reconstituição da floresta rio-grandense.

José Zell, que dá nome a uma rua de Cachoeira, foi o grande propagador do plantio de eucaliptos no município. Ancorado em sua larga experiência na silvicultura e dos 15 anos empregados no manejo do eucalipto, era tido como alta autoridade no assunto no Rio Grande do Sul. A partir de 1912, pela ampla propaganda, vários proprietários cachoeirenses passaram a cultivar a mirtácea de rápido crescimento e que em pouco tempo fornecia lenha para combustível e madeira para construção.

A comprovar isto está um documento da Intendência Municipal que traz dados estatísticos do cultivo de eucaliptos no município do ano de 1912 até 1917, demonstrando o protagonismo de Zell no negócio:

IM/EA/SI/Relações - Caixa 22
Na relação de investidores no cultivo, apresentada à Intendência por José Zell, aparecem como pioneiros os médicos Balthazar de Bem e Augusto Priebe. O primeiro, conhecido pelo empreendedorismo, plantou inicialmente 5.000 árvores na sua Granja da Penha, mesmo número de mudas plantadas pelo Dr. Augusto Priebe em sua propriedade, no 1.º distrito, lugar em que hoje se assenta a sede campestre do Clube Comercial.

Investidores pioneiros no cultivo do eucalipto
- Imagens historiadecachoeiradosul.blogspot.com.br e brasilverde.com.br
Outros nomes que aparecem na relação, divulgados também no jornal O Commercio, são: Euripides Mostardeiro & Cia., Carlos Schmidt, Adolfo Brendler, Augusto Wilhelm, Diefenbach, Wilhelm & Cia., Luiz Diefenbach, Gustavo Müller, Emilio Schlabitz & Cia., José Sebastião Vieira da Cunha, da Fazenda São José (Tafona) e Octaviano Gomes de Oliveira.

Silvicultores de eucaliptos - Augusto Wilhelm - acervo familiar
Octaviano Gomes de Oliveira - foto de Benjamin Camozato
José Sebastião Vieira da Cunha - acervo Fazenda da Tafona

José Zell fixou-se na cidade, onde encontrou bom campo de negócio. Aqui viveu por muitos anos, estabelecendo um viveiro para criação de mudas de eucalipto no Alto dos Loretos. No ano de 1916 fechou contratos de mais de um milhão de pés de eucaliptos para proprietários rurais de São Gabriel, Bagé e Pelotas, fazendo de Cachoeira um celeiro exportador. As principais espécies cultivadas eram rostrata, robusta, resinífera, citriodora, pilularis e sideropholia. Em 1918 adquiriu um terreno no Bairro Rio Branco, onde construiu um sobrado projetado por Theo Wiedersphan, o mesmo arquiteto responsável pelo projeto do Templo Martim Lutero.

Sobrado projetado por Theo Wiedersphan para José Zell - Bairro Rio Branco
- Imagem: acervo Osvaldo Cabral de Castro

Não há notícia de quando José Zell deixou Cachoeira, mas consta que o sobrado onde morava foi vendido em 1928 para Edwino Schneider e que antes disso havia pertencido ao Dr. Alfredo Papay. Apesar de ter-se retirado da cidade, as mudas de eucaliptos que difundiu acabaram cobrindo muitos hectares cachoeirenses e fazendo com que esta árvore exótica passasse a ser popular entre nós.

José Zell morreu em Porto Alegre no dia 14 de julho de 1953.

MR

Comentários

  1. Putz, que fantástica essa postagem, me quebras a vidraça dos olhos mais uma vez com a lembrança de meu bisavô, o saudoso e finado José Sebastião Vieira da Cunha, sem palavras prima.

    ResponderExcluir
  2. E que coincidência postar no dia de falecimento do José Zell.

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito Mirian ! Como admirador do plantio de Eucalipto e até cultivador do mesmo em pequena escala, achei muito interessante. Alguns conceitos sobre a cultura já mudaram, mas isso não é relevante diante da do grande bem que este senhor trouxe ao nosso município e hoje é sem dúvidas uma das alavancas do nosso agronegócio...parabéns pela postagem !

    ResponderExcluir
  4. Os conceitos mudaram mesmo! Mas a história tem que ser revista e o valor do empreendimento de José Zell deixou seu legado e como eu disse lá no texto, de exótico o eucalipto se tornou popular entre nós. Obrigada, Mário!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Bar América - plantas no acervo do Arquivo Histórico

A notícia de obras de recuperação e melhoria do Bar América para nele ser instalada a futura Secretaria Municipal da Cultura faz renascer a esperança de ver aquela parte nobre da Praça José Bonifácio revitalizada e, ao mesmo tempo, viabilizar espaço e melhores condições à valiosíssima área cultural do município.  A história do Bar América remonta ao ano de 1943, quando a imprensa noticiou que a Prefeitura Municipal pretendia construir um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. Assim noticiou o jornal O Comércio , de 17 de março daquele ano: A Praça José Bonifácio será dotada de um quiosque-bar Faz parte do programa de reforma da cidade, desde o calçamento das principais ruas, a construção de um quiosque-bar na Praça José Bonifácio. De tempos em tempos, o nosso Governo Municipal faz publicar editais de concurrencia publica para a construção e exploração de um bar naquele local, mas estes não apareciam. Agora, foi posta em fóco novamente a questão e apresentou-se um único candidato, que en

Inauguração das Casas Pernambucanas

A notícia veiculada na imprensa de que em breve as Casas Pernambucanas voltarão a abrir as portas em Cachoeira do Sul despertou a curiosidade e o interesse de buscar informações sobre a instalação da primeira filial dessa popular casa comercial na cidade. Vem do Acervo de Imprensa do Arquivo Histórico a resposta. O Commercio , 24/6/1931, p. 1 Folheando as páginas dos jornais O Commercio  e Jornal do Povo  da década de 1930 e partindo da notícia da inauguração da segunda loja das Casas Pernambucanas em Cachoeira, ocorrida em setembro de 1936, uma rápida volta no tempo levou ao dia 8 de julho de 1931: O Commercio, 8/7/1931, p. 1 Casas Pernambucanas. - Com a presença de exmas. sras., senhoritas e cavalheiros, representantes das autoridades do municipio e da imprensa local, foi inaugurada, ás 10 horas da manhã de quarta-feira ultima, no predio da rua Julio de Castilhos n.º 159, a Filial das Casas Pernambucanas, cuja gerencia está a cargo do sr. José Aquino, muito conhecido e relacionado ne

A Ponte do Passo Geral do Jacuí

O Passo Geral do Jacuí, localizado a 30 km da cidade de Cachoeira do Sul, pela estrada de rodagem e, cerca de 40 km pelo leito do rio Jacuí, foi um dos caminhos de ligação entre Rio Pardo e a Região da Fronteira Oeste e Planalto, em tempos de paz e de Guerra Farroupilha. Terminada a Revolução Farroupilha, com a pacificação de Ponche Verde, a Província, governada por Caxias, volta-se para as obras e a prosperidade do Rio Grande do Sul. Em 8 de abril de 1846, por decreto, é apresentado o projeto para esse desenvolvimento e nele incluída a construção de uma ponte sobre o Passo Geral do Jacuí. Uma obra necessária e vital para agilizar a ligação entre os principais núcleos urbanos, servidos pelo rio Jacuí e a comercialização dos produtos e riquezas entre regiões Leste e Oeste da Província. Sua construção foi contratada pelo empreiteiro Ferminiano Pereira Soares, em 1848, pela quantia de 250 contos de réis, paga em seis prestações e num prazo contratual de cinco anos. (Ferminiano co